segunda-feira, 19 de outubro de 2020 - 13:15 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Cadeias públicas da região não têm registro de casos de Covid-19

Cadeias públicas da região não têm registro de casos de Covid-19

Matéria publicada em 17 de junho de 2020, 15:08 horas

 


Sul Fluminense – O DIÁRIO DO VALE entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), para obter informações sobre possíveis casos de pessoas infectadas pelo coronavírus nas duas unidades penitenciárias da região.

Uma delas é a Cadeia Pública de Volta Redonda, localizada na Rodovia dos Metalúrgicos, no bairro Roma I. A segunda é a Cadeia Pública de Resende, localizada na Estrada de Bulhões.

Segundo a assessoria da Seap, as duas unidades, juntas, mantêm 493 internos. E não há nenhum caso de coronavírus entre os internos nas referidas unidades. Também não há registros de casos entre os funcionários. A Secretaria informou, através de um comunicado, um balanço geral em todo o Estado.

Servidores

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária destaca que, ao todo, 1.440 servidores realizaram testes rápidos, disponibilizados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) para a Covid-19. Entre estes, 188 testaram positivo. Até a última segunda-feira, dia 15, servidores da sede da Secretaria fizeram testes rápidos de Covid-19, na Subsecretaria de Tratamento Penitenciário, na Central do Brasil. ‘’É necessário esclarecer que, primeiramente, foram testados servidores que lidam diretamente com os internos nas unidades prisionais. Ainda foi oferecida a possibilidade de agendamento telefônico dos testes para quem apresentou algum sintoma. Após a realização do exame, os inspetores recebem instruções de uma equipe médica que fica à disposição para tirarem dúvidas no local. Os kits de testes rápidos foram disponibilizados pelo Departamento Penitenciário (Depen)’’, informou a assessoria.

A Seap disponibiliza um boletim informativo diário com objetivo de informar à população sobre os casos confirmados de Covid-19 entre os internos do sistema prisional fluminense.

Seguem, abaixo, as informações da última edição do informe:

A Seap informa que, até o momento, 30 apenados testaram positivo para a Covid-19, sendo que 26 passaram por testes de Swab nasal, analisado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), no Pronto Socorro Geral Doutor Hamilton Agostinho, no Complexo de Gericinó; e quatro realizaram testes rápidos nas referidas unidades, onde estão acautelados. Entre estes, 18 passam bem. Um teve liberdade da justiça e os outros 17 estão isolados dos outros privados de liberdade nas unidades, onde estão acautelados e acompanhados pela equipe de saúde.

Houve 12 óbitos confirmados, sendo 11 ocorridos no Pronto Socorro Geral Doutor Hamilton Agostinho e um no Hospital Pedro II, onde o referido interno estava internado por outro diagnóstico e adquiriu a doença.

É necessário esclarecer que os presos estão sendo submetidos ao exame para o diagnóstico da Covid 19 em caso de síndrome respiratória aguda grave ou em caso de óbito com sintoma respiratório, conforme orientação do Ministério da Saúde. ”A Seap lamenta as mortes dos internos e esclarece que a equipe da Coordenação de Saúde, subordinada à Subsecretaria de Tratamento Penitenciário, está monitorando a saúde de todos os apenados e ressalta o empenho incansável dos seus servidores e o apoio de familiares dos internos que vêm contribuindo para o cumprimento das ações protetivas adotadas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro nas unidades’’, lamentou em nota.

Visitas

Conforme decreto publicado em Diário Oficial, pelo governador Wilson Witzel, as visitas permanecem suspensas nas unidades prisionais.

A Seap informa, ainda, que todos os presos, que estão ingressando no sistema, ficam em isolamento social durante 14 dias, acompanhados pela equipe de saúde desta Secretaria. Após esse período, não apresentando qualquer sintoma respiratório e/ou febre, os mesmo são inseridos no coletivo da unidade.

A Secretaria ressalta que, mesmo quando há a necessidade de transferência, o apenado inicia um novo isolamento social de 14 dias, na unidade que foi transferido, antes de ingressar no coletivo e destaca, ainda, outras ações de prevenção e combate à Covid-19 que estão ocorrendo, desde o dia 13 de março, em todas as unidades prisionais:

– Já foram distribuídas mais de 280 mil máscaras descartáveis e reutilizáveis e 137 mil luvas cirúrgicas, além de cerca de 1,7 mil litros de álcool em gel e líquido aos servidores. As unidades prisionais também receberam 110 Face Shields, além de 515 óculos de segurança e água sanitária para a intensificação da limpeza;

– O Equipamento de Proteção Individual (EPI) é indicado à função que os inspetores exercem, por orientação do Ministério da Saúde;

– Também foi instalada um número maior de pias nas unidades e fornecidos sabão e toalha de papel, para a facilitação e intensificação da lavagem das mãos, com orientação da área técnica da Seap;

– Foram distribuídos termômetros infravermelho nas unidades prisionais para a aferição da temperatura dos servidores ao chegarem para trabalhar;

– Quarenta inspetores penitenciários receberam, no Centro de Instrução Especializada (Ciesp), no Complexo de Gericinó, no dia 29 de abril, instruções dos militares do Comando Militar Leste sobre medidas de proteção e higienização para aplicação no dia a dia nas unidades prisionais. Os servidores serão os multiplicadores das referidas informações nas unidades onde atuam.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Avatar

    Finalmente! Valeu Satan!

  2. Avatar

    Foi a Cloroquina do Bozzo kkkkkkkk

  3. Avatar

    Famosa lei de Morphy.

  4. Avatar

    Vaso ruim não quebra.

    • Avatar

      Ótima notícia.
      Então não precisa mais soltar vagabundo com medo de pegarem coronavírus nas prisões.
      É justamente o contrário, tem que mantê-los presos para não se contaminarem.

      Chora defensores de bandidos.

      A justiça já pode revogar o habeas corpus coletivo solta bandidos da defensoria pública.

Untitled Document