Comitê Guandu vai investir R$ 100 milhões em projetos

Ações serão desenvolvidas em áreas de produção de água e floresta

by adrielly ribeiro

Sul Fluminense – O Comitê Guandu-RJ comemora, neste mês de abril, 22 anos de fundação. O Colegiado, que reúne representantes do poder público, da sociedade civil e usuários de água, é o mais antigo do estado e anunciou que vai implementar projetos ao longo de 2024 na Região Hidrográfica II, que abastece cerca de 9 milhões de pessoas e tem grande importância socioeconômica.

Nesta quarta-feira (3), o Colegiado irá lançar dois novos editais de saneamento: um para esgotamento sanitário e outro para encerramento de lixões. Além dos editais, serão anunciados investimentos de cerca de R$ 100 milhões em 57 diferentes ações ao longo deste ano, nas agendas de Gestão Integrada de Recursos Hídricos, Recursos Hídricos Superficiais e Subterrâneos, Educação e Pesquisa, Infraestrutura Verde, Saneamento, Indústria e Mineração e Agropecuária.

A programação de aniversário, no Rio, contará com um seminário de saneamento que apresentará dados do Sanear Guandu – maior projeto de execução de obras de esgotamento sanitário em áreas não urbanas do país, que já beneficia onze municípios da bacia. Serão iniciadas também as obras do Sanear no município de Miguel Pereira, que vão atender a mais de mil domicílios.

Ainda neste primeiro semestre, segundo o Comitê, terão início as implementações em Engenheiro Paulo de Frontin, com a expectativa de mais 1600 famílias atendidas. O projeto irá elevar para mais de 50% o índice de famílias com esgotamento sanitário no município, considerado estratégico pela cobertura florestal e seus mananciais.

Revista

Além do Sanear II com as vertentes de esgotamento sanitário e encerramento de vazadouros, os 22 anos do Comitê serão marcados pelo lançamento da Revista Guandu 2024 e a ampliação de outros programas, como o Produtores de Água e Floresta – o mais longínquo em execução pelo Colegiado –; e o início de novas ações, como a implementação do Observatório de Bacia; além da montagem do Programa de Turismo Agroecológico da RH II, cuja contratação de instituição para a construção da proposta também já tem recurso empenhado na Programação Anual de Atividades e Desembolso (PAAD) do Colegiado de 2024.

Outras previsões são os Planos Municipais de Saneamento Básico e o de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da RH II, este último em consonância com o Plano nacional de Resíduos Sólidos, que prevê a extinção de todos os lixões até 2024.

Ainda dentro do planejamento estão o projeto Observatório da Bacia, que será a rede de monitoramento de qualidade e quantidade mais completa do Brasil, e vários estudos para o desenvolvimento econômico sustentável da RH II.

Infraestrutura verde e educação ambiental

Segundo o Comitê Guandu, todas as iniciativas do Colegiado dialogam entre si e entregam, neste primeiro semestre, o Plano Diretor Florestal e do Programa de Educação Ambiental da RH II (PEA Guandu) dos 15 municípios da RH II. O Plano Diretor reunirá informações dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica (PMMA), elaborados pelo Comitê Guandu-RJ de forma inédita e entregues, em 2023, para 12 prefeituras, pois outras três tinham os seus documentos elaborados.

Já o PEA Guandu, outro investimento do Comitê, será fruto dos Programas Municipais de Educação Ambiental (ProMEAs), que já estão na etapa de finalização com consultas e audiências públicas em 13 municípios, envolvendo as prefeituras.
As ações acontecem também em consonância com o Programa Produtores de Água e Floresta (PAF) que existe há 16 anos e já soma mais de 5.000 hectares de áreas florestais restauradas e conservadas nos municípios de Rio Claro, Mendes, Vassouras e Engenheiro Paulo de Frontin. Agora, o projeto (Re) Floresta, Água Carbono, em parceria com a AGEVAP e o Programa Petrobras Socioambiental, tem feito, entre outras coisas, um levantamento importante sobre o estoque de carbono.

Reconhecido internacionalmente, o PAF é desenvolvido dentro da Agenda de Infraestrutura Verde do Comitê Guandu, e deve receber em 2024 mais de R$ 6,3 milhões, com uma parte deles direcionada justamente ao projeto (Re) Floresta.
Outra fatia do recurso disponibilizado pelo programa para este ano será para a implantação de projetos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), que terá nova seleção pública voltada a proprietários de áreas rurais que preservarem ou recuperarem suas florestas. Eles recebem recursos em dinheiro pagos pelo Comitê Guandu.

You may also like

Leave a Comment

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996