quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Mulher que mora no exterior encontra parentes após quatro anos de buscas

Mulher que mora no exterior encontra parentes após quatro anos de buscas

Matéria publicada em 15 de dezembro de 2019, 15:17 horas

 


Um tio de Oyara Costa foi localizado no bairro Retiro, em Volta Redonda, após reportagem do DIÁRIO DO VALE

Djanira, avó biológica de Oyara, faleceu em 2016
(Foto: Reprodução)

Barra Mansa e Volta Redonda – Uma mulher DE 25 ANOS que mora na Inglaterra reencontrou um elo com sua família brasileira, após a divulgação de sua luta de quatro anos para reencontrar parentes. Um tio, conhecido como “Tião”, foi localizado no bairro Retiro. A cirurgiã-dentista Oyara Costa mora em Londres, e contou ao DIÁRIO DO VALE que conseguiu informações sobre seus parentes após a publicação do jornal sobre o caso, na edição da última sexta-feira, dia 13. Os avós de Oyara, no entanto, já faleceram.

Oyara disponibilizou seu e-mail para receber informações dos possíveis paradeiros de seus parentes maternos e, segundo ela, moradores da região Sul Fluminense foram solidários.

– De sexta-feira para cá, recebi mensagens nas minhas redes sociais e muitos e-mails que falavam sobre meus avós e meu tio. Recebi números de telefones que poderiam ser de um deles, porém a maioria dava caixa postal ou que o número não existia – disse Oyara.

O movimento de solidariedade chegou até a polícia, onde o delegado titular da 93ª DP (Volta Redonda), Wellington Vieira, se prontificou em ajudar Oyara na busca pelos parentes em Barra Mansa e Volta Redonda. Ela descobriu que o tio foi dono de uma padaria no Retiro e que um primo ainda trabalhava no local.

– Um policial civil me enviou um e-mail, falando que conhecia o dono da padaria no Retiro. Ele foi até lá e contou a história para o dono, que disse que o filho do “Tião” trabalhava lá, sim. Nisso, o policial conversou com o filho do Sebastião e conseguiu o contato do meu tio e passou meu número para eles. Já entrei em contato com meus parentes vivos – explicou a cirurgiã-dentista.
Durante a investigação, Oyara descobriu que seus avós Djanira e Sebastião faleceram entre 2012 e 2016 e que o nome de seu tio “Tião” é Sebastião Constantino da Silva Filho.

Oyara conheceu o rosto da mãe (mulher com a saia cinza) pela primeira vez na foto recebida por seu primo
(Foto: Reprodução)

História

Oyara perdeu os pais antes de completar sete anos de idade e foi adotada por um casal. Quando jovem, ela conheceu um inglês durante uma viagem e em seguida se casou, mudando-se para a Inglaterra. Numa certidão, estava o nome da mãe como Naciolina da Silva Costa, natural de Além Paraíba, Minas Gerais, que teria mudado para Vassouras, onde se casou com Osmar Francisco da Costa.

Na certidão de óbito da mãe biológica de Oyara, que atualmente tem 25 anos, constava os nomes completos de seus avós maternos: Sebastião Constantino da Silva e Djanira Ferreira Neves. Ela recebeu informações de que moravam em Barra Mansa. A partir dali, passou a procurar incessantemente pelos parentes perdidos.

– Escrevi uma mensagem de agradecimento às pessoas que me ajudaram, porque foram muitas. Agradeci nas minhas redes sociais e coloquei nos comentários da reportagem de sexta-feira. Após mais de 18 anos consegui ver a foto com o rosto da minha mãe pela primeira vez. Obrigada por realizarem o meu desejo, que cada um de você possa sentir o meu abraço de gratidão – concluiu Oyara.

Por Miguel da Silveira


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar
    Rogério da Silva Costa

    Parabéns pela vitória Oyara pois é raro hoje em dia as pessoas terem essa preocupação em relação à família. Que 2020 seja um ano especial para todos nós. ….

  2. Avatar

    Parabéns a Oyara, por ter conseguido realizar seu desejo!

    Quem tinha dúvidas, agora não tem mais quando digo aqui que o DIÁRIO DO VALE é o maior, o mais lido, mais comentado, mais compartilhado jornal da região.

  3. Avatar
    Capeta da grota do Santa cruz

    Será que eu sou parente também? Oba!

Untitled Document