sábado, 14 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Volta Redonda tem área onde desavenças costumam ser decididas na faca

Volta Redonda tem área onde desavenças costumam ser decididas na faca

Matéria publicada em 29 de setembro de 2019, 10:00 horas

 


Trecho entre o final da Avenida Paulo de Frontin e a Avenida Integração tem histórico de ataques com arma branca

Área próxima ao Edifício Redondo se torna um ponto polêmico após as 18 horas
(Foto: Arquivo)

Volta Redonda- “Baixo Aterrado”, “Inferninho”, “Terra de ninguém”. Essas são algumas das expressões usadas por populares que frequentam o comércio da parte final da Avenida Paulo de Frontin, na junção com a Avenida Integração, próxima ao Edifício Redondo. De dia, o cenário é o normal para uma grande e movimentada avenida comercial. Ao cair da noite, no entanto, quando as portas das lojas se fecham, o quadro muda de figura.

A área é conhecida por ser um ponto de prostituição de mulheres e travestis, mas as esquinas também são frequentadas assiduamente por usuários e traficantes de drogas. Da mesma forma, a população de rua que rejeita abrigo e assistência pública costuma procurar a área para beber e dormir, dividindo espaço ainda com grupos que doam sopa e lanches. A violência se faz presente com frequência e com um detalhe peculiar: em geral, as desavenças são decididas na ponta de uma faca. Entre o fim do ano passado e setembro de 2019, foram pelo menos três ataques a facadas nas imediações desta localidade registrados pela polícia, devidamente noticiados na imprensa local. Duas pessoas morreram caídas ainda no local e uma terceira ficou gravemente ferida.

Os ataques

Em novembro do ano passado, um homem de 62 anos foi assassinado a facadas dentro de um bar, na Avenida Paulo de Frontin. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi chamada para resgatar o corpo, que tinha marcas de facadas na barriga e na cabeça. Uma equipe da Guarda Municipal logo em seguida prendeu a suspeita do homicídio: uma mulher de 38 anos. Ela ainda estava com a faca usada no crime suja de sangue quando foi abordada pelos guardas. Sem maiores cerimônias, contou que fez um “programa” com o homem e na hora de receber percebeu que levaria um calote. A cobrança veio com as facadas e a vida do idoso.

No dia 10 de julho deste ano, o operário Isaías dos Santos Silva, de 38 anos, foi assassinado com uma facada. Ele recebeu o golpe próximo da passarela que liga a Avenida Integração com a Avenida Getúlio Vargas e ainda caminhou até cair sem vida na frente do Edifício Redondo. A vítima morava no bairro Jardim Cidade do Aço e frequentava o “Inferninho” com regularidade. Neste dia, segundo testemunhas, ele se envolveu em uma briga. O homem saiu andando e acabou surpreendido pelo assassino, levando uma facada na cabeça.

O caso mais recente foi nesta quinta-feira, quando Mário Lúcio Silva de Moraes, de 30 anos, foi esfaqueado no pescoço na Avenida Integração e ainda conseguiu atravessar a passarela, caindo ferido na Avenida Amaral Peixoto. Ainda na noite de quinta-feira, foi preso Eduardo Antônio Tavares Barbosa, de 37 anos, que seria andarilho e suspeito de autoria do crime. Ele foi preso em um hotel, no Retiro, e levado para a 93ª DP (Volta Redonda).

Opinião da população
e dos comerciantes

O DIÁRIO DO VALE conversou com pessoas que trabalham e moram perto de onde os ataques aconteceram. Os relatos são muito parecidos e mostram que a região vira mesmo uma “terra sem lei” ao cair da noite e durante a madrugada. “Isso aqui de noite não é um bom lugar, não. Tem muita prostituição, drogas. A Polícia Militar passa até bastante, mas não há muito o que fazer, em minha opinião. Esse povo vai bebendo e usando droga a noite toda e a certa hora começam as brigas, os gritos. Deveria era parar um ônibus aqui e levar tudo para a delegacia. Cercar e prender todo mundo”, disse P.S.C,. de 41 anos, que preferiu não dar o nome todo por morar no local.

Comerciantes afirmaram que têm receio de estender o horário de trabalho de seus estabelecimentos no local, por causa principalmente da violência e do consideram um abandono das autoridades após às 18h. Um comerciante, que também preferiu não se identificar, trabalha há dez anos na Rua Cincinato Braga e diz que toda a área próxima ao viaduto se torna perigosa ao anoitecer.

– Acho esta região muito perigosa. Na minha loja já entraram quatro vezes, mas não furtaram nada e apenas danificaram o teto por onde entraram. Em uma loja de doces também conseguiram entrar e furtaram muita coisa. Eu como comerciante fico com receio de trabalhar até mais tarde no local, pois após as 19h já há grande circulação de pessoas com atitudes suspeitas. De manhã, quando abro a loja, é comum ver moradores de rua próximo da loja, como também garotas de programas e travestis. Como comerciante, acredito que esta situação prejudica muito o comércio local – lamentou.

O proprietário de um estacionamento localizado na Avenida Integração acha uma vergonha o local onde funciona o seu comércio. “Só consigo trabalhar com segurança até às 18h. Depois deste período, tenho receio de estender o meu horário devido a sensação de insegurança que fica no local. Ontem (quinta-feira) mesmo houve uma briga próximo ao Edifício Redondo, onde uma pessoa foi esfaqueada. Já no mês passado uma pessoa foi morta no local. Aqui tem de tudo: prostituição, drogas e muito sem teto andando a toa e furtando quem passa distraído. Em minha opinião, deveriam retirar os moradores indevidos do Edifício Redondo e recolher os bancos de madeira próximos ao restaurante popular, que servem de dormitório para os mendigos”, declarou.

Segundo o dono do estacionamento, poderia ainda ser revista a questão da iluminação pública e um reforço no policiamento. “No meu estacionamento ninguém entra porque eu cerquei tudo e coloco cães de guarda”, diz.
De acordo com outro comerciante, poderia também acontecer um policiamento mais ostensivo no local. “A polícia não entra a pé por aqui, somente faz algumas rondas, mas bem esporádicas e de carro. É comum ver assalto no entorno do local. Esta parte do bairro está esquecida e abandonada. Tem prostituição, violência e consumo de drogas no local. Sempre encontro pino de cocaína perto da minha loja, onde já entraram umas quatro vezes para roubar. Falta mais segurança”, reclamou o comerciante, que também preferiu não se identificar.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

24 comentários

  1. Avatar

    Vc não sai de lá amigo

  2. Avatar

    Trav3c0 é a pior desgraç4 que inventaram na face da Terra. Tem q jogar no camburão e levar embora. Direto tem policial andando perto da Pacheco. Por que não vão a esse inferninho? Tem q mostrar quem manda. Para ontem!

  3. Avatar
    Difícil sem ordem urbana

    Creio que se o Sr prefeito Samuca, olhar um pouquinho a mais para o local, a situação pode mudar muito rápido. Com boa intervenção de limpeza, iluminação, caiação por meio da SMI e, vigilância com GM e PM (rondas a durante o dia), e viaturas (com giroscópio acesssos), baseadas nas pontas de acesso ao servidão da passarela, certamente tudo mudará em pouco tempo. Bastante boa vontade em fazer. Vai prefeito faça o gol a bola foi levantada… Elabore a jogada com a Comte Luciana Rodrigues e vençam esse jogo.

  4. Avatar

    Chagas de um município que se torna referência nacional em índices de comparação. Normal. Gera emprego, IDH e demais. Mas continua sendo o terceiro melhor bairro de BM.

  5. Avatar

    A prostituição naquela área não é só a noite, durante o dia é comum prostitutas abordando homens perto de senhoras com crianças, idosos etc., é constrangedor passar naquele local, uma vergonha para a nossa cidade, acorda prefeito, papo reto nunca mais.

    • Avatar
      Difícil sem ordem urbana

      Fato!!!!
      Verdadeiro desrespeito a população “comum”. Sem contar a sujeira do local e os redores, ali é trajeto de pais e alunos de uma creche municipal, trajeto de clientes de um posto de combustíveis (onde muitas vezes se formam filas, normal), o que não pode ser considerado normal é famílias inteiras serem obrigadas a conviver (visualizar), travestis (nada contra a opção de cada um), quase totalmente nus, oferecendo seus corpos, sem o menor respeito e pudor.

    • Avatar
      Difícil sem ordem urbana

      Sugiro ao Sr prefeito Samuca Silva, fazer uma caminhada (sem comitiva), de surpresa pela região, para ver de perto a sujeira dos locais (fezes, pinos de drogas, preservativos usados, sentir o odor de urina por toda a parte, restos de comidas e, lixo, muito lixo de todos os tipos (esse último culpa de boa parte da população em geral). O servidão que liga a Rua Cincinato Braga a passarela do pastel, principalmente aos sábados serve de banheiro e local de uso de drogas a vários frequentadores das barracas de churrascos e bebidas da feira livre. Total falta de respeito com os transeuntes do local…

  6. Avatar

    Muito boa a reflexão da reportagem e dos comentários. Autoridades tem de ficar alertas.

  7. Avatar

    É já percebi que a localidade ali é ponto de prostituição e que normalmente, não so ali como em outras cidades da região, quando come e não paga a coisa é resolvida com facada mesmo. Aquela região é terra de ninguém, ao menos se sentir pra baixo e desejar ter um elogio é só passar ali que quem tiver ali vai te fazer um elogio… rs rs rs

  8. Avatar

    Aquela área, incluindo também toda a regiao que vai até a prefeitura, é a parte mais degradada da zona central da cidade. Quem atravessa o Viaduto Nsa Sra das Graças e deita a vista nessa parte do Aterrado vê construções mal acabadas, apinhadas, sem ordenamento, cheias de infiltração e sem reboco. É mais feio que muitas favelas por aí, considerando que é área nobre… A prefeitura deveria notificar os donos e projetar uma melhoria visual e urbanística para o local. Estando melhor apresentável, vai naturalmente dissuadir a presença de vagabundos no local… VR não é uma cidade antiga, mas o que tem de construção velha e se péssimo gosto aqui não se vê no centro de outras cidades…

    • Avatar

      Concordo com você… Mas ué, você não vive falando bem de Volta Redonda, fala que Volta Redonda não tem nenhum defeito… Seu pensamento é um pouco controverso.

    • Avatar

      Realmente, área de construções lamentáveis!

      Uma mistura de cafofos horríveis, muro da linha de trem escondendo o local, e ponto de prostituição e pedintes! Aquilo precisa de uma intervenção completa.

    • Avatar

      Onde que eu disse que VR não tem defeito, Emir o Impostor?… Toda cidade média e grande têm suas áreas degradadas, até no primeiro mundo…

  9. Avatar

    Tinha que implodir esse prédio.

    • Avatar
      Difícil sem ordem urbana

      Acho que poderia ser revitalizado, modernizado, afinal está numa área central, perto dos cartórios da cidade, vários bancos e etc…
      Acho válido os proprietários pensarem nisso, pense nele com a fachada em vidros, em várias salas comerciais em pleno funcionamento…
      Seria muito bom para todos!!!

    • Avatar

      Meu amigo o edifício redondo e um patrimônio de. Volta redonda
      Cara e sou vc pararde ir lá

  10. Avatar

    Toda cidade média e grande, tem um local onde ficam as escórias. Em VR, esse é o lugar.

  11. Avatar

    Na mina terra esse prédio seria chamado de cabeça de porco. Esse redondo é um verdadeiro lupanar.

  12. Avatar
    Morador sem esperanças

    Prefeitura no consegue consertar nem semáforo, remendando as calçadas com cimento, serviço porco no centro da cidade, fico imaginando como estão os bairros….alguém acha q ele tem capacidade pra resolver isso?
    GMVR desapareceu.

    • Avatar

      Concordo. É só maquiagem. Imagina prefeitura resolver isso daí. Ah, daqui à pouco vai ter 80 milhões pra torrar. Adivinha quem vai pagar?

    • Avatar
      EDMUR FERREIRA DA SILVA

      E um bando de imbecis querendo anexar o Complexo Califórnia a Volta Redonda, que não consegue administrar o que já tem.

Untitled Document