Dados da MRS mostram alta no número de acidentes na região - Diário do Vale
quinta-feira, 16 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Dados da MRS mostram alta no número de acidentes na região

Dados da MRS mostram alta no número de acidentes na região

Matéria publicada em 22 de julho de 2018, 09:25 horas

 


Apesar de uma redução no cenário nacional, cidades da região tiveram salto em casos na ferrovia

Rela̤̣o: MRS divulga balan̤o com n̼mero de acidentes e aponta principais causas РFoto: Arquivo

Sul Fluminense – Durante o 1º semestre de 2018 foram registrados 54 atropelamentos ou abalroamentos na linha férrea sob concessão da MRS, número que representa uma queda de 3,5% se comparado ao mesmo período do ano anterior (56 ocorrências). Levando em conta apenas o trecho que corta a região, no entanto, houve um salto significativo: foram dois acidentes em 2017 contra sete registrados neste ano.
Com dados de cinco cidades, apenas Barra Mansa se manteve estável, com um acidente no ano passado e um também em 2018. Nas demais houve crescimento em todas. Resende, Volta Redonda e Pinheiral passaram o primeiro semestre de 2017 sem qualquer acidente nos trilhos. No entanto, todas as três já tiveram um acidente em 2018. Barra do Piraí foi o destaque negativo: houve um acidente no primeiro semestre ano passado e três no mesmo período de 2018.
A cidade com mais acidentes no trecho sob concessão da MRS continua a ser Juiz de Fora. Apesar de uma queda entre 2017-18, o número ainda é alto: 11 contra oito. A imprudência continua sendo a principal causa e o maior obstáculo para a formação de uma cultura de segurança perante à linha férrea.
“Através de uma análise das causas dos acidentes, foi possível confirmar a tese, solidificada ao longo dos últimos anos, de que não há uma concentração geográfica das ocorrências, tendo em vista que os atropelamentos ou abalroamentos são provocados pelo comportamento imprudente nas proximidades da ferrovia, um componente imprevisível”, diz texto da MRS sobre os acidentes.
A empresa cita que municípios sem histórico recente de acidentes ferroviários retornaram ao mapa, como Ewbank da Câmara, Pindamonhangaba e Lavrinhas. Neste último, não havia registro de acidentes ferroviários, de qualquer tipo, desde 2010 e, apenas no 1º semestre deste ano, foram registradas duas ocorrências na cidade.
– Além dessa constatação, os números apresentam pontos positivos como a redução no registro de abalroamentos, que são os choques entre o trem e os demais veículos. Ao todo, foram seis casos a menos, se compararmos ao 1º semestre de 2017. Registramos uma pequena redução no número total de acidentes, o que é bom. No entanto, poderíamos melhorar muito mais. Afinal de contas, precisamos de uma simples mudança de atitude por parte das pessoas – ressalta Filipe Berzoini, especialista em Segurança de Riscos Operacionais da MRS.

Álcool, Drogas e celular

Um dado alarmante da análise está diretamente relacionado aos atropelamentos causados pelo uso de álcool ou drogas nas proximidades da linha férrea. Os casos do tipo praticamente dobraram neste período, passando de sete no 1º semestre de 2017 para 13 em 2018.
Dois atropelamentos foram causados por jovens que utilizavam o celular no momento do acidente e, por isso, não observaram a aproximação do trem. “Trinta dos 36 atropelamentos no 1º semestre foram registrados em locais proibidos ao trânsito de pedestres, ou seja, fora das passagens em nível oficiais. Isto representa 83% dos casos desse tipo e mostra, de forma decisiva, a importância de se atravessar a ferrovia apenas em locais permitidos”, finaliza Berzoini.

9 comentários

  1. Via férrea sinônimo de redução nos custos de transportes, afetando a renda das famílias. Uma pena ser tão mal admistrada em nosso país. Fato q os aglomerados urbanos se formaram a volta das linhas. Crescimento sem controle.

  2. O mesmo digo da VLI antiga FCA.

  3. Para uma locomotiva que não sai da linha ferrea o indice é alto pois ainda à acidentes.vejo que as margens da linha.a passagens de nivel facilitando o pedreste ao convivel com perigo e morte.pois na cidade pacata de Barra Mansa um povo inocente as margens da linha esperando as composição passar se descarrilhar ai que as autoridades e esta tal MRS. vão tomar providência.

  4. MRS só está a fim do lucro e não tem Justiça que dê jeito.

  5. Não respeitam as sinalizações, isso que dá.

  6. Orgulho de morar em VR

    Em Volta Redonda se acontece acidente a culpa é exclusiva do acidentado pq é uma cidade bem estruturada, não há passagem de nível em toda extensão da cidade então se ocorre acidente se alguém pular o muro que separa a linha férrea das vias de trânsito rodoviário

  7. Juiz de Fora é como Barra Mansa, só que com o triplo do tamanho. Natural que haja muitos acidentes ferroviários…

  8. O Ministerio Publico tem de intervir urgente. ESSA empresa MRS , desse porte, causando tanto transtorno acidentes com obitos,ruido,poluicao de todo tipo.Veja o caso de Barra do Pirai,a ferrovia corta a cidade em duas partes ,tracado do leito desde epoca da inauguracao ja deveria estar debaixo da terra ha muito tempo.Quantas mortes ainda serao necessaria para solucao do problema.Os corruptos politicos so pensam em si proprio.

    • Vc tem idéia de quanto custa rebaixar o leito de uma ferrovia? Nem em países desenvolvidos se faz isso, vc acha que vão fazer em cidades inexpressivas como Barra do Piraí e Barra Mansa?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document