domingo, 22 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Da pele para o papel

Da pele para o papel

Matéria publicada em 20 de agosto de 2019, 09:00 horas

 


Tatuador Guilherme Cruz expõe seus trabalhos em lápis grafite e pastel seco, no estilo realista, na Galeria de Arte Cílio Bastos

Exposição foi idealizada pelo artista que queria mostrar ao público o seu trabalho além da tatuagem

A Galeria de Arte Cílio Bastos, em Volta Redonda, está recebendo, até o dia 28, a primeira exposição solo do tatuador Guilherme Cruz, que há um pouco tempo começou a se dedicar também ao estudo das artes como pintura acrílica, passando pelo óleo, caneta nanquim, lápis de cor, pastel oleoso e atualmente focar no lápis grafite e pastel seco no estilo realista.
– Eu trabalho com tatuagem, há uns sete anos mais ou menos me envolvi nas artes plásticas e há uns dois anos e meio  comecei a estudar pintura óleo. Mais recentemente comecei a me dedicar aos estudos de desenhos realistas com lápis grafite, e aprendo a cada dia assistindo a vídeos no Youtube – conta.
Mesmo sendo sua primeira exposição solo, Guilherme não é um estreante. Seus trabalhos já puderam ser conferidos em uma mostra coletiva.
– Fiz minha primeira exposição ao lado da professora Ana De Nigris, no Espaço das Artes Zélia Arbex, em Volta Redonda. Na ocasião estava acompanhado dos colegas das aulas de pintura em óleo sobre tela – lembra.
Nascido em Volta Redonda, o artista conta que divide seu tempo entre as tintas de tatuagem e o lápis.
– Minha vida é basicamente assim, quando não estou tatuando estou pintando ou desenhando – afirma.
Nesta exposição Guilherme mostra alguns trabalhos, desde os primeiros rostos que fez usando lápis grafite, passando por um processo evolutivo nas técnicas de lápis e alguns feitos apenas com giz pastel seco, ambos no estilo realista.
– Minha arte se baseia em trabalho/estudo com lápis grafite e também em outros trabalhos estudo giz pastel seco. E descrevo como um prazer, um complemento para minha profissão de tatuador – destaca.
Sobre as suas inspirações, o artista conta que vem do seu dia a dia, de outros artistas que admira.
– Uma música boa, às vezes uma fotografia bonita que acho aleatoriamente na internet, os trabalhos do Charles Laveso, obras de grandes pintores – como Gustave Courbet e Rembrandt-, essas são coisas que me inspiram no momento, mas pode ser que em outra ocasião eu queira algo diferente e procure por novas referências – explica.
Sobre esta exposição, Guilherme conta que a iniciativa partiu dele mesmo, que segundo ele queria mostrar seus trabalhos para a cidade.
– Quando fui à exposição da professora de pintura Ana De Nigris e fiquei curioso pra saber como expor na Galeria também, fui até a secretaria do Gacemss e disse que gostaria de expor. Me informaram que eu deveria me inscrever no edital, e assim que ele foi publicado mandei um currículo com fotos dos meus trabalho e fiquei torcendo pra ser selecionado – lembra.
O nome da mostra foi complicado de escolher e acabou nascendo através do trabalho de tatuador, usando um termo muito usado no trabalho. Já com relação a escolha das obras foi bem mais fácil.
– O nome da exposição foi a pior parte de todo o trabalho de desenvolvimento, não tinha nenhuma noção de como nomeá-la e de última hora coloquei ‘Black and Gray’, que é um termo usado para tatuagens preto e cinza. Com relação à seleção das obras, eu foquei especialmente nos meus trabalhos com lápis grafite, tem desde o meu primeiro desenho até o mais recente. Não são todos que eu fiz, pois tenho muitos ainda necessitam de uma finalização. Escolhi os que eu mais gosto e tem também os meus dois primeiros trabalhos usando giz pastel seco – ressalta.
A exposição tem rendido muitos elogios e uma resposta muito positiva ao artista. Quem ainda não teve a oportunidade de conferir os trabalhos, tem ainda um pouco mais de uma semana para a visita.
– Além dos meus amigos e pessoas que eu convidei para ir até a Galeria, outros artistas plásticos, que já estão no ramo a mais tempo que eu, me deram um feedback bem positivo, todos elogiando muito. Mas o melhor pra mim está sendo a experiência em expor os meus trabalhos, o Gacemss me deu um suporte incrível, principalmente com a estreia que teve um coquetel, e também fizeram um vídeo incrível para divulgar o meu trabalho. Isso tudo já valeu pra mim – finaliza.

Serviço:
A exposição ‘Black and Gray’, do artista Guilherme Cruz, pode ser conferida até o dia 28, de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h, na Galeria de Arte Cílio Bastos – Espaço Cultural Gacemss. A entrada é gratuita. Rua 14 nº 22 – Vila Santa Cecília – Volta Redonda


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document