domingo, 16 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Álvaro Cabral se torna réu em ação por peculato

Álvaro Cabral se torna réu em ação por peculato

Matéria publicada em 18 de julho de 2018, 17:21 horas

 


Ex-prefeito de Valença é acusado de receber R$ 361 mil como médico de Hospital Escola enquanto exercia mandato de prefeito

Acusado; Álvaro Cabral vai se defender de acusação de peculato
(Foto: Arquivo)

Valença – O ex-prefeito de Valença Álvaro Cabral Filho se tornou réu em processo por peculato, crime cuja pena prevista varia entre dois e 12 anos de reclusão e multa. Junto com Cabral, o ex-presidente do Conselho Diretor da Fundação Educação D. André Arcoverde, gestora do Hospital Escola Luiz Gioseffi Januzzi (HELGJ), José Rogério Moura de Almeida Filho, também vai responder ao processo.

Álvaro Cabral está sendo acusado de ter continuado a receber salário como médico anestesista do HELGJ no período de outubro de 2012 a junho de 2017, sem estar exercendo nenhuma atividade profissional no hospital. Nessa época, ele era prefeito de Valença.

Já José Rogério está sendo processado porque era gestor do hospital na época e autorizou os pagamentos, que teriam chegado a $ 361.188,37, de acordo com o levantamento do Ministério Público.

A denúncia foi apresentada inicialmente pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro em julho de 2017.

No mesmo mês, a Vara Única da Comarca de Valença considerou que a competência para julgar a denúncia seria federal, já que o hospital recebe verbas do SUS, o que implicaria em prejuízo aos cofres da União.

Em agosto do mesmo ano, o MPF ratificou a denúncia inicial e reforçou o pedido de medidas cautelares de busca e apreensão dos livros de registros de cirurgias do Hospital Escola realizadas no período entre outubro de 2012 a junho de 2017 e dos comprovantes de pagamento de remuneração do denunciado Álvaro Cabral.

Confirmou ainda os pedidos de afastamento, por 60 dias, do denunciado José Rogério da direção do Hospital Escola e da indisponibilidade dos bens pertencentes aos réus no valor do prejuízo causado aos cofres públicos. As cautelares foram autorizadas em abril de 2018 e José Rogério foi afastado de seu cargo por determinação judicial.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Pois é, o crime nunca compensa. Será que vão mesmo para a jaula? O seu Zé das Couves tá preso porque tentou roubar um celular. É esse aí?

    • CEM Reais para votar, SEM candidatos éticos depois

      E esse aí os eleitores votam nele novamente. Partido PRB que recebeu muitos votos dos ELEITORES DE BANDIDOS do PMDB. Não podia ser diferente, né?

  2. Eis mais um “causo” da honestidade brasileira, Valença teve o que mereceu ao votar neste estrupador dos impostos valencianos.

  3. Morador de Valença

    Cadeia pra esses dois espertos.

  4. É a cara do Lúcio Mauro, o “Aldemar Vigário” da Escolinha do Professor Raimundo… Tal qual o personagem, embroma tão descaradamente que acaba levando um zero no final…

Untitled Document