domingo, 20 de setembro de 2020 - 04:22 h

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Concessionária que administra o Maracanã demite 75% de seus funcionários

Concessionária que administra o Maracanã demite 75% de seus funcionários

Matéria publicada em 5 de janeiro de 2016, 12:47 horas

 


Rio de Janeiro – O Consórcio Maracanã, que administra o complexo esportivo do Maracanã, demitiu hoje (4) 75% de seus funcionários. De acordo com a concessionária, o objetivo das demissões é se adaptar à cessão da arena para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos deste ano. No complexo, serão realizadas as cerimônias de abertura e encerramento, além de jogos de futebol e vôlei. As informações são da Agência Brasil.

Segundo o Consórcio Maracanã, cujo principal sócio é a Odebrecht, as instalações serão cedidas ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 por até nove meses. A concessionária afirma, em nota divulgada à imprensa, que seus serviços de manutenção e a visita de turistas ao estádio estão mantidas, através de funcionários terceirizados.

De acordo com a nota, o Consórcio “vem realizando esforços contínuos para reduzir os custos fixos, minimizar os prejuízos operacionais e se adequar aos impactos da alteração unilateral do contrato de concessão e aos períodos de interrupção da operação, como na Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016)”.

A concessionária diz ainda que segue negociando com o Governo do Estado do Rio para reequilibrar o contrato de concessão, com o objetivo de assinar, posteriormente, um aditivo que redefina o escopo e o cronograma de novas obras.

Em maio de 2013, o Consórcio Maracanã venceu a licitação para administrar o complexo por 35 anos. A empresa ofereceu R$ 181,5 milhões pela gestão do complexo, a serem pagos em 33 parcelas. O valor foi R$ 26,4 milhões a mais que o oferecido pelo concorrente.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Fique você sabendo que no acordo original o consórcio demoliria o estádio Celio de Barros e faria um Shopin e estacionamento o que o estado voltou atrás depois proibindo as demolições devido a pressão da população.

  2. Avatar

    se o consorcio venceu a licitação porque agora ela quer redução então o ministerio publico tem que entrar com ação para cancelar ou fazer valer o que esta no contrato pois ela bancou a mais agora quer redução isso se chama fraude de licitação .

Untitled Document