segunda-feira, 19 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Centro Auditivo de Barra Mansa atende 520 pessoas por mês

Centro Auditivo de Barra Mansa atende 520 pessoas por mês

Matéria publicada em 8 de novembro de 2018, 13:28 horas

 


Aparelho auditivo é fornecido gratuitamente pelo Centro de Saúde Auditiva de BM. (crédito Divulgação)

Barra Mansa – O Centro de Saúde Auditiva de Barra Mansa divulgou a média de atendimentos mês realizados pela unidade, que chega a receber pelo menos 520 pacientes. Os números foram revelados em função das comemorações do Dia Nacional da Surdez, lembrado neste sábado, 10. Através do SUS (Sistema Único de Saúde), os pacientes realizam consultas médicas e recebem aparelhos auditivos de graça.

A unidade funciona em anexo à Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), na Estamparia, desde 2006, abrangendo 25 cidades da região. “Junto com o aparelho entregamos, ainda, uma cartela com seis baterias”, informou o supervisor administrativo do Centro, João Paulo de Brito.

Aparelhos estes que mudam a vida dos pacientes. Beatriz é mãe do pequeno Lorenzo, de dois anos. Lorenzo nasceu com microcefalia, devido ao Zika Vírus. Por conta da condição neurológica, muito cedo Beatriz descobriu a surdez, já prevista em casos como este, em Lorenzo. Como tratamento, semanalmente, Lorenzo tem terapia com a fonoaudióloga e ganhou um aparelho auditivo. “Ele já consegue perceber pequenos sons”, vibra a mãe.

Mas nem sempre essa sensação de alegria foi possível. Ao descobrir a surdez, Beatriz ficou apreensiva por causa do valor de um aparelho auditivo. “Graças a Deus conhecemos o Centro Auditivo. Todos lá são muito gentis e atenciosos. Eu estava muito perdida em relação à surdez, achava que teria que comprar o aparelho, que é caríssimo. Mas no centro temos o tratamento e o aparelho gratuitamente e isso fez toda a diferença”, acrescentou Beatriz.

Diferença também na vida da Maria José, que ficou surda aos 40 anos, após ter problemas com a forte medicação para combater uma endocardite bacteriana. Telefonista, Maria José viu sua vida mudar completamente após a surdez. Ela teve que se aposentar e percebeu inúmeras diferenças em seu dia a dia. “Não consigo mais ouvir o barulho da chuva, a não ser que seja muito forte. Barulho de alimento na panela, como o estalar do arroz ou o chiado da panela de pressão, também não escuto mais”, conta.

Maria José mora em Areal e lá na sua cidade, descobriu o Centro Auditivo da Santa Casa de Barra Mansa. “Eu achava que iria me recuperar, mas quando a médica me disse que seria definitiva, eu desabei. Chorei bastante, mas depois fui à luta. Foi então que descobri o Centro Auditivo e fui muito bem recebida. Hoje, após sete anos de tratamento, só preciso ir até o Centro uma vez por ano, mas qualquer documentação que preciso sou prontamente atendida. Eles são muito dedicados”, afirmou.

Por conta de uma ortoesclerose, desenvolvida durante a gravidez, a secretária de Assistência Social e Direitos Humanos de Barra Mansa, Ruth Coutinho, sabe muito bem a importância que tem o aparelho de surdez. “Eu descobri o problema porque comecei a perceber que eu aumentava cada vez mais o volume da televisão, achei estranho, fui ao médico e descobri a doença. Com o aparelho, eu tenho um ganho. Eu consigo ouvir. E toda a atenção que eu tenho no Centro Auditivo é de extrema importância para o tratamento desta doença. Agora vou renovar meu aparelho e é um verdadeiro presente de Natal”, comentou Ruthinha, que também é paciente do Centro.

Desde 2006, o Centro de Saúde Auditiva da Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa já entregou aproximadamente 15,5 mil aparelhos e atendeu 22.865 pessoas. “Um trabalho sério que temos orgulho em produzir. Muito mais que fornecer aparelhos auditivos, estamos cuidando da saúde completa do paciente, pois é uma mudança na vida da pessoa”, complementa o diretor administrativo da Santa Casa, Altair Carvalho.

O Centro de Saúde Auditiva possui uma equipe com 13 profissionais: seis fonoaudiólogos; três otorrinolaringologistas; uma psicóloga; um assistente social; um neurologista; e uma pediatra.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document