segunda-feira, 14 de junho de 2021 - 17:52 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Desalojados voltam para a praça da Prefeitura de Volta Redonda

Desalojados voltam para a praça da Prefeitura de Volta Redonda

Matéria publicada em 11 de junho de 2021, 11:46 horas

 


Eles recusaram proposta do município e querem moradia própria

Volta Redonda – Desalojados que ocupam a Praça 17 de Julho, no Aterrado, em frente a prefeitura, reafirmaram nesta sexta-feira, 11, que vão permanecer no local até que o poder público oferte moradia própria para as famílias. Eles haviam saído da praça, mas voltaram. O grupo recusou a recente oferta do município de concessão de aluguel social (inicialmente por três meses), no valor oscilando entre R$ 500 podendo chegar a R$ 600 dependendo do caso, além de cesta básica e inserção de 42 pessoas ao mercado de trabalho. De acordo com o líder do movimento Josivan Nascimento Silva, de 37 anos, essas propostas seriam temporárias e não solucionariam o impasse dos desalojados. Eles afirmam não terem recursos para arcar com despesas de aluguel e o sustento das famílias.

– O que a maioria ganha aqui, mal dá para comer e quem dirá pagar pelo aluguel, por isso, queremos uma casa própria para morar. Somos trabalhadores, mas ganhamos pouco e muitos estão desempregados – explicou o líder do movimento, que vive de “bico” como pedreiro. Antes de ocupar a praça, Josivan disse que morava na Siderlândia e desde 2010 não consegue emprego fixo. “É a nossa realidade, mas somos trabalhadores e só queremos um lugar para morar”, completou, ressaltando que tem dois filhos que vivem na Bahia.

Ainda

Segundo a assessoria de Imprensa da PMVR, a proposta aos desalojados inclui ainda o encaminhamento das famílias para os programas assistenciais municipais, estaduais e federais, onde haveria um estudo diferenciado para as crianças, com participação da Educação e outros setores.

Em nota a assessoria da Diocese de Volta Redonda-Barra do Piraí informou que a assistência às famílias da ocupação ocorreu, inicialmente, com apoio às intermediações entre o poder público e desalojados, além de doação de alimentos às famílias do acampamento. “A Diocese de Barra do Piraí-Volta Redonda está, neste momento, avaliando a nova realidade já que a nossa missão, como intermediária junto ao governo municipal foi cumprida”, ressalta a nota.

Entenda

Há pouco mais de uma semana as famílias deixaram a Praça 17 de Julho, seguindo para um novo terreno de onde foram retirados por decisão judicial. Desde a última sexta-feira, dia 4, os desalojados decidiram retornar para a praça da prefeitura, onde permanecem em barracas improvisadas. Em janeiro, o mesmo grupo ocupou terreno no bairro Santa Rosa, divisa entre Volta Redonda e Barra Mansa, de onde também foram retirados devido a ação de reintegração de posse movida por uma empresa privada dona do imóvel.

Por Lilian Silva


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

19 comentários

  1. Opa, quero casa fácil também. O terreno q fiz minha casa é ruim e está aparecendo trincas.
    Fazer casas pro povo não adianta, criminosos tomam posse desses lugares.

  2. Esse pessoal é de Volta Redonda ??? Se for eles podem ser alojados, por eco na Igreja Nossa das Graças ou na Curia na Vila, provisoriamente !!!

    • Fique tranquilo porque o bispo e um padre já se prontificaram a serem os porta vozes deles. Assim como fiz com o Asilo dos Velhinhos e com a APAE apoiando politiqueiros, também vou parar de doar o quilo para a igreja católica que apoia invasores dos semelhantes que trabalham para conquistar com muito suor.

    • A minha doação agora será direto para os mais necessitados.

  3. O Diário do Vale está me fazendo sentir como Enéas Carneiro na campanha presidencial de 1989. Só tenho 15 segundos para postar… kkkkkkkkkkkkk

    • não está fácil comentar aqui, imagina ler as matérias. só para quem realmtne tem interesse no assunto. Mas a culpa foi minha mesmo de ter reclamado do pula pula de tela. Agora reduziram o intervalo do pula pula.

  4. Já passou da hora de baixar o cacete nesse bando de indolentes. Essa responsabilidade não é do prefeito!…

  5. Pergunta que não quer calar, onde estavam essas pessoas antes de invadir a terra alheia? Essa história aí tá muito mal contada, vamos averiguar os fatos Sr prefeito pq deve ter espertos nesse negócio aí.

  6. Agora tem culpa o prefeito? Só no brazil mesmo.

  7. Quem é que não quer uma casa própria. Trabalhar não quer, que difícil, vou para praça pedir moradia também.

  8. Já dei a idéia para construir no parque do contorno. Lá é enorme. Vai até a vila rica. Muito espaço para construir casas populares.

    • Brasileiro com orgulho.

      Constrói aí onde vc mora, só pq tem a terra lá vc acha que não tem dono. Os moradores da Vila Rica e região não concordam com esse tipo de coisa.

    • Não falei vila rica. Falei parque do contorno (que se estende até a vila rica). Aprenda a interpretar o que você antes de comentar seu asno!

    • Parque do contorno é grande mesmo.

  9. MIM DÊ PAPAI!!!!!!

    • Baixaria isso, não digo todos pois não conheço mas os que conheço tem casa própria e estavam com uma lona jogada lá para pagarem de latifundiários as custas dos outros. Tem carro, emprego e casa, só queria se apropriar para depois vender. Vergonha!

    • Quando postaram no face, apareceram gente dizendo que estvam indo para lá. Entrei no perfil de um desses. O sujeito tem família, carro e recentemente curtindo praia com a família e amigos. Fez postagem até tomando uma lata de cerveja. É direito dele sim, no entanto, ele também pode se sacrificar deixando de lado a vida de turista por enquanto para adquirir o seu quadrado.

  10. As pessoas invadem terenos dos outros, recusam aluguel social, não aceitaram emprego. Estão querendo o que? Moleza?por isso o Brasil não anda. Povo só quer moleza. Só for dar casa pra eles todos tudo mundo que não tem vai querer tbem.

    • Já dei a idéia! Eu acho que o governo deveria construir no parque do contorno. Fizeram uns prédios no meio do mato. Lá não falta espaço pra fazer casas para o povo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document