quarta-feira, 8 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Projeto de lei do vereador Gustavo Gomes estabelece igrejas e templos religiosos como atividade essencial em Barra Mansa

Projeto de lei do vereador Gustavo Gomes estabelece igrejas e templos religiosos como atividade essencial em Barra Mansa

Matéria publicada em 27 de maio de 2020, 19:50 horas

 


Vereador de Barra Mansa propõe que templos sejam considerados essenciais

Barra Mansa –  Nos próximos dias deve ser votado na Câmara Municipal de Barra Mansa um projeto de lei do vereador Gustavo Gomes (Republicanos), que estabelece como atividade essencial à população o funcionamento de igrejas e templos religiosos em períodos de calamidade pública no âmbito municipal. Caso seja aprovada, a lei será encaminhada ao Executivo para sanção ou veto do prefeito Rodrigo Drable

Em tempos de pandemia do novo coronavírus, o parlamentar acredita que a fé é fundamental para superar este período de crise. “Muitas pessoas tem como referência buscar ou levar ajuda através das Igrejas e não estão conseguindo pelo fato de estarem fechadas. Os templos religiosos também tem um papel importante no apoio psicológico às pessoas que encontram dificuldades neste enfrentamento”, revelou, acrescentando que outros municípios estão adotando esta medida.

— Cidades do Rio e de São Paulo já estão tratando deste assunto como serviço de atendimento essencial. Isso é muito importante, pois quando houver algum decreto ou determinação para o fechamento dos estabelecimentos, as Igrejas e os templos religiosos poderão continuar abertos, isso se o projeto for aprovado – completou Gustavo Gomes.

O vereador ainda lembrou que para isso aconteça, medidas de segurança e de higiene devem ser tomadas. “Todas as atividades deverão ser realizadas com limitações do número de pessoas, baseando-se com a gravidade da situação exposta e fundamentada por autoridades competentes. Também haverá um rigoroso critério de higiene, com a utilização de máscaras de segurança e álcool em gel, sempre pensando na integridade dos fieis e demais membros”.

Gustavo também é a favor da reabertura do comércio, que pode acontecer já a partir desta sexta-feira, dia 29, dia da audiência especial de conciliação entre o Executivo e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. “Espero que o município consiga firmar um novo acordo com a Justiça, apresentando resultados de contenção ao Covid-19 e com a reabertura do comércio. Isso vai ser muito importante para o desenvolvimento econômico de Barra Mansa e também para as famílias que estão com as rendas comprometidas”, concluiu.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar
    Djane Raimundo Andrade

    Em época de eleição infelizmente a saúde não importa, o que querem é votos, infelizmente esse é o nosso país!
    Para se ter fé, orar, rezar, não precisa ir as igrejas e nem templos. A fé carregamos dentro de nós, podemos rezar, orar dentro de casa, com essa pandemia, vírus correndo a solta, povo não se importa, muito triste isso!
    Basta ver os resultados de contaminados e óbitos.
    Povo muito sem noção!
    É uma pena, pois muitos vão atrás de gente como esse daí!
    Gente irresponsável, gente hipócritas, bolsonarista!

    Infelizmente há política em tudo, o povo que se dane, não pensam nos outros!

  2. Avatar

    Mais um hipócrita bolsonarista pensando na perda de receita das igrejas e templos. Picaretagem pura. Para orar não precisa ir em templos , igrejas, etc…. Pode ser no próprio lar ou junto à natureza. E não num local fechado, com pessoas falando e gritando, espalhando o vírus para todos os lados. Nunca , em nenhuma época, o povo elegeu políticos tão medíocres, hipócritas, corruptos e despreparados. Vai pagar por isso.

  3. Avatar

    Muito Bom, afinal todos os botecos das cidades estão lotados , supermecados , bancos e etc… sempre bom ter um lugar onde a pessoa deprimida, necessitada possa ter uma orientação e aopoia

  4. Avatar

    Loucura… Realmente para matar mais pessoas.
    Irresponsáveis e egoístas.

Untitled Document