sábado, 26 de setembro de 2020 - 22:29 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Polícia Civil de Barra Mansa alerta para casos de golpes durante a pandemia

Polícia Civil de Barra Mansa alerta para casos de golpes durante a pandemia

Matéria publicada em 11 de agosto de 2020, 20:31 horas

 


De acordo com o chefe do Setor de Inteligência, nos últimos quatro meses a média de estelionatos aumentou no município

Barra Mansa – Bilhetes premiados, quitação de débitos de veículos com descontos exorbitantes e ofertas de empréstimos com facilidades. Esses, entre outros, são os golpes mais comuns que vêm sendo aplicados por estelionatários em Barra Mansa, onde a Polícia Civil está fazendo um alerta para que as pessoas tomem cuidados com abordagens feitas por telefone ou pessoalmente. De acordo com o chefe do Setor de Inteligência da 90ª DP, Alexandre Ribeiro, embora não tenha como precisar, em percentuais, desde que teve início a pandemia esse tipo de crime aumentou significantemente, somando uma média de quatro a cinco, por dia, que chegam à delegacia.

– As pessoas precisam ter muito cuidado, porque esses criminosos não param e estão sempre em busca de novas vítimas. A toda hora chega até à delegacia alguém que foi abordada ou que realmente tenha caído em algum tipo de golpe. Nossa orientação é para que as pessoas tenham consciência e evitem passar seus dados, senhas e informações pessoais, por telefone, e que desconfiem de propostas vantajosas como, por exemplo, a que um estelionatário liga oferecendo a quitação do débito do veículo financiado com 60% de desconto. Nesse golpe a pessoa acaba se sentindo atraída, faz o depósito achando que está na vantagem, mas na verdade ela está sendo lesada ao perder esse valor para os criminosos – orientou o policial.

Com relação aos golpes do bilhete premiado, que embora seja antigo ainda faz vítimas, Ribeiro explicou que pelo fato de a maioria dos alvos para esse tipo de crime serem os idosos, o ideal é que familiares os acompanhem durante idas ao Centro da cidade, principalmente em dias de pagamento. Neste tipo de crime o golpista, na companhia de um ou mais comparsas, aborda a vítima e tenta “vender” um bilhete premiado com alto valor.

– É de extrema importância o familiar alertar e informar o idoso para que não aceite esse tipo de abordagem, no entanto, mais importante ainda, é evitar que esse idoso circule sozinho pelas ruas da cidade – acrescentou o policial, ao orientar que a ocorrência desses crimes deve ser feita de maneira online, pelo endereço (dedic,pcivil.rj.gov.br), já que em função da pandemia a delegacia está com o atendimento reduzido.

Alerta de golpe

Nesta semana, a dona de casa Flaviana Rocha Costa, de 35 anos, publicou um alerta nas redes sociais sobre a tentativa de golpe que sua mãe havia sofrido na Avenida Domingos Mariano, no Centro de Barra Mansa. De acordo com ela, a mãe foi abordada por outra senhora alegando precisar de uma informação.

– Essa senhora perguntou sobre o endereço de uma loja para minha mãe, que disse não saber e falou para a senhora que perguntasse para uma moça que estava próxima a elas. A moça então se aproximou, deu a informação e em seguida a senhora agradeceu e disse que havia abordado outra pessoa que a tratou mal e não quis dar a informação. Nesse momento a senhora segurou a mão da minha mãe e disse que estava com um bilhete de loteria que supostamente estava premiado. Ela também falou que havia mostrado para um homem que estava próximo a elas e que o homem disse que o prêmio era de R$ 6 mil reais. Então, a moça que deu a informação pegou o celular e simulou que abriu um aplicativo e ali viu que o bilhete teria o prêmio de 200 mil reais. Nesse momento a senhora começou a tremer dizendo que estava muito nervosa e que temia que o homem que estava ao lado delas (o mesmo que falou que o bilhete valia R$ 6 mil) a seguisse e tomasse o mesmo dela. Foi quando então ela sugeriu que a mãe ficasse com o bilhete por R$ 10 mil reais. Minha mãe disse que não tinha esse dinheiro, então a outra moça perguntou se ela não teria conta em banco ou se ela era aposentada. Quando a mãe disse que não tinha conta e que ainda não era aposentada, a senhora colocou o bilhete na bolsa e disse que precisava ir ao banheiro e minha mãe não mais a viu. Já a outra mulher ainda tentou convencer minha mãe a arrumar os R$ 10 mil e voltar no dia seguinte para encontrá-lo no mesmo lugar e disse para ela não comentar com ninguém em casa. Eu acredito que os três estavam juntos. Um casal de idosos e uma mulher de mais ou menos 40 anos. Fiz a postagem para alertar as pessoas para que tomem cuidado no centro da cidade – relatou Flaviana.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    No Brasil é assim! Enquanto existirem bobos, existirão os espertos. Nessas horas vale lembrar a sabedoria dos ditados: “Nem tudo que brilha é ouro.” E ” Quando a esmola é muita, o santo desconfia.” Fica o alerta!

Untitled Document