quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Pezão veta emenda da Alerj que proíbe venda da Cedae

Pezão veta emenda da Alerj que proíbe venda da Cedae

Matéria publicada em 22 de setembro de 2018, 09:30 horas

 


Pezão mantém propósito de seguir normas do plano de recuperação


Rio –
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, vetou nesta sexta-feira (21), emenda aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que proibia a venda da Companhia Estadual de Água e Esgotos (Cedae). O governo justificou o veto alegando que a aprovação desse artigo “fulminaria” o Plano de Recuperação Fiscal (PRF) adotado pelo estado.

A Cedae foi dada em garantia para empréstimo de R$ 2,9 bilhões, do banco francês BNP Paribas, usado em dezembro do ano passado para regularizar a folha de pagamento do funcionalismo. Na quinta-feira (20), Pezão já havia adiantado que vetaria a matéria, aprovada por 48 votos a zero na Alerj, no último dia 18.

“Vou vetar imediatamente, assim que o projeto chegar a mim. Eu não vou colocar a recuperação fiscal do estado em risco. Tive um trabalho muito árduo de criar um plano de recuperação que não existia no país. Isso viabilizou as finanças do estado”, disse o governador.

Segundo a assessoria da Alerj, os deputados têm prazo de 15 dias, contados a partir do recebimento do ofício do governador e da publicação no Diário Oficial do Legislativo, para apreciar o veto. Para derrubada do veto, são necessários pelo menos 36 votos.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Vende logo essa bosta só da prejuizo

  2. Bandido eleito pelos ELEITORES DE BANDIDOS do PMDB. Eu vejo a intenção de não trocar essa garantia pelo dívida que a empresa tem a receber é ENTREGAR O PATRIMÔNIO público aos banqueiros.

    Se a aprovação foi por 48 x 0 e para derrubar o veto é preciso de 36 votos, então derrubaremos. Agora é aguardar e acompanhar quais serão os deputados que venderão seus votos.

    Se o prazo para derrubar for corrido, então será no dia 5 de outubro, pertinho das eleições. Vamos ficar de olho nos deputados e seus partidos.

    Os ELEITORES DE BANDIDOS do PMDB, como sempre, nada falam.

Untitled Document