quinta-feira, 13 de maio de 2021 - 04:15 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Volta Redonda e Barra Mansa ampliam a venda de veículos novos em 2018

Volta Redonda e Barra Mansa ampliam a venda de veículos novos em 2018

Matéria publicada em 20 de janeiro de 2019, 08:00 horas

 


Cidades acompanharam a tendência nacional; em Resende e Angra dos Reis houve redução no número de licenciamentos

Volta Redonda recebeu cerca de dez novos veículos a cada dia no ano passado
(Foto: Arquivo)

Sul Fluminense- Duas das maiores cidades da região (Volta Redonda e Barra Mansa) acompanharam a tendência nacional e registraram alta na quantidade de licenciamentos de veículos novos em relação a 2017. Em Volta Redonda, foram licenciados 2.716 veículos novos em 2018, contra 2.465 em 2017, o que representou uma alta de 10,18%. Em Barra Mansa, a alta foi de 18,54%, com as primeiras licenças saltando de 1.127 para 1.336.
Angra dos Reis e Resende registraram queda no indicador. Na cidade da Costa Verde , os licenciamentos tinham sido 1.768 em 2017 e passaram para 1.715 em 2018, a redução foi de 3,00%. Em Resende, houve 2.082 licenciamentos em 2017 e 2.006 em 2018: a queda foi de 3,65%.
Quando se avaliam os licenciamentos divididos pela quantidade de dias úteis do ano, Volta Redonda fica com 10,78 para cada um dos 252 dias úteis de 2018, Resende com 7,96, Angra dos Reis com 6,80 e Barra Mansa com 5,30.

Usados

A quantidade de negócios com veículos usados na região é muito superior à de emplacamentos de veículos novos. Em Volta Redonda, foram 22.283 transferências no ano passado, ou 88,42 por dia útil, o que corresponde a oito vezes mais que os primeiros licenciamentos. Em Resende, foram 12.422 transferências, em Barra Mansa, 12.095 e em Angra dos Reis, 8.625.
Por dia útil, os números são 49,29 em Resende, 47,99 em Barra Mansa e 34,23 em Angra dos Reis.

No Brasil

A venda de automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões no país cresceu 14,60% no ano passado em relação a 2017, com 2.566.235 unidades emplacadas. É o segundo ano seguido de crescimento. No ano passado, estes segmentos apresentaram crescimento de 9,23%. O dado foi divulgado em 3 de janeiro pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).
No mês, estes segmentos cresceram 1,70% e, na comparação com o mesmo mês de 2017, o aumento foi de 10,33%.
Considerando apenas automóveis e comerciais leves (picapes e furgões), houve alta de 13,74% no ano passado na comparação com 2017, com o emplacamento de 2.470.654 unidades. A expectativa para este ano é de aumento de 11% nestes dois segmentos.
Em relação ao emplacamento de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), o aumento foi de 13,58% em 2018, com a venda de 3.653.500 unidades. Para 2019, a expectativa é de que todos os segmentos automotivos apresentem crescimento de 10,1%.
“Iniciamos 2018 com uma expectativa de alta mais moderada, porém, em função da melhora, mais acentuada, da economia e da confiança do consumidor e investidores, ao longo do ano, o desempenho do setor automotivo foi maior do que o esperado. Mesmo com acontecimentos negativos, como a greve dos caminhoneiros, em maio, e a indefinição política – no período pré-eleitoral, o mercado continuou em ritmo de alta”, disse Alarico Assumpção Júnior, presidente da entidade.
No mês de dezembro, a venda de todos os segmentos registrou alta de 3,36% na comparação com novembro, totalizando 331.153 emplacamentos. Com relação a dezembro de 2017, o crescimento foi de 9,93%.
Já os emplacamentos de carros e comerciais leves somou 225.001 unidades licenciadas em dezembro, com crescimento de 1,67%, se comparada ao mês de novembro, e de 9,85% na comparação a dezembro do ano passado. “A queda da taxa de juros e a melhora da inadimplência geraram uma maior oferta de crédito, impulsionando, assim, a venda de automóveis e comerciais leves”, disse Assumpção Júnior.

Por Paulo Moreira, com informações de reportagem de Elaine Patricia Cruz para a Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Ué bolsonaro não dizia que o país estava estagnado coitadinho agora vocês vão vir o que é um país em retrocesso

  2. Avatar

    As cidades crescem, a mobilidade urbana precisa ser pensada em conjunto! E as ruas e avenidas, estão sendo alargadas, duplicadas e outras mais projetadas e criadas? Novos viadutos e pontes para ajudar a fluir o trânsito estão sendo construídos? Melhoria no transporte público, avanços, inovações em conforto estão sendo feitos? Se não, coitados…a alegria se transformará de certa forma tristeza..

  3. Avatar

    Os carros emplacados em Pinheiral e Barra Mansa, a maioria circula em Volta Redonda, complicando o trânsito nessa cidade.

  4. Avatar

    Em saber que mais de 50% da população da região sul fluminense residem em VR/BM, fora a população flutuante, da para perceber o quanto é urgente um plano de mobilidade urbana em conjunto entre as cidades do centro regional (VR) inclusive com a intervenção do Estado.

Untitled Document