segunda-feira, 23 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Compra de produtos piratas causa prejuízo de R$ 665 milhões no estado

Compra de produtos piratas causa prejuízo de R$ 665 milhões no estado

Matéria publicada em 11 de fevereiro de 2019, 08:48 horas

 


Pesquisa mostrou que 2,43 milhões consumidores compraram algum produto irregular nos últimos 12 meses

Rio de Janeiro – Uma pesquisa da Fecomércio-RJ revelou que 2,43 milhões de consumidores compraram algum produto pirata nos últimos 12 meses no estado do Rio de Janeiro causando um prejuízo de R$ 665 milhões. A Federação alertou para os danos econômicos ao país, pois esses produtos não são taxados em sua importação, impedindo o recolhimento de impostos destinados a serviços públicos. Dados do Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP) apontam que o Brasil perde R$ 130 bilhões por ano com pirataria, contrabando e comércio ilegal de produtos e conteúdo.

A Fecomércio trabalha pela flexibilização das regras a que estão sujeitos os comerciantes. As exigências burocráticas acarretam o encarecimento dos produtos, criando um parâmetro irreal de preços e uma concorrência desleal com o comércio de rua. A entidade defende ainda que os mecanismos de fiscalização na fronteiras sejam aperfeiçoados e tragam uma ação mais efetiva de policiamento.

CDL-VR orienta comerciantes

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-VR) orientou os comerciantes a venderem produtos de qualidade e nunca recebeu reclamações sobre falsificações. Segundo o presidente, Gilson de Castro, essa prática ilegal é muito comum fora das lojas, onde não há recolhimento de impostos.

– Infelizmente, muitas pessoas que não são formalizados podem acabar vendendo produtos falsificados, mas o comércio sério e comprometido com a sua loja e com seus clientes preza pela qualidade. Pagamos muitos impostos e também temos uma imagem para cuidar baseada na preocupação com os clientes – disse ainda que a instituição é favorável ao reforço na fiscalização, o que também garante uma concorrência leal e saudável, fomentando uma cobrança tributária justa e correta.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document