terça-feira, 22 de junho de 2021 - 11:17 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Cooperativa de recicláveis e prefeitura firmam contrato para retomada de coleta

Cooperativa de recicláveis e prefeitura firmam contrato para retomada de coleta

Matéria publicada em 10 de junho de 2021, 15:47 horas

 


Diretor de uma das cooperativas diz que situação poderia melhorar se o município pagasse dívida deixada pelo governo anterior

Volta Redonda – Representantes das cooperativas Reciclar VR, Folha Verde e Cidade do Aço assinaram um contrato com a prefeitura para a retomada da coleta seletiva na cidade. O contrato é de 12 meses e prevê a prestação de serviços de recolhimento, transporte e destinação de resíduos. O compromisso poderá ser prorrogado.

Os secretários de Meio Ambiente e Ação Comunitária, Miguel Arcanjo da Rosa e Munir Francisco, respectivamente, estiveram representando o município no evento. Os contratos foram assinados pelas presidentes das entidades: Maria de Fátima Valentim dos Santos (Folha Verde), Sandra Gonçalves ( Reciclar), Terezinha de Jesus Souza( Cidade do Aço).

Para a diretora fiscal da cooperativa ‘Reciclar VR’, localizada no bairro Sessenta, Simone Gomes Salvador, a assinatura de um contrato com o governo municipal trará muitas vantagens para as cooperativas,  pois vão se tornar auto suficiente. De acordo o representante da cooperativa Folha Verde, localizada no bairro Voldac, Euvaldo Luiz Santana, as três cooperativas assinaram o contrato, em outubro de 2017, que terminou em dezembro de 2020, e nesta quinta-feira foi renovado.

Na opinião de Euvaldo, a parceria é positiva, porém a situação das cooperativas pode melhorar ainda mais se a prefeitura pagar a dívida deixada pelo governo anterior.

– Com a parceria com o governo municipal poderemos comprar mais equipamentos e máquinas e iremos gerar de 12 a 15 vagas de trabalho e rendas para vários pais de família – ressaltou.
Euvaldo explicou que para cada 100 toneladas de materiais recicláveis que vai para indústria gera trabalho, renda e emprego para 80 famílias.

– Durante a pandemia vivenciamos períodos difíceis por não ter recebido pelo serviço prestado pela prefeitura em 2020 e também devido ao encerramento do serviço de coleta seletiva em razão as medidas restritivas contra o coronavírus. A Folha Verde estava de quarentena desde o dia 24 de março de 2020, e só retornou com as atividades no dia 7 de junho. E como ficamos parados por muito tempo ainda não contabilizamos o recebimento das notas fiscais de serviço prestado em 2020 – afirmou Euvaldo.

Apoio

Simone ressalta que, conforme a lei 5.762, a prefeitura tem que apoiar as cooperativas e capacitá-las para a realização da prestação de serviços dando condições para o mesmo.

– Antes do contrato a situação dos cooperados era bem precária, dependendo apenas da venda do material reciclado que varia muito de preço, quase sempre desvalorizando. Muitas das vezes dependendo de doações e da boa vontade do Poder Público. A renda era incerta – disse.

De acordo com Simone, antes da pandemia os cooperados foram impedidos de trabalhar por um bom tempo, se mantendo por conta própria. E muitos tiveram de ficar em casa, pois a coleta teve de ser cessada.

– Ficamos sem recursos financeiros. Apenas com promessas de pagamentos obrigatórios que o Poder Público deveria ter feito e até agora não tivemos, conforme foi determinado pelo Ministério Público – lamentou.

Segundo a diretora fiscal, atualmente a Reciclar VR está com 17 cooperados e recolhe em torno de 50 toneladas por mês.

Divisão por setores

Volta Redonda foi dividida em setores, onde cada cooperativa será a responsável por fazer a coleta de resíduos de porta em porta, no mínimo uma vez por semana. Todas as três prestadoras de serviços irão desenvolver as suas tarefas em um galpão cedido pela prefeitura no bairro Voldac. Cada uma recebeu um adiantamento de R$ 15 mil que será posteriormente descontado em três parcelas de R$ 5 mil nas próximas receitas.

Todo o material coletado passará por uma pesagem, acompanhada por um fiscal da Secretaria do Meio Ambiente para a elaboração da nota fiscal de cobrança. O secretário Munir Francisco informou que o pagamento na conta corrente de cada entidade prestadora do serviço será feito no prazo máximo de 10 dias.

Por Julio Amaral


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Muito bom! Um serviço que realmente precisava ser retomado, tanto pela questão ambiental, quanto pela questão social das cooperativas e seus membros. Parabéns ao governo municipal por essa medida!

    E que nossas crianças tenham educação ambiental nas escolas também, para aprenderem que antes de reciclar devem reduzir o consumo, depois reutilizar o que possível e só por fim descartar de forma correta para a reciclagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document