quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Alta da carne altera rotina de consumidores

Alta da carne altera rotina de consumidores

Matéria publicada em 8 de dezembro de 2019, 10:10 horas

 


Donos de açougues afirmam que tentam diminuir a margem de lucro para não perder fregueses

Aumento no preço da carne bovina pegou muitos consumidores de surpresa
(Foto: Roze Martins)

Barra Mansa- A alta no preço da carne – um dos assuntos mais comentados entre os consumidores brasileiros – está alterando a rotina de muitas famílias, donos de restaurantes, lanchonetes e, principalmente, donos de açougues. Os proprietários afirmam que, para não perderem sua clientela, estão sendo obrigados a diminuir a margem de lucro. O aumento no preço da carne bovina pegou muitos consumidores de surpresa.
Em açougues da região o quilo de chã pode ser encontrado por 29,90; acém a 21,99; miolo da paleta 27,99; e contra filé 40,90. Com isso, a saída para muitos está sendo substituir a carne suína e o frango que, nesta época do ano, também sofrem reajustes em função do maior consumo para as festas natalinas.
A Maria Aparecida Dias Ferreira, de 60 anos, trabalha com entrega de marmitex caseiros e explica que, nas duas últimas semanas, precisou alterar o cardápio oferecido em função do preço da carne bovina. A opção de churrasco ou feijoada, às sextas-feiras e aos sábados, foi substituída por peito de frango à parmegiana e macarronada. Além disso, durante a semana, ela também optou por oferecer almôndegas e excluiu a opção de bife acebolado.
– Estou desesperada com essa alta da carne. Tenho buscado preço, fazendo pesquisa em vários açougues e supermercados e em todo lugar os preços são quase os mesmos. Tenho a minha clientela, não quero perder a qualidade da comida que todos já conhecem, mas infelizmente não posso acompanhar e manter o mesmo cardápio porque senão vou ter que aumentar o preço do marmitex. Como não é essa a minha intenção, estou criando novos pratos, com mais opções de carne de porco e frango e torcendo para essa crise passar logo – disse a cozinheira.
Nesta semana, a dona de casa Marcília Gonçalves, de 35 anos, também saiu à procura de carne bovina com “preço bom”, conforme ela mesma disse. O motivo é que todo o estoque que tinha armazenado no freezer acabou e quando ela foi às compras, para reabastecer, se surpreendeu com o preço encontrado nos supermercados. Ela, que tem dois filhos, uma adolescente de 17 anos e um menino de quatro, está encontrando dificuldades em substituir a carne bovina pelo frango e a carne de porco.
– Aqui em casa nós gostamos muito de carne bovina, tanto eu e meu esposo, quanto as crianças. O que eu havia estocado na última compra acabou e quando fomos comprar, agora no início desse mês, tomamos um grande susto porque realmente subiu muito e, com certeza, vai ficar muito difícil para algumas famílias manterem o mesmo padrão de consumo. Para se ter uma ideia, eu comprava o contra-filé e alcatra por uma média de R$ 19 a 20 reais e, agora, está custando mais de R$ 40. Um absurdo. Minhas crianças não gostam muito de frango e carne de porco, mas gostam de ovo. O jeito vai ser substituir e fazer omeletes – lamenta a dona de casa.
Restaurantes se reinventam
Os sócios de um restaurante que funciona na Avenida Domingos Mariano, no Centro de Barra Mansa, Leonardo Alves Penha e Diego de Souza fazem sucesso com as refeições servidas a R$ 10,00 – sem balança e com direito a um pedaço de carne. Em média o estabelecimento serve cerca de 450 refeições e, para fugir da crise da alta da carne, eles contam que também precisaram se reinventar para não repassar o aumento para seus clientes.
– Para driblar essa crise nós estamos aproveitando a churrasqueira que foi instalada na recente reforma do restaurante e colocando espetinhos de carne, frango, costela e cafta que saem pra gente um pouco mais em conta. Além disso, estamos tentando implantar no cardápio o máximo possível de massas, como exemplo panquecas, e carne de frango que é a que está mais acessível não só da carne bovina, como da suína, que também está muito cara – explicou Leonardo.
Já conforme observa Diego, mesmo com as mudanças os clientes estão satisfeitos e aprovado as estratégias do restaurante para fugir da alta da carne e, inclusive elogiando, pelo fato das refeições não terem sofrido reajustes.
– Eles estão entendendo que é uma crise que todo mundo está passando e está consciente do valor que está pagando pelo almoço e da qualidade que a gente está oferecendo, mesmo não tendo tantas opções de carne bovina, neste momento – acrescentou.

Margem de lucro

Proprietário de um açougue que funciona no Centro de Barra Mansa, o empresário Iago Fonseca conta que a estratégia para manter sua clientela, mesmo com a alta do preço da carne bovina, está sendo se “sacrificar” e diminuir sua margem de lucro. De acordo com ela, nas últimas semanas o aumento registrado na carne bovina chegou a 30%, embora o produto também já estivesse dando sinais de aumento, ao longo de todo o ano.
– A carne já vinha aumentando, no entanto, essa alta agora foi lá em cima e muitas pessoas ficaram surpresas e realmente sem condições de manter o mesmo consumo. A gente até tenta outros fornecedores, para tentar melhor preço, mas a verdade é que não posso correr o risco de deixar cair o padrão que os meus clientes já estão acostumados. Então o jeito é apertar a margem de lucro e tentar oferecer o melhor preço. Agora as pessoas estão começando a entender que essa alta não é porque os açougues determinaram, mas que está associada a um cenário nacional – disse o empresário, ao reconhecer que o percentual de 30% faz muito diferença no bolso dos consumidores.
Segundo Iago, por conta da proximidade das festas natalinas, quando aumenta o consumo de aves e carne suína, o reajuste desses produtos já é esperado pelos consumidores e, por esse motivo, não pegou muita gente de surpresa. Ele acredita que as vendas para o Natal irão se manter e, conforme disse, está na torcida para uma possível queda no preço da carne bovina para as festas de Ano Novo, quando é mais comum as famílias se confraternizarem com churrascos.
– O que tranquiliza, para o Ano Novo, é que a maioria dos churrascos é compartilhado e cada família compra um pouco. Se o preço continuar muito alto acredito que as pessoas não vai deixa de comprar a carne pra o churrasco, porém devem mudar o perfil e comprar a que estiver com melhor preço – finalizou Iago.

Por Roze Martins 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

18 comentários

  1. Avatar

    No tempo do Lula havia comida sobre a mesa, real valorizado, geração de empregos com recorde de carteiras assinadas não essa porcaria q o bozzo inventou de carteira verde e amarela que só faz criar uma subclasse de trabalhadores.
    No tempo do Lula educação era prioridade construção de mais de 500 escolas tecnicas, respeito internacional.
    Agora o que temos é um bozzo que estimula a formação de milicias

    • Avatar

      Ué, se existia mesmo como acabou tudo em apenas 11 meses? O Bozo arrumou mais de 13 milhões de desempregados e arrumou milhões de pobres em tão pouco tempo?

    • Avatar

      Isso foi como convidar para o banquete e deixar a conta para o próximo pagar, e a conta chegou ainda no governo de sua aliada. Só mesmo um Zé Mané como vc para enxergar algo positivo nisso…

    • Avatar

      Ignorante, faz 11 meses que o Lula deixou o governo? Deixa de ser burro e vai estudar no lugar de ficar só VENDO a vida passar.

    • Avatar

      Estúpido, o país está em crise há mais de 5 anos, tendo atingido o ápice ainda no governo petista de Dilma… Só agora, exatamente nesses últimos 11 meses que vc citou, é que esboça uma reação, mas obviamente não é linear, não existe ganho real sem esforço e alguma perda, vc que é gordo sabe disso… Não existem milagres. Catástrofes como essa levam muitos anos para ser remediadas…

      O Vai Vendo tem lá sua teimosia, mas não sofre o mesmo déficit cognitivo que vc, que é um sujeito totalmente obtuso. Deve ter entrado em coma, consternado com a queda de Dilma, e só voltou agora, para inocular seus impropérios ridículos na caixa de comentários do DV. Um digno de piedade que se acha em condições de recomendar escola para alguém. Recolha-se à sua insignificância, beócio!…

    • Avatar

      Emir Dacutiano, vc me fez lembrar da dupla sertaneja Nem Ly & Nem Lerey.

  2. Avatar

    Ué, se o lula tirou todo mundo da pobreza, quem são os milionários que estão reclamando do preço da carne? Vc é rico FDP, o lula te tirou da M ou não? Kkkkkk

  3. Avatar

    Se continuar assim…
    Irão fechar muitos açougues…

    E o povo vai começar a comer sem carne…
    Escreve aiii

    Finalizando…

    Este foi outro vacilo do governo Bolsonaro….que deveria limitar a venda externa….para não prejudicar o consumo interno

    • Avatar

      acho dificil..duvido o povo ficar sem carne..fica sem feijao arroz mas nao sem carne…

    • Avatar

      Ovo da hora

      O Brasil precisa de dólares para pagar dívidas. Ou o Bozo deixa os ricos que o condenado a 17 anos de cadeia sem carne ou ele tira de outra forma aumentando impostos. Eu acho melhor os ricos petistas se absterem de carne e trocarem por outros alimentos mais sadios.

  4. Avatar

    Teremos mais saúde e ainda vai diminuir em muito a violência, principalmente os estupros.

  5. Avatar

    Vamos lá, todos juntos. 1 2 3 mãozinhas para o alto , sinal de arminha e vamos GRITAR bem Alto MITO MITO MITO MITO MITO

    • Avatar

      Kkkkkk não entende de economia, não faz a mínima ideia do motivo do aumento da carne e a culpa é do Bolsonaro? Kkkķkk nao sei porque os apoiadores do Bolsonaro são chamados de robô se, justamente quem é contra ele é que repetem tudo sem saber o que estão falando kkkkkkkk

    • Avatar
      Chupa bozzolino charle

      Num dos supermercados mais populares do Rio de Janeiro, o acém, corte dianteiro (mais popularmente chamado de “carne de segunda”, variou de R$ 11,98 para R$ 27,98 o quilo, ou 133,6%, do final de agosto para hoje.

      Nas carnes ditas “nobres” ou aumento, embora grande, é menor, sobretudo nos cortes limpos e fatiados, onde o sobrepreço do processamento dá uma margem maior para “segurar” o valor do preço de etiqueta.

      Mesmo assim, não está longe de 100%.

  6. Avatar

    Momento para fazermos uma alimentação mais saudável priorizando verduras e legumes juntamente com o bom e velho ovo (30 unidades por 10,00) de preferência cozido!

  7. Avatar
    André Marcelino Ribeiro

    A saída é o boicote
    Comer legumes e verduras por um mês
    Aposto q os preços voltam ao normal

  8. Avatar

    Faz mais sinal de arminha e dancinha do Bozo mais forte, senão nem ovo frito os bolsomínions poderão roer mais…

  9. Avatar
    Economista de botequim (mas politizado)

    É simples, só aplicar a lei da oferta e da procura, deixa a carne de bovina sem procura nos açougues e substitua por ave, suíno, peixe… Aí o preço cai! Lembrando que o preço está alto pois os criadores de gado estão preferindo exportar do que abastecer o mercado interno. A classe mais ajudada no país desde que o Brasil é Brasil são eles, vai ver a taxa de juros ridícula que o Banco do Brasil/governo federal aplica para quem quer comprar insumos da pecuária ou agro industria. Só para se ter uma ideia o que a população paga por mês de taxa (algo de 5 %) eles pagam por ano (algo de 4,5%) aí vem a pergunta: quantos empregos eles geram para ter essa benevolência? Alguém vai dizer a mais governo ajuda pois aumenta o PIB, e depois onde esse PIB está sendo repartido entre a população?

Untitled Document