Bandeira passa a ser obrigatória em divulgação de eventos e filmes

by Diário do Vale
Decisão: Bandeira deve ser exibida segundo as regras do manual oficial adotado em lei (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

Decisão: Bandeira deve ser exibida segundo as regras do manual oficial adotado em lei (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

Brasília – A Bandeira do Brasil deverá ser usada na divulgação de atividades,  bens ou serviços resultantes de projetos esportivos, paraesportivos e culturais e de produções audiovisuais e artísticas financiados com recursos públicos. A decisão está em lei publicada esta semana no Diário Oficial da União.

De acordo com a publicação, assinada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a lei foi considerada sancionada porque, após aprovada pelo Congresso, não houve manifestação do presidente interino Michel Temer.

A lei também estende essa obrigatoriedade aos eventos de futebol de clubes que participam e recebem recursos da Timemania, modalidade de loteria da Caixa Econômica Federal (CEF) em que são usados nomes, marcas e símbolos das agremiações. Na divulgação, a Bandeira deve ser exibida segundo as regras do manual oficial adotado em lei.

De acordo com a Agência Senado, para o autor da proposta, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a medida contribui para institucionalizar a imagem da Bandeira Nacional como “símbolo máximo” da República.

A lei determina que a Bandeira seja exibida nos moldes determinados na Lei 5.700/1971, sancionada por Emílio Garrastazu Médici, presidente na época da ditadura militar (1964-1985). A lei especifica as proporções e cores da bandeira.

Polêmica do verde e amarelo

A Bandeira representa os brasileiros? Historiadora da Universidade de São Paulo e coordenadora do curso de relações internacionais da Universidade de Sorocaba, Maria Aparecida de Aquino esclareceu que a identificação ou a falta dela parte da origem da Bandeira. “Têm bandeiras altamente representativas de um país, por exemplo a francesa. Ela é criada em um momento em que se tem a Revolução Francesa. Ela é altamente representativa da nação”, disse. “A Bandeira do Brasil não tem o mesmo peso”, acrescentou.

O Brasil adotou oficialmente a atual Bandeira Nacional em 19 de novembro de 1889, substituindo a Bandeira do Império do Brasil. O verde representava a Casa de Bragança de Pedro I, o primeiro imperador do Brasil, enquanto o ouro representava a Casa de Habsburgo de sua esposa, a imperatriz Maria Leopoldina.

O círculo azul com 27 estrelas brancas de cinco pontas substituiu o brasão de armas do Império. As estrelas, cuja posição na Bandeira refletem o céu visto no Rio de Janeiro em 15 de novembro de 1889, representam as unidades federativas. Cada estrela representa um estado específico, além do Distrito Federal.

Apenas para citar a história recente, a Bandeira foi identificada com grupos específicos e usada politicamente. “Na ditadura, aqueles que eram contrários ao regime ficavam nervosos com a ideia da Bandeira estar muito presente, porque naquele momento a Bandeira era como se fosse uma continuidade do regime e as pessoas engajadas não se sentiam representadas. Mas é uma situação claramente específica”, destacou a historiadora.

Mais recentemente, a Bandeira tornou-se símbolo do movimento pró-impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff. “Ali, acho que não tanto a Bandeira, mas o sentido do verde e amarelo. Muitas pessoas viam o verde e amarelo achando que estavam como representativo de toda a nação. O pensamento era de que estavam representando as ideias dos brasileiros e os outros não. Engano. Acho que o momento que estamos vivendo traz um amadurecimento maior de que o mundo não começa e termina em um só partido e que a corrupção não está presente em um só partido.”

Maria Aparecida disse acreditar que os brasileiros possam ter a Bandeira como símbolo mais consolidado, como ocorreu com o Hino Nacional na Copa do Mundo de 2014.

– As pessoas continuavam cantando o hino mesmo depois de ele ser interrompido nos estádios. O hino, que não é muito representativo, inclusive pela dificuldade de entendimento, acabou sendo o elemento de expansão de uma nacionalidade, de um identidade. Com a Bandeira pode e deve acontecer a mesma coisa. Gostemos ou não dela, é a nossa Bandeira. É o símbolo do país – concluiu a historiadora.

 

 

 

You may also like

13 comments

Cidadão Kane 11 de julho de 2016, 23:45h - 23:45

BESTEIRA !!! O quê isso melhorará o país ? Pra quê isso ? esse negócio de bandeira e hino é uma tremenda estupidez alienante, antiquada e instituida na formação dos Estados-nações europeias pra aflorar um sentimento nacional no povo a ponto dele encher o peito e o coração e ir guerrear por algo ou motivo que não os afeta, mas sim os interesses de um Estado burgueses.
Lei feita pra agradar o publicozinho mediocre deste próprio deputado. Tinha que ser do PSDB !
!!!

EU SEI A VERDADE 13 de julho de 2016, 09:24h - 09:24

Cidadão. Tá ruim pra vc? Vai embora pra Cuba!

Cidadão Kane 14 de julho de 2016, 14:34h - 14:34

“eu sei a verdade” MENTIROSO !! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk … vai vc pro Haiti lá eles são pobres e capitalistas como vc. E porq eu deveria ir pra Cuba só porq não concordo com uma coisa insana ? kkkkkkkkkk .. porque não pode ser o Paraguai qué mais perto ou o Camboja q é mais longe ? kkkkkkkkkkkkk essa paranoia delirante é hilária … definitivamente a internet fez mal pra algumas pessoas.
Culpa do Lula que facilitou o acesso pra qualquer um.

VIRA LATA 11 de julho de 2016, 15:10h - 15:10

UÉ, E PENSAVA QUE A BANDEIRA DO BRASIL FOSSE VERMELHA E COM UMA ESTRELA BRANCA.

Indignado 11 de julho de 2016, 09:49h - 09:49

E como melhora a “qualidade da sociedade brasileira”? O povo levantar cedo pra trabalhar, ser digno e honesto (salvo exceçoes) ta adiantando nao, raymundo. A coisa so anda atraves da politica q deveria fazer coisas q resolvessem nossa situaçao. E a cabeça do povo so vai melhorar tb qdo tiverem mais acesso a educaçao, enfim, qdo politico tomar vergonha na cara. OU SEJA, NUNCA!

VAI VENDO 11 de julho de 2016, 12:14h - 12:14

Se candidate que eu voto em você

Morador de VR 10 de julho de 2016, 21:59h - 21:59

Existem coisas mais importantes para se preocuparem. Venerar bandeira não resolve problemas do país.

VAI VENDO 11 de julho de 2016, 12:13h - 12:13

Nos países desenvolvidos e adiantados resolveu

Cidadão Kane 12 de julho de 2016, 00:06h - 00:06

Exatamente !! ô “VAI VENDO” onde, em qual país venerar bandeira resolver problemas estruturais ?? kkkkkkkkkkkkkkk hino….bandeira … coisa de tolos !!!!

VAI VENDO 12 de julho de 2016, 21:38h - 21:38

EUA, Suiça, Japão, Coreia do Sul. Quer mais?

No Brasil muita gente venera a bandeira americana. Eles veem muitos filmes americanos e todos eles mostram a bandeira do país.

VAI VENDO 10 de julho de 2016, 19:41h - 19:41

Os povos mais desenvolvidos têm a bandeira do país o símbolo máximo e as veneram. Coincidência ou não aqui o povo despreza a sua bandeira. Resultado: reelegem só corruptos para os governos. Depois ficam por aí chorando, reclamando, indignados, iludidos e tontos pela corrupção, etc

Eu estou adorando a bandeira do Brasil ser astiada e nos jogos do Raulindo quando os timecos forasteiros aqui estiverem, dentre eles o flamengo, florminense, tive dos vices e time da estrela solitária há décadas.

Indignado 10 de julho de 2016, 11:52h - 11:52

Com essas bobagens perdem tempo. Pq nao fazem leis q resolvam os problemas da sociedade? Ai francamente…falta de roupa pra lavar…

raymundo 11 de julho de 2016, 09:27h - 09:27

ô indignado ! O Brasil já tem leis demais . O que precisa melhorar muito , mas muito mesmo é a qualidade da sociedade brasileira , ou seja , o Brasil precisa de um povo muito melhor !

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996