sexta-feira, 23 de outubro de 2020 - 06:01 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Artistas buscam reencontrar a emoção dos shows e dão um passo além das lives para atrair seu público

Artistas buscam reencontrar a emoção dos shows e dão um passo além das lives para atrair seu público

Matéria publicada em 27 de setembro de 2020, 09:42 horas

 


São Paulo- Quando a pandemia começou, a cadeia do entretenimento sabia que seria uma das mais afetadas. E, dentro de seus setores, os músicos pressentiam que a vida não seria fácil nem depois que uma reabertura decretasse a retomada dos espaços de show.

A cantora Tchella traz em seu DNA uma capacidade de reinvenção que o novo mundo pede cada vez mais.

Ela fez circo, teatro de rua, teatro infantil, cinema e performance até lançar, em 2018, o álbum autoral Transmutante. Seus shows produzidos em casa com uma mistura de linguagens ajudaram a trazer 100 mil playes no Spotify, o que garante R$ 243 em royalties e uma receita de quase R$ 8 mil proveniente das frentes abertas com suas produções, como uma lojinha de artigos acessada por meio de um QR Code durante as exibições. “Estou conseguindo transformar a rede em um palco online. O show é o encontro das presenças, do público com o artista, e o problema é quando o artista não estuda suas apresentações como uma linguagem específica. Eu e meu marido estamos estudando.”

Tchella diz que, em alguns casos, o espaço das lives é mais maleável do que o das grandes áreas físicas. “A espacialidade é bem menor para compor a fotografia. Estou conseguindo fazer coisas mais interessantes no vídeo do que fazia no palco, onde a logística de cenário e do uso de efeitos é muito mais cara.” Há também, ela diz, reações específicas proporcionadas por uma live, como a que houve em um de seus shows em que ela canta de cabeça pra baixo. “Algumas crianças cantaram comigo de ponta-cabeça também, algo que jamais fariam em um teatro.”

A cantora e compositora No Stopa conta que tem feito encontros e ensaios com sua Banda Mirim em aplicativos de videoconferência. “Somos um coletivo de 12 artistas e estamos trabalhando dessa forma, semanalmente, desde o início da pandemia. Pesquisando para a próxima peça, montando cenas e oficinas virtuais para o público e para educadores. Esse material ficará disponível nas nossas redes sociais e será distribuído em escolas públicas e equipamentos culturais que acolherem esse formato.” Ela tem dois singles lançados durante o período, um deles gravado totalmente pelo microfone do celular, na sala de casa, “sem direito a edição de voz e outros truques de estúdio”. Sobre manter o conceito de espetáculo, No diz acreditar no “olhar de fora”.

“É essencial ter alguém que cuide da direção artística e cênica, que veja o cenário, encontre a melhor iluminação, figurino, modo de interagir com a câmera. Mesmo com os recursos limitados pela câmera do celular, dá para chegar a um resultado bacana. Tem artista usando cromaqui, inserindo vídeos pré-gravados e descobrindo uma gama de possibilidades. Penso que é um universo que se abre e seguirá mesmo quando os shows voltarem.”

Enquanto a vacina não vem, ela diz que monetiza seu trabalho com o que aparece: “Shows em teatros vazios com transmissão ao vivo, show com público dentro dos carros, live em estúdio pra equipamentos culturais, show virtual em plataformas como o Sympla”. Contudo, sente que o tempo ainda não é do vislumbre. “Parece um sonho. Eu tô tentando criar memórias leves para levar desses dias.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo*


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document