sábado, 21 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Bares e frequentadoras aprovam lei que garante auxílio a mulheres em risco

Bares e frequentadoras aprovam lei que garante auxílio a mulheres em risco

Matéria publicada em 5 de maio de 2019, 11:30 horas

 


Mulheres confirmam que há excessos por parte de alguns homens na noite e dizem que se sentirão mais seguras

Pela lei, auxílio à mulher será prestado pelo estabelecimento (Foto – Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Rafael de Paiva

Volta Redonda – Empresários e mulheres entrevistados pelo DIÁRIO DO VALE aprovaram a nova lei estadual prevendo que bares, restaurantes e casas noturnas terão que adotar medidas necessárias para auxiliar mulheres que se sentirem em situação de risco dentro desses estabelecimentos. Os donos de estabelecimentos comerciais não relataram casos recentes de abusos, mas garantem que podem ajudar em eventuais denúncias. As mulheres confirmaram que por vezes alguns homens se excedem no assédio e se sentem mais seguras ao poder pedir ajuda.

Para a autônoma Márcia Silva, a proposta da lei chega em um momento oportuno, no qual casos de feminicídio crescem em todo o país.

“É uma ideia excelente. O feminicídio está em alta e toda ação que possa coibir a violência contra a mulherada é bem vinda”, disse ela, que ponderou:

– Agora temos de ver se a lei será realmente aplicada. Precisamos que entre realmente em vigor e ajuda as mulheres a terem mais liberdade ao sair de casa – afirmou.

Pelo texto, o auxílio à mulher será prestado pelo estabelecimento mediante a oferta de acompanhamento até o carro, outro meio de transporte ou comunicação à polícia. Serão utilizados cartazes fixados nos banheiros femininos ou em qualquer ambiente do local, informando a disponibilidade do estabelecimento para o auxílio à mulher que se sinta em situação de risco. Em outro ponto, a lei prevê que funcionários deverão ainda ser treinados e capacitados para a aplicação das medidas.

É justamente sobre este último ponto, tratando sobre os funcionários, que Tarciso Andrade. Sócio da cervejaria Hays, Tarciso Andrade ressaltou a importância da lei. “Qualquer iniciativa para proteção do ser humano é importante para a sociedade, mas uma vez que a maioria dos funcionários não tem o treinamento ideal para cada tipo de situação, é grande o risco para eles também”, disse ele.

Neste sentido, ele aponta que o ideal será nesta fase inicial garantir a integridade das mulheres e ligar para a polícia. “A opção de acionar a policia é a melhor e a mais correta, os policiais são treinados para estes tipos de situações, como também tem os meios necessários para casos mais graves, porem na ausência dos representantes da lei diante de uma urgência é o dever de se defender os mais fracos”, afirmou.

José Ricardo, que tem um bar em Volta Redonda, segue na mesma linha. Ele garante que em todos os casos que surgirem sobre excessos de homens contra mulheres já é previsto a defesa das vítimas. “A lei é válida, até para o caso de quando chamarmos a polícia ela realmente vir e cumprir a lei. Muitas vezes o assédio excessivo não é visto como prenúncio de uma possível agressão. A lei muda essa visão. Mas se preciso for vamos chamar táxi, carros por aplicativo e acompanhar as mulheres até onde se sintam mais seguras”, contou.

Para a fisioterapeuta Erika Maria, há muitos homens que “passam da linha” na noite. Segundo ela acredita, não havia maiores denúncias justamente por não haver leis específicas sobre esse tema. Ela destaca que infelizmente leis como a citada na reportagem se tornam cada vez mais necessárias, mas destacou que o melhor seria que houvesse um grande processo de Educação que fosse voltada para ensinar o respeito ao próximo. “Somos, sim, incomodadas. Há homens que ultrapassam os limites”, conta.

No entanto, ela ressaltou que é necessário montar uma estrutura de apoio aos bares, restaurantes e casas noturnas para o cumprimento da lei. “Elas precisam ser orientadas, os funcionários devem ser bem treinados. Não pode ser mais uma lei sem eficácia”, disse.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

8 comentários

  1. Avatar

    Daqui a pouco se um homem,esbarra numa mulher,vai ser considerado assedio sexual :/

  2. Avatar

    agora os homens so vão cantar os gays e os bisexual vai sobrar homens para os gays rzzzzzzzzzzzzzzzzz

  3. Avatar
    Pela moral bons custumes

    Aqui no eucaliptal na Baltazar de Souza é um absurdo drogas , sexo na rua uma vergonha é ninguém faz nada.

  4. Avatar

    A lei é boa. Mas é importante lembrar que as mulheres têm bebido e se embriagado mais que os homens, e que em muitos casos elas são a causa de muitas confusões noturnas. O que vai ter de baranga mal amada fingindo assédio, e acusando falsamente por vingança, vai ser uma festa.

  5. Avatar

    Não vejo problemas em defender as mulheres, mas isso já é demais. tudo agora é assédio. já não se pode mais admirar a beleza da mulher, por isso essa cidade tá difícil de se viver, quem frequenta bares aí sabe que homossexuais chegam e nós mesmo que de forma SUTIL na maioria das vezes e outras não… se falamos alguma coisa é pior porque a lei ampara os mesmos. eu me sinto constrangido mas a lei não se aplica aos homens. fazer o que né!!!

  6. Avatar

    Estamos vivendo a eterna era do PT.
    Daqui a pouco vai ter escola pra homem e pra mulher separados. Empregos pra homens e mulheres separados. Isso tudo é forçassão de barra pra estimular a homossexualidade.

  7. Avatar

    Vai chegar um tempo que não vai poder nem olhar para uma mulher.

  8. Avatar

    N são tds mas elas tbm tem culpa se veste guase q semi nua e tbm muitas se excedem na bebidas n estou tbm falando q os homens n tem culpa mas as mulheres elas mesmo são culpadas e tbm por causas de muitas q se acham as melhores aí os homens acham q tds são iguais então mulheres aprendam a se valorizam mas aí sim td pode ser diferente.

Untitled Document