terça-feira, 7 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Golpe da ‘transferência bancária’ faz vítimas em Barra Mansa

Golpe da ‘transferência bancária’ faz vítimas em Barra Mansa

Matéria publicada em 1 de dezembro de 2019, 08:15 horas

 


Empresária teve rede social invadida e criminosos pediram dinheiro em seu nome a pessoas da sua lista de contatos

 

Delegado alerta para a importância do registro de ocorrência em casos de tentativas de golpes -Foto: Paulo Dimas

Barra Mansa- A empresária Rafaela Paiva, de 32 anos, teve um dia classificado por ela como “desesperador”, no último dia 12 deste mês, após ser informada por amigos e familiares que a sua conta no aplicativo WhatsApp havia sido clonada e que estariam solicitando, em seu nome, que fizessem transferências bancárias para que ela, supostamente, pudesse efetuar um pagamento de urgência. Ela, assim como quatro pessoas que se dispuseram ajudá-la, havia caído em um dos golpes que têm se tornado mais frequente no Brasil, através do qual criminosos entram em aplicativos de trocas de mensagens, se passam pelas vítimas e enviam mensagens aos amigos que estão na lista de contatos para pedir dinheiro.

Com uma lista imensa de contatos, por trabalhar com buffet para festas, Rafaela registrou ocorrência na 90ª DP, de Barra Mansa e contou que o golpe pode ter ocorrido após ela ter solicitado um cartão de crédito por meio de um link enviado por um amiga.

– Eu acreditei que fosse sério, porque eu realmente havia pedido um cartão de crédito para um determinado banco, mas só que usando o número deles de 0800. Inclusive tenho até o protocolo. Só que, coincidentemente, os golpistas usaram o telefone de uma minha amiga para mandarem um link, desse mesmo banco, através do qual eu também podia solicitar um cartão de crédito. Quando cliquei surgiu a mensagem que eu já tinha uma proposta em análise, que havia sido aprovada e que o cartão chegaria em até 72 horas, com um limite de R$ 9 a 22 mil. Como eu realmente havia solicitado um cartão, eles pediram meus dados e eu passei – relatou Rafaela.

De acordo com ela, a partir desse momento seu WhatsApp travou e ela não conseguiu mais fazer contato com sua rede. Foi quando começaram a pedir dinheiro em seu nome, para várias pessoas conhecidas. A mensagem dizia o seguinte, como se fosse Rafaela: “Estava precisando fazer uma transferência e não estou conseguindo. Você consegue fazer? Hoje, até às 18 horas, te devolveria”. Em seguida, um número de conta bancária era informado para que o dinheiro fosse depositado.

– Eu entrei em desespero e chorei muito quando soube que estavam fazendo isso em meu nome, porque muita gente confia em mim, conhece o meu trabalho. Quatro pessoas, inclusive clientes minhas, se dispuseram a fazer o depósito, mas graças a Deus elas não tiveram prejuízo. Uma porque fez o depósito após as 16 horas e conseguiu cancelar, a outra porque digitou um número errado no CPF e a outra porque desconfiou e fez o depósito na minha conta mesmo, que ela já tinha o número. Uma das clientes ia fazer o depósito porque, como viram que eu trabalho com festa e ela tinha me pedido um orçamento, os golpistas deram um valor de R$ 120 reais, para um serviço que na verdade custa R$ 250 – contou Rafaela, ao informar que a quarta pessoa estava resolvendo com o banco o ressarcimento do depósito e que todas registraram ocorrência policial.

Ameaça

Após passar a tarde toda de terça-feira usando as redes sociais para comunicar seus amigos e familiares sobre o ocorrido, ao final do dia a empresária conseguiu recuperar seu WhatsApp, no entanto, os problemas ainda não haviam acabado. Os golpistas usaram a foto dela no perfil de outro número de WhatsApp e continuaram a pedir quantias em dinheiro para seus amigos.

– Parecia que eu estava vivendo um pesadelo e ainda estou com muito medo, porque fui ameaçada. Eu mandei mensagem, pedi para que parassem, mas me disseram que só iam parar se eu fizesse para eles um depósito de R$ 900 reais. Alegaram que eu trabalho com festa e que essa atividade rende muito dinheiro. Temos que tomar muito cuidado com a internet, porque nunca sabemos quem age para o bem e para o mal. O meu número de telefone é o sustento da minha casa e posso dizer que, por causa disso, eu perdi o meu sossego – finalizou.

Importância da ocorrência

Conforme orienta o delegado titular da 90ª DP (Barra Mansa), Ronaldo Aparecido, em casos de tentativas de golpes por meio da internet e celulares, é de extrema importância que as pessoas que tenham sido lesadas registrem um boletim de ocorrência.

– Se alguma pessoa chegar a fazer o depósito de algum valor, ou até mesmo conseguir pegar o número da conta bancária passada pelos bandidos, ela deve registrar a ocorrência para que, a partir desses dados, possamos traçar uma linha de investigação – explicou o delegado.

Outra dica dada pelo policial é para que a pessoa que tenha recebido a ligação tente manter calma, buscando sempre localizar a suposta vítima indicada pelos criminosos. Segundo ele, embora muitas pessoas sejam informadas e estejam atentas a esse tipo de golpe, o importante é não dar atenção aos bandidos, caso recebam uma ligação.

Por Roze Martins


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Não são só idosos que caem em crimes cibernéticos não. Uma jovem de 32 anos passou por isso. Link sempre é furada.

    • Avatar

      Então quer dizer que as pessoas depositaram dinheiro sem fazer uma ligação pra pessoa que está pedindo?
      Kkkkk Aposto como possuem nível universitário rs Dá-lhe Brasil , país do analfabetismo funcional

Untitled Document