quarta-feira, 18 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Witzel defende que royalties do petróleo fiquem no Estado do Rio

Witzel defende que royalties do petróleo fiquem no Estado do Rio

Matéria publicada em 23 de maio de 2019, 22:51 horas

 


Witzel conversa com trabalhadores da indústria do petróleo

Rio – O governador Wilson Witzel defendeu, nesta quinta-feira (23/05), em Campos, a permanência dos royalties da cadeia produtiva do petróleo no estado do Rio de Janeiro. Atualmente, tramita no Superior Tribunal Federal um processo para suspender o trecho da Lei dos Royalties, que mudaria as regras de divisão dos recursos. De acordo com o texto sancionado em 2013, a redistribuição dos tributos aumentaria o repasse de dinheiro a estados e municípios não produtores e diminuiria a parcela destinada aos estados e municípios onde há extração.

– Eu fui juiz durante 17 anos. Se tem alguém que sabe bater bola nesse campo, sou eu. É no campo jurídico que vamos convencer os ministros, porque essa mudança é inconstitucional. Vamos lutar e vamos mostrar para o Brasil que os royalties do Rio não resolvem os problemas dos municípios, não resolvem os problemas da educação e das nossas cidades. Mas precisamos ter em mente que, sem esses recursos, vamos acabar com a economia do Rio de Janeiro. O petróleo é nosso e ninguém tira – afirmou o governador.

Produção agrícola

Em Campos, Witzel participou, ao lado de mais de 500 produtores rurais, do Rio Agro Coop, que marca o início do ciclo agrícola 2019-2020 da cana-de-açúcar.  A atividade emprega cerca de 5 mil pessoas a cada safra e contempla 10 mil pequenos proprietários rurais no município do Norte do estado. O evento é organizado pelo Sistema OCB/RJ e a Cooperativa Agroindustrial do Estado do Rio de Janeiro (Coagro).

O governador afirmou que o Governo do Estado vai criar um grupo de trabalho envolvendo secretarias estaduais, prefeitos da região e representantes dos produtores rurais. A ideia é detectar os problemas dos agricultores e, com a reunião dos órgãos, ajudar a solucionar tudo de forma mais rápida. De acordo com a Coagro, as cooperativas produzem cerca de 800 toneladas de cana, mas, com incentivos, têm a capacidade de quase duplicar esse número. Hoje, aproximadamente 80% da cana colhida é usada na produção de etanol para abastecer o mercado interno, aquecido com a alta do preço da gasolina.

– Queremos estimular as cooperativas e ajudá-las a aumentar a produção e exportar seus produtos. Vamos trabalhar para eles colocarem produtos nas prateleiras dos mercados da Europa e Estados Unidos. Para isso, vamos contribuir com a melhoria do sistema de irrigação das plantações, usando tecnologia – disse o governador, que recebeu a Comenda Defensor do Agronegócio Fluminense da Coagro.

O secretário de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, Eduardo Lopes, anunciou a reativação do Conselho Nacional dos Secretários de Agricultura de todo o país. Entre as pautas debatidas com o ministério da Agricultura, em Brasília, estava a facilitação do acesso ao crédito para os produtores rurais. Lopes tem articulado ainda o reconhecimento de Campos como uma região de clima semiárido, para que a cidade consiga mais incentivo para projetos de irrigação.

– Sabemos o potencial, sabemos os problemas de Campos e consideramos muito importante a formação de um consórcio reunindo diversos órgãos do estado e municípios para trazer mais desenvolvimento para a região – afirmou.

Também estiveram presentes no evento a secretária do Ambiente e Sustentabilidade, Ana Lúcia Santoro, o prefeito de Campos, Rafael Diniz, além de deputados federais.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document