Cerimônia de reconhecimento da cachaça de Paraty como tesouro do Brasil será nesta sexta-feira (26)

Cachaça de Paraty é pioneira nacional

by Agatha Amorim

Cachaça de Paraty apresenta marcas gustativas próprias e exclusivas, podendo proporcionar sensações agradáveis de calor devido ao teor alcoólico. (Foto: @euamoparaty)

Paraty – A cachaça de Paraty agora é considerada um tesouro do Brasil, oficialmente reconhecido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) com o registro de Denominação de Origem (DO), que considera tanto os relevos geográficos da cidade quanto os aspectos socioculturais. A Cerimônia de Reconhecimento da Primeira Denominação de Origem de Cachaça do Brasil será nesta sexta-feira (26), às 15h, no auditório Casa Caixa (Casa da Cultura de Paraty), localizado na Rua Dona Geralda, 194 – Centro Histórico, em Paraty.

O anúncio que certificou o destilado local como sendo o primeiro com a Denominação de Origem no país foi revelado através da publicação feita pelo INPI, na Revista da Propriedade Industrial (RPI), dia 30 de janeiro de 2024. De acordo com o instituto, a cachaça de Paraty apresenta marcas gustativas próprias e exclusivas, podendo proporcionar sensações agradáveis de calor devido ao teor alcoólico, como também pelo leve gosto adocicado. Antes do novo selo, a bebida alçada a status de ciclo econômico no século 18 já havia sido incluída, em 2007, no registro de Indicação Geográfica (IG) com a Indicação de Procedência (IP) por ser produzida nessa região específica. Na prática, esses selos conferem a determinados produtos, neste caso o licor fino paratiense, etiquetas de qualidade e singularidade.

No retrovisor do tempo, as primeiras produções da bebida na região de Paraty datam próximo ao povoamento da cidade, ali por volta de 1600. Anos à frente, o município chegou a abrigar cerca de 100 engenhos de aguardente e se tornou o maior centro produtor da capitania. Para ter um parâmetro, o Rio de Janeiro, no final do século 18, produziu cachaça em 253 engenhos, sendo 155 somente em solo paratiense. “Em vez de tomar chá com torradas, ele bebeu Parati”, dizia a canção ‘Camisa Listrada’ de Assis Valente, onde o compositor baiano reforçou o quanto a cidade e a cachaça foram – e ainda são – instituições sinônimas.

Dadas as características geográficas e humanas, o INPI concedeu a alteração no registro de Indicação de Procedência passando para Denominação de Origem a pedido da Associação dos Produtores e Amigos da Cachaça Artesanal de Paraty (Apacap), criada há 25 anos e composta por seis alambiques associados. Para certificar o título, o SEBRAE realizou uma cerimônia de reconhecimento no centro do Rio de Janeiro.

You may also like

Leave a Comment

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996