>
terça-feira, 28 de junho de 2022 - 10:32 h

TEMPO REAL

 

Capa / Tempo Real / Direção do Sindicato dos Metalúrgicos apresenta candidato à presidência

Direção do Sindicato dos Metalúrgicos apresenta candidato à presidência

Matéria publicada em 19 de maio de 2022, 16:24 horas

 


Grupo lamenta interferência de adversários que, segundo eles, usam negociações com empresas para fazerem campanha

Foto: Paulo Moreira
Jovelino lamenta que adversários estejam interferindo na negociação do acordo

Volta Redonda – A atual diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense apresentou, em entrevista exclusiva ao DIÁRIO DO VALE, seu candidato á sucessão do atual presidente Sílvio Campos, que não poderá se candidatar para um novo mandato, por causa das determinações do estatuto. O metalúrgico Jovelino José Juffo será o cabeça da chapa, já completa, que será registrada pelo grupo assim que começar o prazo de inscrições, previsto para o período de 24 a 30 de maio. As eleições serão nos dias 26 a 28 de julho.

Jovelino, que atualmente é diretor Jurídico do sindicato, abriu a entrevista afirmando que a interferência de grupos da oposição está prejudicando as negociações com a CSN e com outras empresas da base territorial:

— Eles estão apresentando sugestões completamente fora da realidade, com o objetivo de colocar a categoria contra seus representantes. Com isso, e com as ameaças de paralisação sem cumprirem os requisitos legais, só tumultuam o processo. Esquecem-se, convenientemente, de que o acordo anterior foi feito em pleno pico da pandemia, quando várias siderúrgicas fecharam altos-fornos e demitiram. Aqui em Volta Redonda, evitamos, com aquele acordo, que cerca de 1.600 pessoas que estavam afastadas do trabalho por serem do grupo de risco fossem dispensadas. Atualmente, esse grupo quer exigir uma espécie de compensação pela falta de reajuste salarial, mas esquece que esse acordo evitou que essas famílias perdessem sua fonte de renda. Esses grupos também apresentam o que seriam conquistas em outros locais, mas comparam bananas com laranjas. Criticaram recentemente o valor proposto como PLR   para uma montadora da região, comparando com outra do Paraná. Acontece que a empresa paranaense vende mais de quatro vezes a quantidade de veículos da montadora local, o que significa que seu lucro é bem maior. Se compararmos o valor pago por veículo vendido, veremos que aqui a distribuição de lucros e resultados é maior — dispara.

O candidato a presidente destacou, ainda, que o tumulto no processo de negociação é prejudicial não apenas para os metalúrgicos, mas para toda a cidade:

— O comércio depende da renda dos metalúrgicos para vender, e até a prefeitura precisa dos impostos pagos pelo comércio para prestar serviços à população. Assim, cada dia de atraso no fechamento desse acordo afeta a cidade inteira – afirma.

Jovelino afirmou ainda que, caso ganhe a eleição, vai dedicar atenção especial à recuperação financeira do sindicato.

— A reforma trabalhista reduziu consideravelmente a receita do sindicato. Assim, vamos procurar novas formas de oferecer vantagens aos sindicalizados, para que possamos atrair mais associados e ampliar a receita — declara.

 

Proposta

 

De acordo com Jovelino, a eleição que está sendo convocada no momento teria como resultado o ocupante de um mandato-tampão que iria até o dia 8 de setembro de 2022, sendo necessário novo pleito para escolher a direção para o período que vai até 8 de setembro de 2026. A intenção do sindicato é fazer um acordo judicial para que os eleitos assumam um mandato que duraria até 2026, evitando assim os custos com mais um processo eleitoral.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

12 comentários

  1. NEM CORREU A ELEIÇÃO E O CARA JÁ MOSTROU SEU PERFIL DE PELEGO,EM SUAS PALAVRAS QUAL TRABALHADOR VOTARIA NESSE CIDADÃO.CUIDADO COM PROPINA DEPOIS SERÃO ANOS DE SOFRIMENTO JÁ VI ESSE FILME ANTES.

  2. Pra mim o sindicato tinha que acabar , serve pra que? Pra nada, a não ser pegar dinheiro dos trabalhadores, não vão resolver . Isso é um engodo, só querem dinheiro fácil, quando não é do trabalhador é do governo.

  3. “O comércio depende da renda dos metalúrgicos pra vender”. Além de tudo, não é capaz de se quer conhecer a realidade da própria cidade, dado que Volta Redonda já não depende exclusivamente da CSN HÁ DÉCADAS. Tentando colocar os munícipes contra as demandas dos trabalhadores?! Uma piada! Volta Redonda está além da CSN há muito tempo, somos autônomos e não aceitaremos manipulação. Tampouco um representante acovardado, incapaz de pensar por si. Ja perdeu, amigo.

  4. Mais um candidato a marionete do Benjamin,larguem o osso vcs não tem a mínima chance kkkkkkk

  5. Rsrs..muita sujeira
    Acabando mês d maio e até agora nada de proposta csn faz o q qué mesmo nessa cidade …

  6. VENDERAM A ALMA DOS TRABALHADORES E AINDA QUEREM PERPETUAR NO PODER.

  7. ME ENGANA QUE EU GOSTO

    Depois de ler esse absurdo eu não sei se rio ou se choro.esse candidato nada mais é do que um novo fantoche da csn.

  8. Dos nove (um) demitidos pela csn, se candidate para a presidência do sindicato .

  9. Acredite se quiser

    GENTE!OS CARAS SE SUPERARAM NO QUESITO CARA DE PAU.EU DUVIDO QUE HAJA SINDICATO MAIS SEM VERGONHA DO QUE ESSE.

    • Acho que nem os membros do sindicato votam nele kkkkkkkkk só pode ser pegadinha não é possível kkkkk um voto garantido ele vai ter ,o dele mesmo kkkkkkk

  10. Acredite se quiser

    Qualquer candidato desse sindigato não venceria a eleição mesmo que fosse chapa única é melhor nem candidatar.pra não passar vergonha.

    • Juro que quando comecei a ler a entrevista pensei que fosse um empresário dono de alguma empresa da base do Sindicato. É lamentável ler uma entrevista de um dirigente sindical que se presta a defender os lucros e privilégios dos patrões enquanto os trabalhadores produzem recordes de lucros aos patrões anos após anos enquanto veem seu poder de compra reduzir a cada dia, seus direitos serem arrancados e o assédio moral imperar no interior das fábricas. Acho que desse discurso os trabalhadores e as trabalhadoras já cansaram e querem mudança. Pelo que vejo nas ruas e nas portas das fábricas é reclamação e indignação. Nunca imaginei os trabalhadores odiar tanto uma diretoria. Também pudera, entregar de bandeja o turno de revezamento e o plano de saúde de cobertura nacional da CSN tem seu preço.

Untitled Document