>
terça-feira, 28 de junho de 2022 - 22:37 h

TEMPO REAL

 

Capa / Saúde / Unidades de saúde de Volta Redonda ganham novos tanques de oxigênio

Unidades de saúde de Volta Redonda ganham novos tanques de oxigênio

Matéria publicada em 26 de maio de 2022, 17:19 horas

 


Hospital Nelson Gonçalves, Pronto Atendimento do Conforto e UPA receberam estrutura que triplica capacidade de armazenamento

As novas instalações tem como objetivo modernizar e garantir um fluxo mais eficiente no abastecimento de oxigênio e de ar comprimido – Foto: Cris Oliveira(PMVR)

Volta Redonda- A Prefeitura de Volta Redonda, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), segue investindo em melhorias para o atendimento aos pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). Com objetivo de modernizar e garantir um fluxo mais eficiente no abastecimento de oxigênio e de ar comprimido para três unidades de urgência e emergência, foram instalados tanques de oxigênio e centrais de geração de ar comprimido no Hospital Municipal Dr. Nelson dos Santos Gonçalves, bairro Aterrado, no Serviço de Pronto Atendimento do Conforto, e na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) 24h do Santo Agostinho.

“Os hospitais do Retiro (Munir Rafful) e São João Batista (HSJB) já contam com esse tipo de reservatório. Agora, as outras unidades hospitalares também estão sendo beneficiadas, triplicando a capacidade de armazenar oxigênio, melhorando ainda mais o atendimento aos pacientes da rede pública”, explicou a secretária municipal de Saúde, Maria da Conceição de Souza Rocha.

O gerente de Engenharia Clínica da SMS, Denis Frossard de Andrade, explicou que a empresa instala, em regime de comodato, o tanque de oxigênio e a central com o compressor de ar comprimido medicinal, ou seja, a prefeitura fica responsável pela obra estrutural para receber os equipamentos, enquanto a empresa fornece o tanque, as tubulações e outros equipamentos, além de fazer a instalação. O investimento da prefeitura, com recursos do Fundo Municipal de Saúde (FSM), foi de aproximadamente R$ 420 mil na preparação para receber os equipamentos.

“As centrais de ar comprimido reduzem o gasto com oxigênio, que é o metro cúbico mais custoso. Alguns procedimentos anteriormente que utilizavam oxigênio agora contarão com ar comprimido medicinal. Com isso, a nova instalação vai gerar economia e mais segurança para as unidades de saúde. Outro ponto importante é o benefício na preservação dos equipamentos de ventilação mecânica utilizados em pacientes internados, pois o ar é livre de umidade e puro”, explicou Denis.

O diretor administrativo do Hospital Nelson Gonçalves, Reginaldo Moreira, contou que a unidade operava com cilindros, o que dificultava a logística de abastecimento.

“Antes era necessária a entrada diária do caminhão no estacionamento do hospital para entregar os cilindros. Um processo manual e que gerava alguns transtornos. Agora o caminhão virá uma vez por mês apenas, ficará na rua de trás, com o abastecimento sendo feito apenas com a mangueira, de forma automática. É mais agilidade e eficiência”, afirmou Reginaldo.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document