sexta-feira, 15 de outubro de 2021 - 21:04 h

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Covid-19: Vigilância em Saúde e Secretaria de Educação de VR monitoram dados da doença em crianças e adolescentes

Covid-19: Vigilância em Saúde e Secretaria de Educação de VR monitoram dados da doença em crianças e adolescentes

Matéria publicada em 13 de março de 2021, 08:39 horas

 


Acompanhamento diário das equipes foi intensificado, principalmente, após o retorno das aulas de forma híbrida nas redes pública e particular

Volta Redonda – A Vigilância em Saúde e a Secretaria Municipal de Educação estão trabalhando em conjunto monitorando as notificações da Covid-19 em crianças e adolescentes (menores de 19 anos) em Volta Redonda. O acompanhamento das equipes é diário e foi intensificado, principalmente, após o retorno das aulas de forma híbrida nas redes pública e particular de ensino. Através desse monitoramento são tomadas as decisões em relação ao direcionamento das aulas. A Vigilância em Saúde está em alerta também devido ao surgimento de novas variantes do novo coronavírus no Brasil.

Segundo a Vigilância, em Volta Redonda a média de notificações da Covid-19 e de casos de síndrome inflamatória multissistêmica em crianças e adolescentes se mantiveram em 7% do número total de casos no município. Os dados foram extraídos por semanas epidemiológicas, desde a 11º semana de 2020 até a oitava semana epidemiológica de 2021.

O coordenador da Vigilância em Saúde de Volta Redonda, o médico sanitarista Carlos Vasconcellos, disse que mesmo com o número sob controle do ponto de vista epidemiológico em menores de 19 anos, a prevenção deve ser maior contra o vírus e permanente em escolas e outros locais que atendem a crianças e adolescentes.

“Estamos acompanhando os dados e temos contato constante com as escolas que retomaram as aulas com o ensino híbrido para que intensifiquem a prevenção nos locais e com seus funcionários. Orientamos, de que havendo a suspeita clínica de Covid-19, é necessário realizar o exame RT-PCR (swab) na ocorrência dos primeiros sintomas e promovendo o isolamento até o diagnóstico do caso ou seu descarte”, frisou o médico.

Carlos Vasconcellos mencionou ainda que a Secretaria Municipal de Saúde estruturou um grupo de trabalho, composto por profissionais da Saúde Escolar, Educação Permanente, Vigilância Epidemiológica, Atenção Básica
e Vigilância Sanitária, e promoveu reunião online com responsáveis das unidades escolares de Volta Redonda, no último dia 1º.

“Na reunião, foi estabelecido que as escolas teriam um canal direto com a Secretaria de Saúde para troca de informações e monitoramento, e desde então, está sendo feito o acompanhamento desta maneira em Volta Redonda”, finalizou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. De acordo com o mapa, aparecem com risco moderado de contágio os seguintes municípios: Volta Redonda, Itatiaia, Porto Real, Quatis, Resende, Rio das Flores e Rio Claro. Já Angra dos Reis, Paraty e Mangaratiba constam como risco baixo de contágio no momento.

    As cidades de Seropédica, Mesquita, Nilópolis, Queimados e Itaguaí constam com risco “muito alto” de contágio. A cidade do Rio de Janeiro, capital do estado, aparece como risco “alto”.

    Barra Mansa, Pinheiral e Valença: risco alto de contágio da Covid-19

  2. Região sul fluminense foi para risco laranja.

    Se cuidem!

    Se cuidem!

    Usem mascaras!

    São Paulo 100% de utis particulares estão ocupadas.

    Prelo menos três hospitais privados da cidade de São Paulo têm ocupação de 100% para leitos exclusivos de tratamento da covid-19. A enfermaria do Hospital São Camilo opera com capacidade máxima neste sábado, 13. O Hospital Alemão Oswaldo Cruz tem 100% dos leitos de UTI ocupados, assim como o Hospital Israelita Albert-Einstein, de acordo com boletim divulgado na sexta-feira, 12. Na rede municipal, a taxa média de ocupação de leitos de tratamento intensivo para infectados pelo coronavírus é de 83%.

  3. 《《《Usem máscaras!!!!!!》》》

    Sequelas são a principal causa de morte por covid-19 após a alta hospitalar, segundo o infectologista Eduardo Alexandrino, professor de infectologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e presidente do Departamento Científico de Infectologia da Associação Paulista de Medicina. Isso acontece porque, de acordo com o especialista, apesar de acometer principalmente os pulmões, a covid-19 é uma doença sistêmica, capaz de atingir vários órgãos ao mesmo tempo.

    Dados preliminares divulgados pela Coalizão Covid-19 Brasil, um grupo formado por oito hospitais, entre eles a Beneficência Portuguesa e o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, além de institutos de pesquisa, mostram que cerca de 24% dos pacientes de covid-19 que precisaram receber ventilação mecânica morreram seis meses após a alta e 40% deles precisaram voltar a ser internados

  4. Segunda, que está começando a surgir, é a possibilidade de que as novas variantes, vindas do Reino Unido, da África do Sul e da Amazônia, possam ter um grau de infectabilidade de pessoas mais jovens maior, pela carga viral que elas produzem.

    Elas transmitem mais, e isso pode ter atingido mais as pessoas mais jovens.

    Esse fato é uma realidade em todo o Brasil, e também o fato de que UTIs pediátricas estão mostrando taxas de ocupação crescentes, de uma maneira muito mais rápida do que jamais vimos na pandemia.

    Estamos correndo o risco, também, de ter um colapso de UTIs pediátricas.

    Isso porque crianças estão começando a ter casos graves, pelo volume de pessoas infectadas no país.

Untitled Document