>
terça-feira, 28 de junho de 2022 - 10:37 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Justiça nega recurso de moradora de Volta Redonda condenada por ofensas homofóbicas

Justiça nega recurso de moradora de Volta Redonda condenada por ofensas homofóbicas

Matéria publicada em 26 de maio de 2022, 09:54 horas

 


Ela terá de pagar R$ 20 mil, por danos morais, ao ofendido; caso aconteceu em 2018 em Volta Redonda

Volta Redonda – A 3ª Câmara Cível, do Tribunal de Justiça do Rio, decidiu, por unanimidade, ontem, negar o recurso de Luciana Bertges de Oliveira, condenada por proferir insultos homofóbicos contra Luiz Eduardo Silva de Souza. Ela terá de pagar R$ 20 mil, por danos morais, ao ofendido. O caso aconteceu em 2018 em Volta Redonda.

Luciana solicitou a anulação do processo, alegando que sofre de esquizofrenia paranoide. O processo, em primeira instância, foi julgado à revelia, o que significa que Luciana, embora citada, não se manifestou, não constituiu advogado e nem compareceu à audiência realizada.

No entanto, os desembargadores consideram que, a partir do Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/15), a pessoa com deficiência intelectual ou mental é considerada plenamente capaz de ser citada no processo, desde que seu grau de comprometimento não afete a capacidade de expressar a própria vontade.

“Assim, a apelante, acometida de doença psiquiátrica, tem preservada sua capacidade civil, exceto se a curatela for requerida, e comprovada a sua necessidade. (…) A família, que poderia e deveria ter buscado a nomeação de curador, nada fez”, escreveu a desembargadora Andréa Pachá, na decisão.

Para magistrada, a doença mental não justifica atos homofóbicos.

“Infelizmente tem sido comum que Réus, quando responsabilizados pela prática do racismo e da homofobia, preconceitos incompatíveis com o estado democrático de direito, tentem associar as agressões a doenças mentais, o que não é razoável. Não se desconsidera a intensidade da dor de quem convive com uma doença psiquiátrica, com consequências que atingem não apenas a própria pessoa, mas os familiares e a sociedade. Não existe, no entanto, doença mental direcionada a ofender e discriminar homossexuais”, concluiu.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Na verdade a doença dela é falta de educação, preconceitos e falta de inteligência.

    Mesmo que ela fosse racista o que é errado , externar xingando hoje é falta de inteligência.

    Mas racismo é preconceito estão ligados a falta de inteligência, então faz sentido.

Untitled Document