segunda-feira, 24 de janeiro de 2022 - 19:42 h

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Brasileiros protestam no exterior

Brasileiros protestam no exterior

Matéria publicada em 15 de março de 2015, 17:56 horas

 


Manifestações ocorreram por diversos países da América do Norte, como EUA e Canadá, e na Inglaterra

Nova York

 

Brasileiros que moram fora do país e turistas realizaram protestos durante o dia de ontem. Em Nova York, por exemplo, cerca de 100 pessoas se reuniram na Union Square e ao som do hino nacional e de gritos de “Fora PT, leva a Dilma com você”, ecoaram as manifestações no Brasil.

O protesto começou por volta das 11h (meio-dia no Brasil) e durou cerca de uma hora e meia, com a presença de imigrantes brasileiros nos Estados Unidos e alguns turistas que decidiram se juntar ao coro.

– Viemos por amor ao Brasil e por patriotismo. Queremos justiça, a moralização do Congresso e o impeachment da presidente Dilma Rousseff – afirmou Jaime Pereira, de 54 anos, que mora nos EUA há 20.

Perguntado sobre o vice-presidente Michel Temer (PMDB), que assumiria em caso de impeachment da presidente, ele disse: “Ele é pior do que ela. Mas quando a casa está muito suja, você tem que varrer.”

Muitos dos manifestantes citavam a possibilidade de novas eleições no país caso a presidente e o vice sejam depostos nos dois primeiros anos de governo.

A advogada Izabel Balboni, 68, que fazia turismo em Nova York, se juntou à manifestação, e defendeu o senador do PSDB Aloysio Nunes como candidato ideal à Presidência. “É um homem íntegro”, disse.

O pedido de intervenção militar no país dividiu manifestantes. Uma mulher que ajudava a segurar uma faixa em que se lia, em inglês, “Intervenção Militar Já” foi avisada pelas amigas sobre o conteúdo do texto. Ao ouvir o alerta, saiu do local.

O responsável pelo faixa, o cabeleireiro Umberto Guimarães, 49, disse defender a intervenção imediata. – Eu quero o comunismo fora do Brasil e da América Latina – afirmou.

– Se a Dilma sofre impeachment, já é uma solução para o comunismo, embora não resolva a corrupção -, completou.

Durante o protesto, houve um princípio de confusão quando uma militante do PSOL tentou rebater as reivindicações. “Sou a favor da democracia”, afirmou. Houve bate-boca e ela foi impedida pelos manifestantes de falar com a imprensa. “Vai pra Cuba”, gritou um deles.

Em Londres, um grupo de cerca de cem brasileiros protestou em frente à embaixada do Brasil na capital inglesa.

Os manifestantes levaram cartazes contra o governo e o PT. Um deles, escrito “Fora Dilma”, chegou a ser colado numa das portas da embaixada, que estava fechada. Houve um pequeno tumulto quando alguns policiais retiraram esse cartaz.

– Vim para mostrar que estamos preocupados. As notícias que chegam do Brasil são sempre ruins – disse Ana Lúcia Tavela, 32, que vive há um ano no Reino Unido.

O protesto em Londres foi convocado pela internet por movimentos que organizaram as manifestações deste domingo no Brasil.

– Eu vivo aqui em Londres há 20 anos. É preciso fazer algo para mudar a situação. Desse jeito, não há perspectivas para voltar – disse Lígia Cooney, 43.

Já no Canadá, ao menos 30 pessoas se reuniram em frente ao Westmount Square – edifício que abriga o consulado brasileiro em Montreal – para protestar pelo fim da corrupção no Brasil. O objetivo, segundo Letícia Furtado, organizadora da manifestação é mostrar solidariedade aos brasileiros que também saíram neste domingo às ruas no Brasil para expressar insatisfação com o governo.

– Eu fiz este evento por ser solidária ao Brasil – disse a professora de educação física, que mora há 20 anos na cidade de Longueil, a 15 quilômetros de Montreal. – E também para que os passantes entendam que o Brasil está mobilizado no dia de hoje – destacou.

Montreal é a segunda maior cidade do Canadá, onde vivem cerca de 3 mil brasileiros, segundo dados de Statistics Canada, o órgão de estatísticas do governo canadense.

Em Toronto, maior cidade do Canadá, onde moram quase 7 mil brasileiros, também houve protesto. Os manifestantes se reuniram no Queen’s Park, a partir das 13h (14h no Brasil), vestidos de verde e amarelo e com cartazes pedindo o impeachment da atual presidente.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document