sábado, 24 de outubro de 2020 - 08:35 h

TEMPO REAL

 

Capa / Saúde / Queda na procura por vacinação preocupa o Ministério da Saúde

Queda na procura por vacinação preocupa o Ministério da Saúde

Matéria publicada em 10 de junho de 2020, 09:29 horas

 


 Primeiro dia da campanha estadual do Dia D de Vacinação Contra o Sarampo no Rio de Janeiro, caminhão itinerante da Secretaria Estadual de Saúde

Brasília – A redução na procura pelas vacinas disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), neste período de pandemia do novo coronavírus (covid-19), já é percebida pelo Ministério da Saúde e começa a preocupar a pasta, segundo Ana Goretti, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do ministério.

Ela explicou que o distanciamento social e a situação da pandemia no Brasil são fatores que têm gerado impacto na queda da cobertura vacinal. “Muitas famílias ficam com receio de ir aos postos de saúde, mas temos orientado todas as equipes de saúde do país quanto às medidas de segurança para evitar infecções”, disse a coordenadora ao participar, nessa terça-feira (9), da conferência online Webinar, organizada pelo jornal O Estado de São Paulo.

De acordo com Ana Goretti, o atual momento de pandemia não pode gerar impacto na queda da cobertura vacinal. Ela lembrou que o Brasil possui hoje o maior programa público de imunização do mundo, que distribui mais de 300 milhões de doses de imunobiológicos anualmente.

O PNI conta com 37 mil postos públicos de vacinação de rotina em todo o país, sendo que em campanhas realizadas anualmente este número chega até 50 mil postos e 51 Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs).

“Hoje nós temos um esquema vacinal complexo por ser extremamente completo no combate às doenças mais prevalentes aos brasileiros e que começa a atender nossa população desde o nascimento. Nesse sentido, nós concentramos a oferta de muitas vacinas em um curto espaço de tempo, ainda na infância, para facilitar a imunização da maior parte das pessoas ao mesmo tempo, otimizando também o tempo dos pais ao levarem as crianças aos postos de vacina”, disse Ana Goretti.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar
    Encrenqueira do Vilão Trump

    E a vacina penta? Aqui em Volta Redonda as crianças que tomaram a 1ª dose da vacina estão igual as pessoas que receberam a 1ª parcela do auxílio emergencial a 2ª e a 3ª estão difíceis de sair. No posto da Vila Americana tem mãe que já levou o filho para vacinar desde a primeira dose e estão esperando a 2ª até agora a criança já fez 08 meses? E agora é questão de preocupação ou de falta de organização? Quem vai resolver esta questão de imunização o prefeito Samuca Silva ou o governador Wilson Witsel? A espera de uma resposta.

Untitled Document