segunda-feira, 23 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Bebê prematuro de mãe que morreu espancada responde bem ao tratamento

Bebê prematuro de mãe que morreu espancada responde bem ao tratamento

Matéria publicada em 7 de março de 2019, 16:11 horas

 


Barra Mansa – A Secretaria de Saúde de Barra Mansa, por meio da direção do Hospital da Mulher, informou que a bebê nascida na segunda-feira, dia 4, cuja mãe morreu vítima de violência doméstica, está recebendo cuidados intensivos em virtude “de grave prematuridade extrema”.

Na nota, a secretaria informa que “o atendimento está sendo realizado conforme os protocolos modernos mundiais da neonatalogia”. E aponta uma boa notícia: “A bebê está respondendo bem às terapêuticas instituídas e seu quadro é estável. Não há previsão de alta”.

A bebê nasceu de parto cesáreo devido ao descolamento de placenta, com prematura extrema e idade gestacional de 26 semanas, pesando 1005 gramas. Ela foi reanimada e encaminhada à UTI Neonatal do HM.

O caso

Maria Edijane de Lima, de 35 anos, estava grávida e morreu na terça-feira (5), no Hospital da Mulher, em Barra Mansa. Segundo a polícia, ela teve parto prematuro, após ser agredida com socos e pontapés na barriga, desferidos pelo companheiro Oberdan Gonçalves Braga, de 45 anos, que está preso preventivamente e a disposição da Justiça de Barra Mansa.

Maria Edijane foi encaminhada ao hospital por uma vizinha, que na ocasião, informou que a vítima havia se desentendido com o companheiro, e que o mesmo teria agredido a mulher que estava grávida de 27 semanas. A informação foi confirmada pela paciente, durante consulta médica no hospital. Segundo o Hospital da Mulher, a paciente foi examinada e levada para cesariana, onde não resistiu ao procedimento cirúrgico e veio a óbito.

O corpo dela continua no Instituto Médico Legal (IML), de Volta Redonda. O enterro ainda não ocorreu, porque os documentos da vítima não foram localizados. Segundo informações da Funerária Municipal de Barra Mansa, assistentes sociais da prefeitura estão, nessa quinta-feira, 7, em contato com parentes da mulher, que moram em João Pessoa, na Paraíba.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    coitado desse cara, agora ne vão deixa lo ver seu filhoele é só uma pobre vítima dessa sociedade… temos que ajuda lo, ele só precisa de ajuda psicológica, com certeza é um bom homem. LULA Livre!!!

  2. Avatar

    Como pode ter sumido os documentos?Ela trabalhava de carteira assinada,alguem esta querendo levar vantagens,alguem sumiu com esses documentos, mesmo depois de morta não tem o direito de ter um enterro digno.Que País é esse meu Deus

Untitled Document