sexta-feira, 29 de maio de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Supermercados que cobrarem preços abusivos terão alvará suspenso em Barra Mansa

Supermercados que cobrarem preços abusivos terão alvará suspenso em Barra Mansa

Matéria publicada em 24 de março de 2020, 11:07 horas

 


Prefeito vai fiscalizar mercados para impedir preços abusivos (crédito Arquivo)

Barra Mansa – Os supermercados da cidade poderão ter os alvarás suspensos, caso passem a cobrar preços abusos nas mercadorias. A medida foi anunciada pelo prefeito de Barra Mansa, Rodrigo Drable, na manhã desta terça-feira (24). Ele disse que os estabelecimentos serão  fiscalizados. O prefeito disse que está recebendo inúmeras mensagens de moradores reclamando dos valores fixados nas mercadorias.

– O fornecimento de alimentos é atividade fundamental. A população não pode ficar sem comer. Estou recebendo centenas de denúncias de aumento de preços de mercadoria. Faremos fiscalização, através do Procon. Caso seja identificado o aumento de mercadorias, sem justificativas, neste período de crise extrema, que caracteriza crime contra a população, serão adotadas as seguintes medidas – disse o prefeito listando as ações.

Uma delas será a suspensão imediata do alvará de funcionamento do mercado; multa; notícia crime na Delegacia de Polícia. A fiscalização deve ser intensificada, ainda nesta terça-feira, por toda cidade de Barra Mansa.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

8 comentários

  1. Avatar

    Um absurdo preços abusivos!! Fui comprar um álcool em gel 100 ml R$19.70 roubo
    Cambada de safado. No Brasil é exploração total! Farmácias santo agostinho volta Redonda

  2. Avatar

    Ai ai…a mesma burrice de sempre.

    Preços são informação! São um sinal! Que deve percorrer a cadeia de produção e consumo.
    Se a demanda aumenta sem aumento do suprimento, num primeiro momento é o preço que vai indicar isso ao produtor que poderá arriscar investir num aumento de produção momentâneo ou não.
    Mas visando lucros por conta da rápida subida de preço o produtor certamente pensará em arriscar produzir mais! Dado o tempo e a diminuição da demanda, os preços voltarão ao patamar anterior ou até mesmo acabarão mais baratos num prazo um pouco maior.

    Fora que com preços maiores os produtos são alocados para quem mais precisa. Lembram da greve dos caminhoneiros? Quem ficou sem gasolina num momento inoportuno pagaria até 20 reais o litro, certo? Mas nunca havia gasolina pois os preços foram impedidos de subir, o que aumentava a preferência temporal de todos, que enchiam os tanques e bombonas visando até oportunidades de lucro com a revenda num mercado que seria considerado negro.

    O que leva ao ponto final: controle de preços só rearranja a distribuição já que num mercado negro os preços VÃO ser praticados conforme a escassez.
    E junto se perde os incentivos que farão os produtores aceitarem os riscos de se aumentar a produção e as recompensas que o sortudo distribuidor teria alocando os produtos de maneira mais eficiente a quem mais precisa através do aumento de preços.

    Então caso a crise se prolongue e a demanda continuar afetada por conta do medo ou necessidade mesmo e faltar produto, não culpe ninguém além desses políticos inúteis que acham que podem controlar a economia e ainda se saem como os bonzinhos “preocupados com os pobres”.

    • Avatar

      Boa,mercado tá tudo caro mesmo!!esses empresários desgraçados

    • Avatar

      Seu raciocínio seria válido se a oferta de alimentos estivesse sendo afetada pela crise de saúde, o que não é o caso, já que somente serviços não essenciais estão parando. A produção, transporte e venda de mantimentos continua funcionando normalmente. Por isso mesmo não há razão para aumento de preços que não seja querer tirar vantagem em cima do pânico da população.

    • Avatar

      Claro que é o caso, Otávio. Comida está sendo estocada em maior ou menor escala. A oferta não mudou, mas a preferência temporal, sim. O mais certo é que a capacidade produtiva não mude mas as pessoas querem reduzir idas ao mercado. Óbvio que os lojistas vão especular. Reclamar disso como se fosse um problema moral é inútil.

    • Avatar

      Não é verdade que comida está sendo estocada a ponto dos supermercados terem que aumentar preços. Os supermercados estão abastecidos, mesmo que uma ou outra pessoa esteja comprando mais do que o normal. A maioria das pessoas continua comprando como sempre comprou, sem histeria.

    • Avatar

      A comida não está sendo estocada ao ponto de atingir a oferta. Mas a preferência temporal mudou. Houve SIM um pico rápido de demanda que já está passando. Você pode não ter pensado por um segundo em fazer estoque de nada, mas muita gente agiu assim há umas duas semanas para atrás. A especulação que causa aumento de preços vem na cauda desse pico e daqui a pouco já se regula.

Untitled Document