segunda-feira, 19 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Ataque violento contra manifestantes gera revolta em Hong Kong

Ataque violento contra manifestantes gera revolta em Hong Kong

Matéria publicada em 22 de julho de 2019, 08:59 horas

 


Hong Kong – Um ataque contra manifestantes antigoverno dentro do metrô gerou revolta em Hong Kong nesta segunda-feira (22). Um grupo de homens vestidos de branco e armados com paus e barras de metal espancou dezenas de militantes na estação de Yuen Long, deixando pelo menos 45 feridos, cinco em estado grave e ao menos um homem em estado crítico.

As pessoas retornavam de um protesto realizado no centro de Hong Kong para reivindicar reformas democráticas na região administrativa especial, no sétimo fim de semana consecutivo em que os moradores de Hong Kong saíram às ruas em massa contra o governo.

Protestos em Hong Kong foram contidos por onda de violência
(Foto: Edgar Su)

O ataque aconteceu na noite de domingo (horário local) e provocou indignação nas redes sociais. Imagens transmitidas ao viv mostram pessoas gritando, enquanto homens espancam vários manifestantes e jornalistas nas plataformas da estação e em vagões de metrô, deixando poças de sangue no chão.

As vítimas acusaram os policiais de levarem mais de uma hora para chegar à estação, apesar das chamadas daqueles que estavam sob ataque, e de não prenderem os agressores armados, que ficaram nas ruas ao redor da estação na manhã de hoje.

Alguns homens vestindo camisas brancas foram posteriormente filmados deixando a cena em carros com placas da China continental.

Ferimentos
Lam Cheuk-ting, um legislador pró-democracia, foi um dos feridos, sofrendo escoriações no rosto e nos braços. Ele criticou a polícia e acusou “membros das tríades” de estarem por trás dos ataques, se referindo a organizações criminosas originadas da China, também presentes na região de Hong Kong.

“Seus atos extremamente bárbaros e violentos já violaram completamente os parâmetros mais rasos da sociedade civilizada de Hong Kong”, disse ele.

A indignação entre os simpatizantes das reformas democráticas em Hong Kong e as críticas à polêmica proposta de lei de extradição (suspensa desde 9 de julho) aumentaram após a divulgação de imagens do deputado de Hong Kong Junius Ho, em que ele aparece conversando amigavelmente e tirando fotos com os agressores. Ho negou ter qualquer relação com o grupo.

Durante uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira, parlamentares pró-democracia acusaram os líderes pró-Pequim de fecharem os olhos aos ataques. “São gangues tríades espancando o povo de Hong Kong”, protestou Alvin Yeung. “Mesmo assim vocês fingem que nada aconteceu?”

Os confrontos aumentaram a preocupação de que as temidas tríades estejam entrando no conflito político.

A estação de Yuen Long fica nos Novos Territórios, perto da fronteira com a China, onde gangues criminosas e os comitês rurais pró-Pequim permanecem influentes. Ataques semelhantes de agentes pró-governo contra manifestantes durante os protestos da Revolução dos Guarda-Chuvas de 2014 foram atribuídos às tríades.

Conflitos
Hong Kong tem sido abalada por semanas de marchas e frequentes confrontos entre policiais e manifestantes em sua pior crise na história recente.

Os protestos iniciais foram gerados por um projeto de lei agora suspenso visando permitir extradições para a China continental, mas desde então os protestos evoluíram para um movimento mais amplo, que pede reformas democráticas, sufrágio universal e a suspensão das restrições a liberdades no território semiautônomo.

Ao mesmo tempo em que ocorria o tumulto na estação de metrô de Yuen Long, policiais combatiam manifestantes mais agressivos no meio do distrito comercial da cidade.

Forças de segurança dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os militantes, horas depois de a sede do Escritório de Ligação do governo chinês ter sido atacada com ovos e grafites.

Wang Zhimin, chefe do escritório, criticou os manifestantes, dizendo que eles haviam insultado “todo o povo chinês”, enquanto pedia ao governo de Hong Kong que perseguisse os “desordeiros”.

A chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, apoiada por Pequim, condenou o ataque ao escritório, dizendo ser um “desafio” à soberania nacional.

Ela condenou todo tipo de violência, descrevendo como “chocante” o ocorrido no metrô de Yuen Long e assegurando que as autoridades apurarão o incidente.

*Informações cedidas pela Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Melhor ser chapeiro de hamburguer do que ficar em trabalho semi escravo na China!
    Melhor viver numa democracia no Brasil onde um demente qualquer pode expor suas comentários livremente num jornal do que viver na China, onde se você escrever o que o Aloisio Jessé escreveu sobre o presidente seria preso imediatamente!
    Melhor viver aqui numa democracia onde os filhos do ex-presidente Lula estão sendo investigados como ficaram milionários depois que Lula chegou ao poder do que viver na China, onde os chefes do partido comunista podem fazer qualquer coisa e nunca vão ser investigados!
    Melhor viver aqui numa democracia onde um demente pode defender o comunismo chinês do que viver na China, onde um católico como eu teria que assistir à Missa escondido dentro de alguma casa cristã!
    O que dizer de um imbecil que defende o comunismo, mas não tem coragem de viver numa país comunista?!
    Como diria o cientista Albert Einstein: “Há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana…”

  2. Avatar

    NADA COMO VIVER NUM PAIS COMUNISTA, NÉ PETRALHAS ????

    • Avatar

      Verdade

      Melhor viver no país “do mercado”, que o pai quer por de embaixador o chapeiro de hamburguer, e passa a mão na cabeça do outro que está envolvido até a medula com a milícia carioca

      Seu grau de burrice explode qualquer máquina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document