Corrida de Orientação na Quinta da Boa Vista atrai estudantes da Ilha Grande

by Agatha Amorim

Foto: Sandra Barros/Seeduc-RJ

Angra dos Reis –  Mais de 100 km de estrada e uma travessia marítima separam o Colégio Estadual Brigadeiro Nóbrega, na Ilha Grande, em Angra dos Reis, da Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio. Apesar disso, a distância foi só um dos vários obstáculos que os alunos da unidade venceram nesta quarta-feira (29/05), durante uma modalidade esportiva diferente: a Corrida de Orientação, onde o objetivo é usar mapas e bússolas para localizar pontos de controle escondidos no terreno, no menor tempo possível.

Saindo bem cedo da Vila do Abraão, onde fica o colégio, os estudantes fizeram a travessia de barco até o cais, e de lá rumaram para o Rio em um ônibus. Ao chegarem no parque, ainda pela manhã, eles foram recebidos pela equipe do “Se Orienta Rio”, um grupo que promove a corrida em diversos pontos do estado e que ensinaram a eles sobre leitura de mapas, uso de bússola, elevações, curvas de níveis e símbolos cartográficos.

Separados em quatro times, os estudantes percorreram o parque em busca dos prismas que sinalizavam seu objetivo inicial. Em cada um deles os alunos-atletas precisavam registrar sua passagem pelo local para poder avançar na disputa. Com apoio da direção da unidade, a professora de Educação Física, Elizete Silva, coordenou a atividade na Quinta da Boa Vista.

— Além de desenvolver habilidades físicas e emocionais, o esporte está associado ao meio onde eles vivem, a Ilha Grande, que é repleta de relevos e florestas. Viemos aqui para que eles possam conhecer outros espaços semelhantes e desenvolverem essas habilidades. Também estudamos os mapas para levar para os professores de Geografia que vão explorar o tema e os alunos também farão uma redação para a disciplina de Língua Portuguesa, explicando o que foi a atividade — contou a docente.

Para a aluna Mariana Paula, da 3ª série do Ensino Médio, a experiência foi incrível.

— Eu nunca tinha feito nada assim antes e foi muito gratificante. O pessoal foi ficando mais motivado a cada ponto que encontravam. Aí depois, quando a gente olhou pra trás e viu tudo que fizemos, ficamos com o coração cheio e muito felizes. Agora eu penso em fazer mais vezes — disse a jovem.

Já a aluna da 1ª série, Lívia Mariano Lucas, disse que, apesar de não ser muito fã de corrida, gostou da atividade e recomenda.

— Meu grupo fez em 22 minutos. Foi uma loucura, eu tive que acompanhar os meninos na corrida e até alcançamos pessoas que largaram muito antes da gente. Teve uma hora que eu precisei dar a volta no barranco pra não escorregar por ele igual os colegas fizeram. A modalidade é bem divertida e eu recomendo — afirmou.

Uma das responsáveis pelo “Se Orienta Rio”, a também professora, Mére Quirino, que é tetracampeã brasileira da modalidade, explicou que a Corrida de Orientação é comparada a uma meia maratona e traz inúmeros benefícios físicos e mentais para os participantes, indo muito além da diversão e da aventura.

Segundo ela, a atividade perpassa pela localização e orientação espacial, ou seja, pela disciplina de Geografia, mas com o acréscimo da Educação Física. Por conta dos objetivos, os alunos precisam responder a perguntas como “onde estou? Para onde vou? Como vou?”, Desta forma, eles acabando desenvolvendo memória fotográfica, coragem, concentração, foco, tomada de decisão e planejamento de rotas, além do contato com a natureza.

— A orientação ajuda muito na concentração do aluno, uma vez que ele precisa ler o mapa, traçar rotas adequadas para transposição dos obstáculos, fazer cálculos e identificar o trajeto mais coerente para chegar ao objetivo, além de trabalhar o condicionamento físico, já que ele também precisa subir morros, correr e caminhar — disse.

O “Se Orienta Rio” vai para a 9ª edição na próxima semana e as corridas acontecem sempre em lugares diferentes como a Floresta da Tijuca e Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, Queimados, na Baixada Fluminense, Quatis e Barra do Piraí, no Sul Fluminense, entre outros espaços. Os encontros são gratuitos e abertos para todos. Os desafios acontecem quinzenalmente conforme cronograma divulgado em seu perfil no Instagram (@seorientario). Para participar basta fazer a inscrição prévia e comparecer no dia marcado.

Agora, os alunos voltam para a Ilha Grande com a sensação de dever cumprido e com a vontade de explorar novas perspectivas e lugares, tendo um olhar mais atento à natureza e aos desafios que podem vir a superar.

Foto: Sandra Barros/Seeduc-RJ

You may also like

Leave a Comment

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996