Rodrigo Drable concede subsídio para ‘salvar’ transporte público de Barra Mansa

Passagem será reajustada para R$ 4,95, no entanto, prefeitura irá subsidiar R$ 0,55 mantendo a passagem em R$ 4,40 para morador de BM que não utiliza vale transporte

Por Vivian Costa e Silva
1k Visualizações

Barra Mansa – Para tentar evitar um colapso no transporte coletivo de Barra Mansa, o prefeito Rodrigo Drable enviou à Câmara de Vereadores nesta quarta-feira (29), uma mensagem criando um subsídio para equilibrar o valor tarifa técnica do Consórcio Barra Mansa, responsável pelas 35 linhas que operam na cidade e que transportam quase 1 milhão de passageiros/mês. A nova lei permitirá atender os usuários com mais viagens e sem aumento de passagem, devido a situação econômica do país.

O novo subsídio que deve aprovado pela Câmara irá atender cerca de 210 mil passageiros/mês ao custo de R$ 115 mil aproximadamente aos cofres públicos. No entanto, para chegar ao valor final a prefeitura utilizou na fórmula de cálculo do subsídio de 50% da tarifa já pago aos estudantes da rede municipal de ensino, que gera uma despesa de R$ 70 mil/mês. Ou seja, o novo subsídio deve ser aproximadamente de R$ 45 mil/mês em média.  De acordo com a mensagem do Executivo, nenhum passageiro que utilize dinheiro para pagar as passagens, terá aumento nos custos, pois o valor será custeado pela prefeitura.

– Quero deixar bem claro que esta medida será a última adota pelo governo para ajustar o serviço e dar dignidade ao usuário do transporte público. O serviço está muito ruim– disse o prefeito Rodrigo Drable.

Dados da Secretaria de Ordem Pública de Barra Mansa revelam que o setor de transporte público da cidade perdeu cerca de 30% de passageiros desde 2020 com a pandemia e ainda sofre com a entrada de serviços de aplicativo e o transporte irregular de passageiros.

– Analisando o transporte público de passageiros ao longo dos últimos meses, foi verificada deficiências no atendimento à população atrelado ao colapso que atinge o sistema no pós-pandemia, onde passageiros necessitam de mais horários e as empresas sofrem com custos operacionais e logísticos, com risco até de falta de combustível – explicou o secretário de Ordem Pública, capitão Daniel Abreu.

Para se ter ideia do tamanho do problema enfrentado pelas empresas e pelos usuários do transporte coletivo com atrasos, perda de compromissos e veículos quebrados, com o atual preço da tarifa – R$ 4,40, as empresas não conseguem custear as despesas, principalmente com óleo diesel, salários e manutenção da frota. Contratualmente, segundo apurado pela reportagem, o preço da tarifa levando em consideração a planilha de custos e o contrato deveria ser de R$ 5,33. Somente com óleo diesel as empresas gastam mensalmente quase R$ 900 mil/mês. Em quase sete anos, a prefeitura concedeu apenas um reajuste. “Isso é para evitar que o cidadão seja penalizado e não pague uma tarifa tão elevada”, disse o secretário capitão Daniel Abreu. O novo subsídio não irá atender passageiros que utilizam o vale-transporte.

Morador de BM deverá se cadastrar para receber benefício

O secretário de Ordem Pública, capitão Daniel Abreu, explicou que com a mensagem aprovada pela Câmara e a lei entrando em vigor, os moradores de Barra Mansa que utilizam o transporte público de passageiros, deverão realizar um cadastro junto ao Sistema de Bilhetagem Eletrônica no Sindpass (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros) para ter acesso ao benefício. A forma de cadastro será regulamentada após a aprovação da lei.

O setor em números

Empresas – Colitur e Triecon

Linhas – 35 linhas

Veículos – 100 veículos, incluindo os reservas

Passageiros mês – 930 mil pessoas transportadas em média

Usuários pagantes mês – 600 mil em média, sendo 65% que utilizam vale transporte e 35% que pagam em dinheiro

Estudantes – 47 mil passageiros em média por mês – sendo 50% custeado pela prefeitura e os outros 50% pelas empresas de ônibus

Gratuidade (idosos, pessoas com deficiência e estudantes da rede estadual) – 270 mil passageiros em média por mês

Empregos gerados – 405 empregos diretos, sendo 200 empregos na Colitur e 205 empregos diretos na Triecon

Gastos com óleo diesel/mês – R$ 880 mil para as duas empresas

Advertisement

VOCÊ PODE GOSTAR

3 Comentários

Marina Arruda dos Santos Vitalino 30 de novembro de 2023, 22:16h - 22:16

Boa noite. Eu acho que a empresa arrumou foi pretexto para aumentar o valor da tarifa, diminuindo os meios de transporte, mesmo, tendo esse plano quê o prefeito está planejando,eles não vão voltar com às frotas, vão continuar com a quantidade de carro e horário reduzido nos deixando no prejuízo.

Paulo 30 de novembro de 2023, 17:28h - 17:28

Tem é que trocar de empresa.Chega de tramoia.Aumentam a passagem, mas o serviço continua uma porcaria.Para aumentar ainda mais, vem a falta de educação dos motoristas.

Jorge Lucas 30 de novembro de 2023, 06:34h - 06:34

Gestão. Essa é a grande necessidade.

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

 

(24) 99926-5051 – Jornalismo

 

(24) 99234-8846 – Comercial

 

(24) 99234-8846 – Assinaturas

Canal diário do vale

colunas

© 2023 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996