quarta-feira, 8 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Confrontos voltam às ruas no Chile

Confrontos voltam às ruas no Chile

Matéria publicada em 15 de dezembro de 2019, 16:56 horas

 


Nos protestos 24 pessoas morreram e mais de 3,4 mil ficaram feridas
(Foto: REUTERS/Pablo Sanhueza)

Chile – A população chilena voltou às ruas no dia em que foi conhecido o relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre violência e violações aos direitos humanos por parte da polícia chilena. O relatório foi divulgado na última sexta-feira(13).

– As violações de direitos humanos documentadas incluem o uso excessivo e desnecessário da força que provocou mortes e ferimentos, detenções arbitrárias, tortura e maus tratos, incluindo violência sexual. Temos 345 pessoas com ferimentos nos olhos devidos a balas – disse a líder da Missão da ONU no Chile, Imma Guerra, em entrevista coletiva.

O chefe da polícia dos carabineiros, Mário Rosas, também admitiu abusos excessivos cometidos pelos agentes. Ele admitiu existir mais de 800 investigações em curso. Algumas delas envolvendo policiais. Rosas garantiu que serão aplicadas sanções disciplinares e até expulsões.

As manifestações no Chile surgiram inicialmente em protesto contra um aumento do preço dos bilhetes de metrô em Santiago, decisão que seria suspensa e posteriormente anulada pelo Governo liderado pelo Presidente chileno. Apesar do recuo das autoridades, as manifestações e os confrontos prosseguiram devido à degradação das condições sociais, à crise econômica intensa e às desigualdades no país.

Desde o início dos protestos 24 pessoas morreram e mais de 3,4 mil ficaram feridas. Além disso, mais de 28 mil pessoas foram detidas, a maioria libertada logo depois.

* As informações são da Agência Brasil, com dados da RTP (emissora pública de televisão de Portugal)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    As manifestações no Chile decorrem do resultado miserável em que se encontram os aposentados, vítimas de uma reforma absurda e que o Guedes tenta impor aqui no Brasil.

Untitled Document