quinta-feira, 15 de abril de 2021 - 07:10 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / CDL Barra Mansa defende medidas em prol do comércio

CDL Barra Mansa defende medidas em prol do comércio

Matéria publicada em 7 de abril de 2021, 15:26 horas

 


Entidade ressalta importância do acordo entre MP e prefeitura para manter o comércio aberto

Barra Mansa – A CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) de Barra Mansa esteve presente junto aos representantes do MPRJ (Ministério Público do Estado do Rio) e da prefeitura do município para discutir a determinação da Justiça de fechar o comércio por sete dias.

Na reunião ficou acertado que a Secretaria de Saúde apresentará um relatório semanal à Justiça sobre os casos de Covid-19, incluindo contaminados, suspeitos e a situação dos hospitais. Também ficou acordado a paralisação das atividades comerciais se a rede regional de saúde registrar 90% de ocupação e a rede municipal chegar a 75% por três dias consecutivos.

O presidente da CDL, Leonardo dos Santos, destacou que será necessária a colaboração de todos para a pandemia ser controlada em Barra Mansa sem causar o fechamento do comércio.

– A classe empresarial, seja ela destinada a qualquer produto e serviço, está à frente como a principal fonte de geração e renda do nosso município. Somos aqui em Barra Mansa a força econômica, responsável por gerar cerca de 60% de emprego e renda. Entendemos e vivenciamos todas as consequências dessa pandemia. Temos nossas famílias, amigos, equipes e toda uma cidade com a qual precisamos nos preocupar. E por isso, o cuidado precisa ser diário. Precisa vir de todos. E nossa entidade tem trabalhado a conscientização e os alertas para que nós, empresários, não afrouxem as medidas de combate à Covid-19. Mas fechar as portas do comércio, que já vivencia os reflexos dessa pandemia há um ano, seria um prejuízo incalculável nesse momento – explicou o presidente.

Ele também destacou o empenho e a união das entidades e do prefeito Rodrigo Drable sobre as tomadas de decisões realizadas neste mais de um ano de pandemia. Para Leonardo, a classe empresarial está se mexendo, está lutando, tem feito a diferença mas vivencia ainda dias duros para a retomada da economia.

– A classe está espremida. Durante todo esse um ano de pandemia as micro e pequenas empresas estão tendo muitas perdas no faturamento. Sem pessoas circulando, não há vendas por impulso. Muitas empresas, paralelo às vendas que precisam fazer, precisam se reorganizar financeiramente e tecnologicamente, driblando dia a dia as dificuldades que surgem junto aos fornecedores, acompanhando as demandas do consumidor, buscando se reinventar. E essa reinvenção nunca vem sem investimento. A rotina de cada loja que se vê no centro e nos bairros de nossa cidade é puxada – frisou Leonardo.

O presidente da entidade conclui que a CDL busca a todo momento se movimentar em busca de soluções e entendimento sobre todo esse difícil contexto que a humanidade enfrenta.

– Há mais de um ano, temos oferecido acolhimento para que as empresas se mantenham funcionando, para que consigam manter uma venda mínima e continuem com os funcionários. Estamos fazendo o possível para ajudar, buscando parcerias, capacitações, serviços gratuitos para os associados. São campanhas contínuas e muita comunicação junto aos comerciantes reforçando os protocolos, as medidas de cuidados nas lojas, para evitar a proliferação do vírus. E vamos continuar articulando ações junto aos governos e instituições para que a classe sobreviva e mantenha essa força econômica em Barra Mansa – finalizou Leonardo dos Santos.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    OS COMERCIANTES DE TODA REGIÃO (CDLs) DEVERIAM SE UNIREM E ENTRAR NA POLÍTICA, PORQUE A PANDEMIA PROVOU QUE NINGUÉM OS DEFENDEM.

    • Avatar

      Desde há milhares de anos quando resolveram instituir a figura de um governante (o primeiro rei para normatizar as transações comerciais) os empresários desde então mandam num governo popular. Naquela época remota mandavam seus empregados e funcionários para as guerras, além de fornecerem ajuda para manter o conflito. Sempre defenderam o governante e são eles que pagam a conta.

      Empresário precisa se manter longe da política e mais longe ainda da politicagem para ter foco no seu negócio para assim prosperar. Mas infelizmente, eles não aprendem com a história e repetem diariamente a mesmice. Até essa narrativa é a mesma dos negociantes da época remota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document