>
quinta-feira, 7 de julho de 2022 - 01:56 h

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Idoso de 72 anos é assassinado em Porto Real

Idoso de 72 anos é assassinado em Porto Real

Matéria publicada em 5 de julho de 2017, 10:08 horas

 


Delegado indiciou o suspeito, de 22 anos, por latrocínio (roubo seguido de morte)

idosos-sao-assassinados-em-porto-real

Homicídio: Jonair foi morto com golpes de marteladas pelo vizinho que já está preso; a esposa Margarida está internada em estado grave
(Foto: Reprodução)

Porto Real- Bruno Luiz da Silva, de 22 anos, foi preso na noite de terça-feira (4), suspeito de assassinar um idoso e tentar matar a mulher dele, com golpes de marteladas.  As vítimas foram Jonair Reinaldo, de 72 anos, que morreu, e Margarida das Graças Antunes Alves, de 65 anos, que está internada em estado grave. O crime foi na Avenida Salvador, no bairro Jardim das Acácias.

Segundo a Polícia Civil, Bruno é vizinho das vítimas e foi levado para a 100ª DP (Porto Real). O corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Resende.

Segundo o chefe do setor de investigação da delegacia, Vlamir Santos, o jovem chegou a arrombar a porta dos fundos do imóvel do casal para furtar. O policial acredita que suspeito foi surpreendido pelas vítimas e para não ser reconhecido acabou matando o casal. O delegado titular, Marcelo Haddad, indiciou Bruno da Silva por latrocínio (roubo seguido de morte).

Correção: Por volta das 10h , informações dadas pela própria polícia eram de que a mulher também havia falecido. Às 13h30min, policiais esclareceram que a idosa está internada em estado grave. A informação da polícia foi passada para todos os órgãos de comunicação da região, que divulgaram a notícia.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

20 comentários

  1. Bando de Caipiras, ficam apregoando o mau contra este indivíduo e se esquecem do mau maior que são os legisladores e esse judiciário brasileiro combalido com juízes e promotores recebendo ao final de um mês mais de 150.000,00….e ainda se acham inteligentes kkkkkk Tudo teleguiado por uma única emissora de televisão.. onde estão os coxinhas? O s camisetinhas verde e amarela da CBF, onde foram parar?

  2. Deve ter roubado para comprar livros. Liberem as drogas, elas são inofensivas e depois criem o bolsa doidão, se já não bastasse o álcool infernizando a vida de tantas famílias.

  3. tem que pegar ele e colocar nas mão do povão e só ,não precisa mais nada só isto basta.

  4. Chega, pena de morte!

    Se fosse minha mãe você estaria no inferno seu lixo, verme…

  5. الفتح - الوغد

    Isso é para acabar com meu dia. Qualquer ato de covardia é repugnante, mas com crianças e idosos nada justifica… Esses miseráveis deveriam ser atirados num covil de cães famélicos…

  6. Esse demônio só vai parar quando o matarem… está demorando aparecer algum ordinário aqui para defendê-lo!

  7. Para quem não sabe esta “vitimada sociedade ” já demonstrava essa má índole desde a adolescência. Ele começou dando trabalho para as escolas em que estudava, depois passou a cometer alguns delitos pela cidade e teve várias internações em centros de reabilitação. Quando completou 18 anos foi solto e dentre vários delitos chegou a cometer um estupro que o levou para a cadeia já maior de idade. E agora com pouco tempo solto comete um outro crime ainda mais grave. Qual será a próxima merda que essa “vítima da sociedade ” fará quando sair novamente da cadeia?

  8. Bons tempos os do “auto de resistência”…um demônio destes tem que ir pra debaixo da terra, encontrar com o chefe dele!!! Se é com um parente meu que seja querido, não tenho dúvida: sentaria o dedo sem dó!!!

  9. nossas leis precária exemplo vem do congresso nacional não podemos esperar nada

  10. Funionário público

    Penso que a PM deveria ter largado o prego nesse indivíduo, passava o cerol e fim de papo.

  11. Esperamos q a justiça ñ o solte novamente. Uma vez q esse verme, Bruninho ñ é réu primário. Queremos uma justiça mais eficiente no país.

  12. Prisão perpétua é pouco!

Untitled Document