quarta-feira, 21 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Conheça atrações turísticas que viraram símbolos dos destinos

Conheça atrações turísticas que viraram símbolos dos destinos

Matéria publicada em 13 de março de 2019, 07:11 horas

 


“O Maior Cajueiro do Mundo” atrai turistas no Rio Grande do Norte. – Foto: Prefeitura de Parnamirim (RN)

O Brasil, extenso em dimensão territorial, também é um gigante quando o assunto é a autenticidade e diversidade dos seus atrativos. São atributos que incentivam os turistas a “desbravarem” o país em busca das peculiaridades que só o território nacional tem. A Agência de Notícias do Turismo selecionou alguns pontos turísticos curiosos, daqueles que valem a viagem, e lança o desafio: qual deles você vai visitar em 2019?
É caju pra mais de metro!
A imensidão do verde em um dos pontos turísticos de Parnamirim (RN) traz a impressão de que o turista está visitando uma verdadeira floresta em meio à cidade. Mas não se engane! O local é abrigo de uma única árvore: “O Maior Cajueiro do Mundo”. A gigantesca planta, que ocupa 8.500 metros de extensão, cresceu mesmo além do normal.
Cientistas explicam que o “super cajueiro” contém anomalias genéticas que fizeram com que seus galhos crescessem para baixo, atingissem o solo e se ramificassem. O tamanho da planta também é compatível com a beleza que o ponto turístico oferece ao visitante. A estrutura é composta por trilha, acesso à internet, espaço que narra a história da árvore e um incrível mirante.
O turista ainda tem acesso a artesanato e delícias feitas com caju, que, aliás é produzido em larga escala pelo Maior Cajueiro do Mundo: são cerca de 80 mil cajus por safra, o que dá mais de 2 toneladas e meia da fruta. Para se ter uma ideia, se comparar com o tamanho e a produção de um cajueiro convencional, equivaleria a 70 árvores destas ocupando um mesmo espaço.

Piscininha [de Brasil], Amor!
Uma piscina natural na ilha de Areia Vermelha, em Cabedelo (PB), está entre as curiosidades do destino por ter o contorno do mapa do Brasil. Os “buracos” desenhados pelos arrecifes no mar, carinhosamente chamados de piscinas naturais, são, por si só, um convite para não querer mais ir embora dali – as águas são mornas, em tons de verde e os peixinhos não têm nenhum receio de se aproximar dos visitantes. Para chegar a esse mapa, o turista precisa ir de catamarã, barco ou lancha até a ilha, um deslocamento de 20 a 30 minutos a depender do tipo da embarcação. Chegando lá, encontrará uma estrutura com bar e restaurante para se divertir durante a maré baixa.

Sanduíche com nome de cidade
Se é gastronomia com fartura que você quer, então faça as malas e vá para Bauru (SP) experimentar o “sandubão” que enche as mesas da cidade e aguça, ainda mais, a vontade de viajar pelo Brasil. O lanche, que leva o nome da cidade, foi popularizado graças à fome de um bauruense que estudava na capital do estado.

Casemiro Pinto Neto, conhecido como “o Bauru”, era estudante de Direito e foi matar a fome em uma lanchonete. Durante a preparação do alimento, sugeriu uma combinação dos ingredientes por ele formulada – mistura de pão francês (também conhecido como “de sal” ou “cacetinho”), queijo, carne e tomate. Na mesma noite, outros frequentadores pediram o novo sanduíche, dizendo que queriam “igual ao do Bauru”. E assim nascia um dos mais famosos lanches do Brasil, hoje conhecido nacional e internacionalmente.
A cidade virou especialista no lanche e atualmente oferta, por meio do Conselho Municipal de Turismo de Bauru (COMTUR) e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Renda, a outorga do selo de Certificação do Sanduíche Bauru para os estabelecimentos que produzem e comercializam o Sanduíche Bauru Tradicional.

Eldorado existe e é no Brasil
A época da colonização na América trouxe o sonho do desbravamento em busca de ouro, criando a lenda de Eldorado, uma cidade perdida em meio às matas e construída com ouro. Até hoje não encontraram a tal “cidade dourada”, mas o legado deixado pela história criou vários municípios reais intitulados “Eldorado”. Um deles está em São Paulo, na Estância Turística de Eldorado, localizado no Vale da Ribeira.
Talvez o viajante não encontre ouro para levar para casa, mas a certeza de que trará na bagagem uma rica experiência turística vai fazer com que a cidade fique na memória. Com mais 70% de área coberta por Mata Atlântica intacta, o município traz riquezas naturais em seu território, como a Caverna do Diabo (ou Gruta da Tapagem), uma das mais bonitas do mundo. São oito quilômetros de extensão mapeados, sendo 600 metros com estrutura turística que proporciona ao viajante desbravar a imensidão e beleza da natureza geológica.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document