sábado, 10 de abril de 2021 - 11:16 h

TEMPO REAL

 

Capa / Tempo Real / Comércio leva geração de empregos a crescer 60% entre janeiro e fevereiro em Volta Redonda

Comércio leva geração de empregos a crescer 60% entre janeiro e fevereiro em Volta Redonda

Matéria publicada em 31 de março de 2021, 15:07 horas

 


Município teve saldo positivo de empregos nos dois primeiros meses de 2021 e volta a ter mais de 70 mil postos formais de trabalho

Volta Redonda – Dados divulgados pela Secretaria de Trabalho, órgão do Ministério da Economia do Governo Federal, apontam que Volta Redonda teve saldo positivo na geração de empregos nos dois primeiros meses de 2021. A maior cidade da região gerou 307 novos empregos em janeiro e 491 em fevereiro. O salto de quase 60% se deu principalmente pela recuperação do comércio entre o primeiro e o segundo mês do ano. Com a recuperação, a cidade volta a ter mais de 70 mil empregos com carteira assinada.

Na amostragem por setor econômico, a Indústria teve em janeiro um saldo de 210 postos de trabalho. Foram 563 admissões e 344 demissões. O setor de Serviços também teve destaque com 910 admissões e 722 demissões, tendo saldo de 188 empregos gerados. O Comércio fechou o mês de janeiro com número negativo de 171 empregos fechados.

Fevereiro marca recuperação e mostra importância do Comércio 

O mês de fevereiro marcou a retomada do Comércio. O setor foi o que mais gerou empregos no segundo mês do ano, com novas 190 vagas abertas. A Indústria seguiu em alta com 150 novos empregos, assim como o setor de Serviços com 151 vagas.

O crescimento de quase 60% entre um mês e outro mostra a importância do Comércio para a geração de empregos na cidade.

“Estamos trabalhando em parceria com a cidade em todos os sentidos. Sabemos da importância do Comércio para Volta Redonda, mas sobretudo sabemos da importância de Volta Redonda para o Comércio. A CDL não tem medido esforços para conscientizar sobre as medidas preventivas, com campanhas de orientação, porque precisamos unir forças para trabalhamos por um comércio consciente e seguro”, disse Gilson Castro, presidente da CDL.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

7 comentários

  1. Avatar

    A economia tinha que separar do estado igual a religião, só assim o homem será livre dos parasitas públicos (políticos).

  2. Avatar

    A materia deve está se referindo as barraquinhas de churrasquinho,geladao ou ambulantes pois só vejo placas de lojas alugando ou passando ponto.

  3. Avatar

    Será que fechando tudo terá serviço?

  4. Avatar

    Comercio é o q interessa, o resto nao tem pressa…

    Triste…

  5. Avatar

    Tipo de noticia que não acredito, fico pensando onde estão esses empregos.

  6. Avatar

    Quem vai pagar a minha conta se fechar? Quem vai pagar minha compra?
    tenho dois filhos para cuidar e dependo de trabalhar.

  7. Avatar

    Por isso estão falando em fechar novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document