>
terça-feira, 5 de julho de 2022 - 22:22 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Secretário explica problema que levou à prisão de servidor da prefeitura

Secretário explica problema que levou à prisão de servidor da prefeitura

Matéria publicada em 6 de maio de 2016, 20:34 horas

 


Na berlinda: Vereadores questionaram Luiz Antônio e Carlos Bonfim sobre entrega de remédios

Na berlinda: Vereadores questionaram Luiz Antônio e Carlos Bonfim sobre entrega de remédios

Barra Mansa- O secretário de Saúde da Prefeitura de Barra Mansa, Luiz Antônio Viana,  e o presidente do Fundo Municipal de Saúde, Carlos Antônio Bonfim, afirmaram, na Câmara Municipal, que os medicamentos que não estavam no almoxarifado da secretaria, causando a prisão de um servidor, suspeito de desvio de remédios, haviam sido entregues na UPA, em razão do feriado na semana anterior. Luiz Antônio admitiu que a medida foi adotada devido à necessidade de manter abastecidas as unidades de emergência, por não haver expediente no almoxarifado da secretaria.

— Os medicamentos que constavam na nota fiscal, questionada pelo Ministério Público, haviam sido entregues na UPA do Centro, em razão do alto consumo de material durante o feriado da semana anterior. Mas os remédios estavam devidamente licitados pela Secretaria de Saúde. Nos comprometemos com o promotor a não usar mais essa prática e mudamos toda a estrutura de compra e entrega de medicamentos na secretaria — afirmou Luiz Antônio.

Luiz Antônio e Carlos Bonfim foram à Câmara nesta quinta-feira (05). A reunião foi provocada pelo requerimento do vereador e pré-candidato a prefeito Luiz Furlani (PV), solicitando a convocação do secretário para os devidos esclarecimentos. O requerimento foi retirado de votação, em razão do secretário ter se comprometido a comparecer à Câmara, sem a necessidade de convocação.

Furlani ressaltou que durante seu questionamento ao presidente do fundo sobre a entrega de medicamentos, na quinta-feira anetrios, chegou a notícia da prisão do chefe do almoxarifado. Para o vereador, o fato prova que sua denúncia em relação à entrega de medicamos tem embasamento.

-Quando faço uma denúncia é embasada em documentos, por isso, não tenho dúvidas que o Ministério Público vá apurar o caso  e agir conforme a lei. Existem mais notas fiscais com ressalva de que os medicamentos foram entregues na secretaria de saúde e não no almoxarifado, mas sem qualquer documento que comprove o devido recebimento – indagou Furlani.

Para o presidente da Câmara, vereador José Luiz Vaneli, o Leiteiro (PSDB), a prática de assinar notas sem o recebimento correto dos medicamentos é anterior à gestão do atual secretário.

-Sempre aconteceu desta forma irregular. Pessoas que não tinham competência para atestar o recebimento assinavam a nota fiscal, mesmo sem os medicamentos constantes na nota. Torço muito para que seja provado o destino dos medicamentos e peço ao senhor secretário que conserte este procedimento – solicitou Vaneli.

O presidente do Fundo Municipal de Saúde, Carlos Antônio Bonfim, informou que foi feita uma reestruturação da Secretaria de Saúde e de seus procedimentos.

-Assumimos um compromisso com o promotor responsável pela investigação de fazer uma reestruturação da Secretaria de Saúde e o redesenho de todo o fluxo de mercadoria, que será regulamentada por uma ordem de serviço. Este redesenho inclui desde o pedido da mercadoria até sua utilização final. Para tanto, as sete gerências da secretaria funcionarão no mesmo espaço físico, para facilitar a comunicação e controle – informou Bonfim.

O vereador Vicente Carneiro Leão Filho, o Vicentinho, indagou o secretário quanto aos medicamentos vencidos nos postos de saúde. O secretário afirmou que foi aberto um processo para a devida incineração dos medicamentos vencidos, muitos oriundos de doação, e o controle quanto ao vencimento também é um dos principais compromissos assumidos com o Ministério Púbico.

O vereador Vicente de Paula Ferreira Júnior, o Pissula (Rede), líder do governo na Câmara, agradeceu a presença dos representantes da secretaria de saúde para os devidos esclarecimentos aos vereadores.

— Agradeço aos meus pares que acataram pedido para o secretário de saúde comparecer, sem a necessidade de convocação, e também aos membros da secretaria de saúde que fizeram questão de virem à Câmara a apresentarem seus esclarecimentos. A prisão do funcionário foi uma situação delicada, complexa, mas que vem a nos mostrar a necessidade de algumas mudanças — afirmou Pissula.

O subprocurador do município, Ronaldo de Freitas Ramos, afirmou que foi aberta uma sindicância para apurar o caso.

— Houve uma má intepretação das explicações do funcionário. A nota fiscal atestada naquele momento veio consertar o que já havia sido entregue. A prefeitura, de qualquer forma, abriu uma sindicância que será encaminhada ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público — finalizou Ronaldo.

O presidente do fundo de saúde protocolizou na secretaria da Câmara as certidões negativas das organizações sociais atuantes no município, em atendimento à solicitação do vereador e pré-candidato a prefeito Rodrigo Drable (PMDB).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

9 comentários

  1. o funcionário que foi preso tem e deve abrir um processo contra este dois pré candidatos. eles estão passando por cima de tudo e todos para aparecer um é igual ao padrinho cunha.

    • O que tem a ver os candidatos a prefeito.
      Todos buscam pela verdade.
      Quem tem que se defender é o acusado, ou voce é conivente com ele ?

  2. Ajudem-me a entender: Então o vereador sabia e nada fez antes?

    “Para o presidente da Câmara, vereador José Luiz Vaneli, o Leiteiro (PSDB), a prática de assinar notas sem o recebimento correto dos medicamentos é anterior à gestão do atual secretário.”

    Eu tive o mesmo pensamento do leitor Aposentado abaixo: Até então s secretaria de saúde de BM não tinha um fluxograma? O redesenho afirmado pelo presidente do Fundo Municipal de Saúde, Carlos Antônio Bonfim era o quê?

    Do que adianta tudo isso se não afastar o servidor? Nem com um fluxograma ou redesenho de um vai solucionar.

    O que falta na Administração Pública é quem conheça e entenda de Gestão Pública.

  3. Quem deveria ser preso seria primeiro o prefeito é depois o secretário, se fosse num país sério, mas infelizmente no Brasil o coitado do servidor pagou um custo alto, ter tido sua liberdade cerceada, Pior ainda ter seu nome divulgado por uma imprensa que nunca investiga o outro lado da história.

  4. Antonio Carlos Peludo

    O Dr.Luiz Antonio não precisava disso(SMS) não,mas a politica ….Vai ter aborrecimento já já uma pena

  5. Eleitor consciente

    Vai mais uma pizza aíì?!!!

  6. jorge antônio da rocha

    Fico indignado com essa situação na saúde publica de Barra Mansa desde o ano 2000 que venho reclamando, por diversas vezes procurei a defensoria publica tentando desenrolar alguma coisa relacionado ao péssimo atendimento nesse sentido mas nada adiantou,eles simplesmente não atendem mandado judicial,se atendessem me entregariam o remédio contra pressão alta da minha esposa.cansei de tanta mendicância. MALDITA HERANÇA DEIXADA PELOS GOVERNOS ANTERIORES DO QUAL O ATUAL FAZ QUESTÃO DE CONTINUAR.MAS DEUS E JUSTO MAIS CEDO OU MAIS TARDE VÃO PAGAR POR ISSO MALDITOS SEJAM .

  7. A cada explicação, novas irregularidades aparecem….Não existe um fluxograma na saúde? è o vamo-que-vamo…..Ai tem coisa errada, SIM!

Untitled Document