>
quinta-feira, 7 de julho de 2022 - 05:06 h

TEMPO REAL

 

Capa / Tempo Real / Dois dos terroristas eram franceses

Dois dos terroristas eram franceses

Matéria publicada em 15 de novembro de 2015, 18:35 horas

 


Paris – A Procuradoria Federal da Bélgica confirmou neste domingo (15) que dois dos autores dos atentados de Paris eram cidadãos franceses que residiam em Bruxelas e que dois automóveis utilizados nos ataques foram alugados na Bélgica. A Procuradoria informou ainda que os dois homens morreram no local dos ataques.

Segundo o comunicado, “dois automóveis com matrícula belga”, encontrados pela polícia francesa em Paris, foram alugados “no início da semana na região de Bruxelas”.

De acordo com a Procuradoria, a operação policial iniciada no sábado, no bairro de Molenbeek, em Bruxelas, levou à detenção de sete pessoas, cujo envolvimento nos ataques de Paris está sendo investigado.

Os atentados de sexta-feira à noite em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, deixaram 129 mortos e 352 feridos.

Os ataques foram executados por, pelo menos, sete terroristas, encontrados mortos nos locais, e tinham como alvo um estádio de futebol, uma sala de concertos e quatro cafés e restaurantes do centro de Paris.

Polícia interroga familiares de suspeito

Seis pessoas da família do francês Ismael Omar Mostefai – apontado como autor de um dos ataques ocorridos em Paris na última sexta-feira – foram detidos para interrogatório.

O pai, o irmão e a cunhada de Mostefai se encontram nas instalações da Subdireção Antiterrorista (SDAT), nos arredores de Paris.

A polícia francesa identificou ainda o carro usado por homens armados que fizeram vários disparos em frente a restaurantes em Paris. O carro preto modelo Seat foi encontrado em Montereuil, subúrbio da capital francesa.

O grupo autodenominado Estado Islâmico reivindicou, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortes e deixaram 352 feridos, 99 em estado grave.

Oito terroristas, sete deles suicidas, que usaram cintos com explosivos para finalizar os atentados, morreram, segundo fontes policiais francesas.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde ocorria uma partida de futebol entre as seleções da França e da Alemanha.

A França decretou estado de emergência e restabeleceu o controle de fronteiras após os episódios que foram classificados pelo presidente francês, François Hollande, como “ataques terroristas sem precedentes no país”.

Governo promete intensificar luta contra Estado Islâmico

O governo francês deve reagir aos atentados terroristas da última sexta-feira (13) em Paris intensificando a luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico e, ao mesmo tempo, melhorando a segurança interna por meio do aumento do controle das fronteiras sem ferir o Estado de direito e as liberdades fundamentais. Na avaliação do cientista político e professor da Universidade de Sorbonne Stéphane Monclaire, outro desafio será evitar as infiltrações de terroristas na França sem endurecer a política imigratória. “Será necessário mostrar para a população francesa que não é porque alguns terroristas cruzaram as fronteiras como refugiados que não vamos acolher os refugiados”, afirmou.

O historiador Bruno Garcia, pesquisador da Revista de História da Biblioteca Nacional, disse ter testemunhado na Europa algumas pessoas relembrando boatos de que o Estado Islâmico estava infiltrando terroristas entre os refugiados.

“Este argumento foi ventilado como uma forma de justificar uma política de bloqueio aos refugiados. Já se sabe que a Europa não tem como lidar com uma onda contínua de refugiados e a promessa de que ela só deve aumentar nos próximos anos. O problema é que ninguém sabe que solução dar, não é uma resposta rápida. Com isso, a extrema direita vai aproveitar essa situação para ganhar capital eleitoral”, destacou Garcia.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou neste domingo (15) que os atentados em Paris e a descoberta de um passaporte sírio próximo ao corpo de um dos terroristas não devem levar a uma mudança na política europeia de acolhimento de refugiados.

“Os que cometeram os atentados são exatamente aqueles de quem os refugiados fogem e não o contrário. Consequentemente, não há motivo para rever o conjunto das políticas europeias em matéria de refugiados”, disse Juncker à imprensa antes do início da Cúpula do G20 em Antália, na Turquia.

Segundo o professor da Sorbonne, os ataques tiveram uma dimensão simbólica muito forte. Eles começaram perto do Stade de France, onde ocorria uma partida de futebol entre as seleções da França e da Alemanha com a presença o presidente francês François Hollande. Em seguida, os terroristas mataram 129 pessoas e deixaram 352 feridos em locais que ficavam perto da redação do jornal Charlie Hebdo, alvo de ataque em janeiro que resultou em 12 mortes.

“É uma maneira de dizer que estamos fazendo a guerra contra a França. É um recado da potência do Estado Islâmico e do seu nível de organização porque, desta vez, não se tratava de indivíduos cuja coordenação não era muito forte, mas de indivíduos muito determinados, muito bem organizados e coordenados”, disse Monclaire.

Para o historiador Bruno Garcia, é muito difícil lançar uma guerra ao terror contra um inimigo que é abstrato. Ele ressaltou que a solução passa por medidas diplomáticas e uma ação conjunta que também inclui a alternativa militar. “Os terroristas deixaram de ser apenas a Al Qaeda e deixaram de ter residência em um país e passaram a se distribuir de forma mais difusa e com objetivos mais difusos. Ficou claro que uma política de tolerância zero não resolveria o problema. Ao fomentar uma guerra ao terror, o Ocidente produziu de certa forma também outras condições que alimentam o fundamentalismo.”


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Francês com nome e sobrenome árabe? Só é francês porque nasceu lá…

Untitled Document