sexta-feira, 19 de julho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / A ciência dos super-heróis

A ciência dos super-heróis

Matéria publicada em 9 de outubro de 2018, 09:00 horas

 


Mutantes, simbiontes, universos múltiplos e viagens interestelares

Embora os super-heróis violem algumas leis da física, eles ajudam a divulgar conceitos modernos e antigos da ciência. Filmes e quadrinhos da Marvel e da DC Comics navegam na fronteira entre a ciência e a fantasia, mantendo um alto conteúdo de ficção científica. Muitos jovens aprendem conceitos básicos de física e biologia ao acompanharem as aventuras de seus heróis favoritos. Mutantes, simbiontes, universos múltiplos, viagens interestelares, inteligência artificial e viagens no tempo são alguns dos conceitos abordados com frequência nos quadrinhos e nos filmes.

O feioso Venon, que está em cartaz nos cinemas, é um simbionte. A simbiose é a fusão entre dois organismos diferentes para benefício mútuo. O caso mais conhecido, na vida real, são os líquens, seres que resultam da fusão de uma alga com um fungo. Ao contrário dos parasitas, que sugam o hospedeiro e não dão nada em troca, a simbiose é boa para os dois organismos envolvidos. Nos quadrinhos, além do Venon, outro simbionte conhecido é a bonita Sarah Pezini, a Witchblade.

A ideia das mutações provocadas por radiações atômicas é a fonte dos poderes dos X-men e do Quarteto Fantástico. O Quarteto Fantástico, criado na época da corrida espacial, em 1961, conta a história de quatro astronautas que sofreram mutações depois de uma tempestade de radiação cósmica. Na vida real a radiação cósmica não dá superpoderes a ninguém. Se um astronauta receber uma dose maciça de raios gama ele não vira o Hulk nem a Mulher Invisível, ele simplesmente morre. Mas a fantasia dos quadrinhos chama a atenção para um dos maiores obstáculos as viagens espaciais de longa duração.

Nas últimas décadas a física vem admitindo a ideia de que o nosso universo é apenas um entre múltiplos universos. O conceito do multi-universo é muito usado nos quadrinhos e filmes da DC Comics. No seriado de televisão o Flash e a Supergirl vivem em universos diferentes. Em teoria eles nunca poderiam se encontrar, mas vivem aventuras juntos viajando através de wormholes, ou buracos de minhoca.

O buraco de minhoca é um túnel ligando regiões distantes do nosso universo, ou universos diferentes. Sua existência foi deduzida a partir do estudo das equações de campo da teoria da relatividade de Einstein. O nome foi criado em 1960 pelo famoso físico John Wheeler. No cinema o Lanterna Verde usou um wormhole para viajar da Terra até o planeta Oa, que fica perto do centro da nossa galáxia, a mais de 20 mil anos luz da Terra. Na vida real o Observatório LIGO, que detectou as ondas gravitacionais produzidas pelos buracos negros, também procura pelos buracos de minhoca.

A inteligência artificial, que preocupa gente como o bilionário Elon Musk é coisa comum no universo dos super-heróis. Robôs superinteligente, como o Brainiac da DC e o Ultron da Marvel perturbam o sono dos super-heróis desde a década de 1960. Por enquanto eles são apenas uma fantasia dos filmes e das histórias em quadrinhos. Mas podem virar realidade nas próximas décadas, se ocorrer a temida “singularidade tecnológica”. O ponto em que as máquinas se tornam mais inteligentes do que seus criadores.

Viagens interestelares e viagens no tempo são outro conceito que os jovens aprendem lendo os quadrinhos. Na prática viajar para as estrelas envolve uma viagem no tempo. Já que as velocidades envolvidas afetam a passagem do tempo de acordo com a teoria da relatividade de Einstein. O que explica porque o Super homem e sua prima, a Supergirl não envelheceram quando viajaram do distante planeta Kripton até a Terra.

A vida fora da Terra, e a possibilidade de existirem civilizações extraterrestres é outro tema que mobiliza cientistas e autores de quadrinhos. E que esta na origem da Capitã Marvel, cuja estreia no cinema acontece no ano que vem.

Por: Jorge Luiz Calife
jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Na minha opnião a art do venon ficou horrivel.
    Achei massa e o estilo nele no jogo marvel vs capcom aquele sim é o venon com o brock

Untitled Document