sábado, 7 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Após renúncia de Morales, Bolívia tem vazio de poder

Após renúncia de Morales, Bolívia tem vazio de poder

Matéria publicada em 11 de novembro de 2019, 12:23 horas

 


Além do presidente, renunciaram o vice e os chefes do Legislativo

Bolívia – A Bolívia acordou hoje (11) sem governante. Ontem, o presidente Evo Morales renunciou ao cargo, após uma onda de protestos que já durava 21 dias. Também renunciaram Álvaro García Linera, vice-presidente do país, Víctor Borda, presidente da Câmara de Deputados, e Adriana Salvatierra, presidente do Senado.

Cabe agora ao Legislativo escolher um novo presidente do Senado, para que possa acatar a renúncia de Morales e dar início ao processo de novas eleições.

A Constituição boliviana estabelece que “em caso de impedimento ou ausência definitiva do presidente, ele será substituído pelo vice-presidente e, na ausência deste, pelo presidente do Senado, e na ausência deste pelo presidente da Câmara dos Deputados. Neste último caso, novas eleições serão convocadas dentro de um período máximo de noventa dias”.

De acordo com Salvatierra, que renunciou à Presidência do Senado, “a renúncia da presidência (do Senado) não implica necessariamente sucessão em linha direta pelo vice-presidente, mas que uma sessão deve ser realizada para definir nova presidência para o Senado”.

Diante da ausência dos chefes das duas câmaras, o vice-presidente do Senado deve convocar uma sessão e encaminhar os próximos passos. Ainda não se sabe exatamente como o Legislativo irá proceder. É possível que determine um nome para assumir a presidência do Senado, alguém que finalize o atual mandato de Morales, enquanto se convocam novas eleições.

Pode ser ainda que os legisladores definam uma espécie de “governo de consenso” até o fim do atual mandato, que vai até o dia 22 de janeiro, data prevista para a posse do próximo presidente.

Outra possibilidade é que partidos políticos e movimentos civis cheguem a um acordo em relação ao nome de algum senador que possa ocupar interinamente a presidência, enquanto o processo de novas eleições é realizado.

O partido de Evo Morales, o Movimiento al Socialismo (MAS), tem maioria nas duas câmaras.

*Informações da Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

6 comentários

  1. Avatar
    Anarquista, graças a Bolsonaro

    No hay gobierno? Viva la República Anarquista de Bolívia.

  2. Avatar

    Menos um destino para os petistas e comunistas do Brasil irem. Putz! Agora teremos de aguentá-los por aqui pq para a Venezuela e Cuba eles não querem ir devido o povo estar passando fome e fugindo desses países vermelhos.

  3. Avatar

    Evo Morales, a ” segunda alma viva mais honesta da América do Sul” , a terceira é o Ditador Maduro.
    Coisas doidas iguais a essa, só mesmo na cabeça de esquerdeopatas.
    “É gópi, é gópi é gópi !

  4. Avatar

    Tomara que meu time não caia em grupo com time da Bolívia na Libertadores, vamos voltar aos tempos em que coronel boliviano ficava à beira do campo para pressionar juiz de futebol.

  5. Avatar

    É GÓRPI!!! É GÓRPI!!! #EVO LIVRE!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document