>
domingo, 22 de maio de 2022 - 21:03 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Defensoria quer responsabilização do Estado por prisão indevida em Paraíba do Sul

Defensoria quer responsabilização do Estado por prisão indevida em Paraíba do Sul

Matéria publicada em 25 de abril de 2018, 15:46 horas

 


 

Rio – A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) protocolou uma ação de responsabilidade civil na Justiça para que o Estado seja condenado a indenizar um pizzaiolo em R$ 100 mil por danos morais – e em R$ 9.036 por danos materiais – porque ele foi preso indevidamente por 10 meses após decisão da 1ª Vara da Comarca de Paraíba do Sul, cidade do Sul Fluminense a 141 km do Município do Rio. Detido com várias pessoas em operação policial contra o tráfico de drogas, ele teve a prisão temporária decretada (e depois convertida em preventiva) apenas com base nas suspeitas iniciais e sem os requisitos exigidos por lei para a aplicação da medida, tendo sido absolvido após julgamento em 1ª instância e solto em seguida.

A ação de responsabilidade civil protocolada na 7ª Vara da Fazenda Pública do Rio teve como base para o pedido de pagamento de indenização por danos morais o valor de R$ 10 mil por mês de prisão indevida, o que equivale aos R$ 100 mil requeridos à Justiça. Já para os R$ 9.036 de indenização por danos materiais foi tomado por base de cálculo o salário mínimo vigente em 2015, pois em decorrência da prisão naquele ano o pizzaiolo deixou de ter a remuneração mensal do seu trabalho.

De acordo com a Defensoria, tanto os tratados internacionais de Direitos Humanos quanto a própria Constituição Federal asseguram o princípio da presunção de inocência ao processo penal, garantindo, com isso, que ninguém seja considerado culpado até o trânsito em julgado do caso. “Por isso, as prisões processuais devem seguir os critérios legais, e exigem concreta fundamentação”, assegura o defensor público João Paulo de Aguiar Sampaio Souza, que protocolou o pedido de responsabilização civil.

– Os tratados internacionais de direitos humanos são frequentemente ignorados no país. É função institucional da Defensoria insistir no seu reconhecimento, cumprindo com efetividade o seu papel de instrumento de concretização do Estado Democrático de Direito. A prisão no curso do processo pode ser uma medida necessária, e nisso não há qualquer problema, mas é utilizada à revelia dos critérios legais. Normalmente verificam-se parâmetros diferentes para a medida quando comparamos a apuração dos delitos associados à delinquência comum com os chamados crimes de colarinho branco – destaca Sampaio.

Prisão temporária foi convertida em preventiva

Com a realização da operação policial em 2015, a 1ª Vara da Comarca de Paraíba do Sul determinou a prisão temporária de todas as pessoas detidas na ação e entre elas estava o pizzaiolo. Mesmo com parecer do Ministério Público de que não era a hipótese de aplicação da prisão temporária em relação a ele, houve o cumprimento da medida apenas com base nas suspeitas apontadas em relatório policial e, além disso, a prisão depois ainda foi convertida em preventiva.

No curso do processo, a Defensoria Pública requereu a liberdade do acusado por duas vezes e os pedidos foram negados. Por consequência, foram impetrados dois Habeas Corpus para que fosse determinada a soltura dele, que também foram indeferidos mesmo contando com a concordância do Ministério Público da Comarca de Paraíba do Sul, que, inclusive, manifestou-se pela necessidade de absolvição do pizzaiolo em suas alegações finais. Após, o mesmo Juízo decidiu pela absolvição e pela soltura.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

6 comentários

  1. Como sou leigo no assunto alguém poderia me tirar uma dúvida: neste caso o dano material é correto ser aplicado? Pois apesar de não estar ttabalhando, a família não recebe auxilio financeiro quando o familiar está preso?
    Não estou julgando o caso, somente mesmo uma dúvida.

    • Somente existe auxilio reclusão quando o apenado esteja empregado formalmente e tendo o recolhimento previdenciário em dia. Assimseaplica o auxilio reclusão. Caso contrário o apenado nada recebe e nem sua familia.

  2. Qual será a cor desse pizzaiolo?? Infelizmente sabemos que a sistema penal aponta com mais firmeza para determinados sujeitos.

Untitled Document