Bruno Marini é o segundo entrevistado pelo projeto ‘Pergunte ao Candidato’; assista ao vídeo

by Diário do Vale

Volta Redonda  e Barra Mansa – O candidato do PP a prefeito de Barra Mansa, Bruno Marini, foi o segundo entrevistado da série “Pergunte ao Candidato”, em que os postulantes às prefeituras das cidades da região respondem a perguntas feitas por internautas durante uma transmissão ao vivo feita pela fan page do DIÁRIO DO VALE no Facebook. Nesta quarta (31), será a vez do candidato Arthur Tutuca, candidato em Piraí pelo PMDB. As perguntas foram selecionadas a partir da contribuição de internautas.

Veja a seguir a transcrição da entrevista. As respostas foram resumidas para adaptar a linguagem ao jornalismo escrito.

Internauta – O que o candidato fará para melhorar a saúde e a educação da nossa cidade?
Bruno Marini – A saúde de Barra Mansa é o assunto mais discutido nas nossas caminhadas. O problema da saúde é de gestão e pode ser resolvido num prazo entre sessenta e 120 dias. A saúde do Brasil passa por problemas, mas a saúde de Barra Mansa passa por muito mais problemas quando se compara com outras cidades. Os recursos dos governos federal e estadual que vêm para Barra Mansa ou deixam de vir é o mesmo problema de outras cidades. Se Barra Mansa está com problema de maior gravidade, o problema é gerencial. A cidade precisa de um administrador que tenha experiência comprovada em administração.

Internauta – Estive na UPA na semana passada e não fui atendida. O médico me falou que não havia recursos. Qual a sua proposta para a saúde e a educação?
Bruno – Eu vou dividir em dois assuntos: saúde e educação. Vou continuar na saúde e depois você me cobra a educação. Na saúde, eu volto a dizer, é administração. Durante a pré-campanha, a gente fez um trabalho chamado “A Barra Mansa que Queremos”, em que ouvimos as demandas da população. A gente percebeu que o primeiro problema de Barra Mansa é a saúde e o segundo é o emprego. Na saúde, não tem tido nos postos médicos nem remédios básicos, como dipirona e remédio para colesterol, diabetes, pressão alta, e nos outros municípios tem. Por que é que Barra Mansa não tem? Porque a administração é falha. Vamos fazer um choque de gestão, colocar uma equipe preparada e não vamos aceitar desvio de conduta.  Na educação, o nosso plano de governo fazer escolas em tempo integral. As pessoas me perguntam se é possível. É. É fácil? Não. Tem solução? Tem. É alocar o recurso com honestidade e com inteligência.

Internauta – Nós enfrentamos há anos o problema das manobras de trens no Centro da cidade. Qual a sua proposta para solucionar o problema e quanto tempo levaria para o projeto funcionar?
Bruno – A questão do Pátio de Manobras é do governo federal. Já existe um projeto para solucionar o problema e só não está pronto até agora porque os governantes do município não fizeram o projeto andar com a velocidade que teria de andar. Quando assumirmos, vamos cumprir o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) que está assinado com o Ministério Público e remover as casas para retirar o Pátio de Manobras do Centro da cidade. Vai continuar passando o trem, mas vai diminuir muito o fluxo de trens na hora em que o Pátio de Manobras for lá para o final da Vista Alegre.

Internauta – A Região Leste sempre sofre com problema de falta de infraestrutura. O que o candidato pretende fazer de melhorias para nós que moramos nesta região?
Bruno – A Região Leste usa água de Volta Redonda. O Rio Paraíba do Sul passa por Barra Mansa, que capta a água e trata, mas Volta Redonda também capta água do mesmo rio, trata e vende para Barra Mansa. Nós temos no nosso projeto fazer a captação de água por Barra Mansa, tratar e entregar por um preço menor. A água de Barra Mansa hoje é a mais cara do Brasil. Se você comparar os preços da água em Volta Redonda e Barra Mansa, a de Barra Mansa custa o dobro. Então em primeiro lugar temos o compromisso com a sociedade de rever o preço da água, que está um absurdo. Na infraestrutura, a gente percebe que os asfaltos estão muito podres. A infraestrutura da Região Leste nós vamos rever e melhorar muito. Quero dizer também que o nosso projeto é fazer um polo industrial naquela região. A melhor área industrial de Barra Mansa está naquela localidade, na beira da Dutra. Na hora em que conseguirmos levar um polo industrial, vamos criar empregos para a população da Região Leste.

Internauta – Todo ano perdemos móveis e até mesmo as casas com as enchentes que chegam com as chuvas que atingem os bairros das redondezas. O Rio Barra Mansa está cada vez pior, mais poluído e com entulhos. O senhor fará o quê, caso seja eleito?
Bruno – Esta é a pergunta que eu não esperava de acontecer e ela é a mais fácil de ser respondida. Barra Mansa tem solução e ela é fácil. Ela é cara: é fazer lá em cima, na altura da Colitur, uma barragem que segure o fluxo de água quando chove muito e depois, quando chuva parar, vai soltando a água aos poucos. Isso já foi feito no Rio Paraíba do Sul. Na década de 1960, Barra Mansa tinha muitas enchentes do Rio Paraíba do Sul, que foram solucionadas com a barragem do Funil em Itatiaia. Antes da barragem do Funil, Barra Mansa sofria com enchentes graves todo ano, de ir água dentro da Santa Casa.

Internauta – Existe algum projeto voltado para os jovens, como, por exemplo, cursos na área de informática?
Bruno – Já existe uma lei que diz que, até 2024, as escolas terão que ser em tempo integral. E é muito importante a gente ter os cursos profissionalizantes. Está no nosso plano de governo fazer as escolas em tempo integral. É fácil? Não. É possível? É. Pinheiral já tem três escolas em tempo integral. Barra Mansa não tem nenhuma. Vamos ter, nas escolas em tempo integral, as oficinas profissionalizantes. O Brasil precisa profissionalizar o jovem. O estudante no Brasil estuda cinco horas. Na Ásia e nos Estados Unidos, estuda de dez a doze horas por dia. Além de nossos jovens precisarem estudar mais tempo para serem competitivos no cenário internacional, hoje em dia todas as mulheres trabalham muito. Os jovens precisam ficar no colégio, estudando e se preparando para serem competitivos enquanto a mulher está trabalhando.

Internauta – Assim como em todo o país, Barra Mansa sofre com o desemprego A cidade tem uma grande área territorial. Maior do que a de Volta Redonda. O senhor tem plano para atrair empresas para a cidade?
Bruno – Como a gente havia dito anteriormente, quando percorremos a cidade, fazendo o projeto “Barra Mansa que Queremos”, detectamos que os maiores problemas da cidade são saúde e emprego. Barra Mansa tem solução. Vejam só: perdemos a Nestlé porque o governante daquela época não abriu uma lateral da avenida da Cotiara que era a entrada para a fábrica e ela foi embora para Três Rios. Barra Mansa tem local para ter indústria. Nós temos duas indústrias paradas há mais de 20 anos: a Edimetal e a Litográfica, em áreas bem montadas, boas. A Edimetal, inclusive, tem o trem passando por dentro da empresa. Enquanto isso, Pinheiral tem um polo industrial que está cheio e está indo para o segundo polo industrial. Barra Mansa tem muitas áreas para trazer indústrias. E pretendemos trazer indústrias não muito grandes, com 400 a 800 empregos, mas que também não sejam poluidoras. Para isso, Barra Mansa tem local. O que precisa é um governante administrador e empreendedor.

Internauta – Existe algum projeto para melhorar os salários dos servidores municipais. Com esta crise, o senhor acha que manterá os salários em dia desta categoria?
Bruno – Isso é gestão. Isso é administração. Os outros municípios estão com salário atrasado? Volta Redonda está com salário atrasado? Resende está com salário atrasado? Barra do Piraí está com salário atrasado? Vou fazer uma pergunta: alguém pode entregar uma carreta para uma pessoa que nunca dirigiu um veículo desses e querer que ela a leve até o Rio? Não. Porque essa pessoa vai virar com a carreta no meio do caminho. Mas as pessoas elegem para administrar a prefeitura alguém que nunca administrou. Eu quero que a população compare o currículo dos candidatos a prefeito. Nós vamos ter uma secretaria para cuidar o funcionalismo público, para escutar as suas queixas, para ir dentro do problema. Funcionário público tem que ser escutado, respeitado, ter um bom ambiente de trabalho.

Internauta – A passagem urbana dos ônibus em Barra Mansa é uma das mais caras da região, já que os trajetos dos ônibus não são tão longos. Implantaram um consórcio na cidade, mas acho que não deu certo. O que o senhor fará com relação ao preço da passagem municipal e a qualidade do transporte coletivo?
Bruno – Nós vamos analisar essa licitação do consórcio. Eu estou fora, eu não tenho documentos para concluir, mas eu percebo que tem uma insatisfação da população. Nós vamos ter um projeto que atenda a população. Você sabe qual é o nosso sonho de consumo? A gente ter um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Barra Mansa já tem trilhos por toda a cidade. Podemos ter um VLT com ar condicionado, com uma condição interessante, e isso pode ser privado. Não precisa ser público. Vamos chamar a iniciativa privada e vamos propor para eles.

Internauta – Nós sofremos com o problema dos usuários de crack que ficam perto da ponte do Ano Bom e até no bairro. Qual seria a sua política para os dependentes químicos?
Bruno – Eu queria falar de dois assuntos: dos dependentes químicos e da Beira-Rio. O assunto do dependente químico é um assunto de extrema gravidade no Brasil. Eu me lembro que quando era jovem não existia o crack. A droga vai mudando. A sociedade vai arrumando drogas diferentes. Nós precisamos voltar a ter clínicas especializadas para enfrentar o problema do usuário de drogas. A gente sabe que o governo do estado já teve este serviço e acabou, por dificuldade financeira. Eu prometo que vamos nos unir e trazer uma solução para esse problema em Barra Mansa. Eu queria falar um pouquinho da Beira-Rio de Barra Mansa, que hoje está jogada e poderia ser uma coisa linda. Nós vamos fazer ali como é Volta Redonda, como é Três Rios: um local de lazer, de caminhada de ginástica. Barra Mansa tem tudo para fazer igual ou melhor, só que os governantes ainda não atinaram para isso.

Assista ao vídeo que foi transmitido ao vivo no Facebook

Acompanhe o cronograma e saiba como participar: ‘Pergunte ao Candidato’: DIÁRIO DO VALE entrevista candidatos a prefeito com perguntas de internautas

You may also like

2 comments

NicoleClaudia 4 de setembro de 2016, 14:05h - 14:05

Essas perguntas foram um presente de Natal para o candidato.
Quatis tá péssimo.

Manoel 30 de agosto de 2016, 18:28h - 18:28

Jornalista Talentosa, parabéns bela carreira pela frente.
Boa as respostas do candidato.

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996