;
quinta-feira, 26 de novembro de 2020 - 15:21 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Donos de pousadas da região contabilizam prejuízos da quarentena

Donos de pousadas da região contabilizam prejuízos da quarentena

Matéria publicada em 3 de abril de 2020, 09:27 horas

 


Sul Fluminense – A quarentena em toda região Sul Fluminense fez com que quase todo o comércio e serviços em geral fechassem as portas por tempo indeterminado, incluindo os serviços voltados para hospedagens. Por isso os donos dos estabelecimentos voltados para o turismo estão contabilizando no papel os prejuízos que o novo coronavírus e o isolamento social provocaram nas últimas semanas e continuarão provocando até que a quarentena seja encerrada.

Além da preocupação financeira, pousadas e hotéis precisam se preocupar com a vida de seus funcionários para que não corram risco de contrair a Covid-19 no dia-a-dia, mas também necessitam que alguém tome conta do espaço físico do estabelecimento para evitar saques e furtos, e das reservas que foram feitas para os próximos meses.

Pousada tinha expectativa de superlotação no mês de maio
(Foto: Redes Sociais)

Itatiaia

Estas são algumas de outras preocupações de Guaraci Osório Viegas, de 55 anos, gerente de uma pousada de Itatiaia, que concedeu férias coletivas para todos os 13 funcionários.

– Está tudo parado por aqui desde quando a prefeitura lançou um decreto municipal que fechou tudo. Estamos com problema grande em relação as reservas já pagas para o período em que estamos fechados. Estamos conscientes que no momento dessa crise de pandemia o melhor é o isolamento apesar, apesar dos prejuízos – destacou o gerente.

A pousada possui 17 suítes que comportam 56 hóspedes no total. A expectativa de Guaraci era de que no mês de maio, período que o frio se aproxima, a pousada enchesse de reservas, mas com a quarentena pode ser que não seja possível.

– Mês de abril é fraco, mas em maio é bom pelo início do frio, além de ser mês das mães e é o período em que recebemos recém-casados. A maioria dos hóspedes está aceitando cartas de créditos para gastarem depois do retorno das atividades, já devolvemos alguns valores, mas o problema é que as entradas pararam e continuamos com as despesas de pessoal e fornecedores, isto descapitaliza muito rápido – explicou Guaraci.

A prefeitura de Itatiaia suspendeu o acesso de ônibus, micro-ônibus e vans de turismo por 30 dias, em Penedo, no Parque Nacional do Itatiaia, na região de Maringá e Maromba, além de todo o município. A medida está no decreto nº 3407/20, que está em vigor desde o dia 20 de março.

O prefeito, Eduardo Guedes também determinou o fechamento dos acessoas à cidade, instalando manilhas em pontos estratégicos e barreiras de controle para entrada e saída do município.

Pousada teria lotação de hóspedes na Semana Santa
(Foto: Redes Sociais)

Angra dos Reis

Sérgio Guimarães, de 73 anos, proprietário de uma pousada de Angra dos Reis, localizada junto à praia na Enseada da Biscaia, destacou que sua preocupação é a forma que o mercado se comportará após a quarentena.

– Os desdobramentos são imprevisíveis. A falta de receita vai obrigar muita gente a fechar seus negócios ou vendê-los ao preço de oportunidade. Aqui em Angra, a TurisAngra, o Convention Bureau, o Sebrae, cada um dentro de suas competências e limitações vêm conduzindo muito bem a situação, informando e buscando soluções para o setor. Paralelamente, estamos direcionando esforços nas mídias sociais no sentido de continuar mostrando o destino de Angra, suas belezas, sua responsabilidade diante do problema que estamos vivendo e dando também visibilidade à nossa marca – relatou o proprietário.

Ele comentou que a expectativa para os próximos meses era alta. A pousada, que possui 14 apartamentos, tinha todo o estabelecimento reservado para a Semana Santa, que seria entre os dias cinco e 11 de abril. O restante do mês de abril já tinha 60% das reservas confirmadas, em maio 40% de ocupação e algumas consultas para o mês de junho.

– As reservas que tínhamos fechado até junho, algumas foram canceladas outras remarcadas para o segundo semestre. Por determinação da prefeitura fomos impedidos a trabalhar por motivo de força maior e antecipamos as férias dos nossos funcionários. Nossos compromissos estão sendo honrados dentro do possível. Na verdade temos duas opções: ou morremos de uma coisa ou de outra – disse Sérgio Guimarães.

A prefeitura de Angra dos Reis determinou o fechamento do comércio local no dia 22 de março, em um decreto divulgado no Boletim Oficial do Município, nº 1148, disponível no site da prefeitura. Segundo o documento, as medidas durariam 15 dias, ou seja, até a próxima segunda-feira (06), porém é possível que seja prorrogado por mais 15, pois o município possui dois casos confirmados de Covid-19, sendo que um deles é de uma grávida.

Pousada receberia cerca de 180 hóspedes nas próximas semanas
(Foto: Redes Sociais)

Paraty

O gerente de uma pousada localizada no bairro Caborê, em Paraty, Oswaldo Bozzetti, também tomou medidas para assegurar seus funcionários e a pousada. Boa parte dos funcionários receberam férias, enquanto três seguem trabalhando para resguardar o patrimônio.

– Estamos fazendo um trabalho com nossas reservas para reagendamento junto aos clientes e graças a Deus cerca de 95% estão aceitando reagendar. Fechamos a pousada até dia 15 desse mês. Ainda não sei a dimensão de prejuízos porque estou esperando as informações do nossos contador em relação à pagamento do governo para pequenas e médias empresas. Sigo trabalhando em administrar a pousada, me adaptando ao sistema de home office para deixar tudo pronto quando reabrirmos – concluiu Oswaldo.

A pousada, que tem capacidade para receber 100 hóspedes, receberia uma grande demanda de pessoas nos próximos feriados.

A prefeitura de Paraty também decretou medidas de prevenir a proliferação do coronavírus pelo município, fechando alguns comércios, deixando apenas os serviços essenciais funcionando.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

9 comentários

  1. Avatar

    Já esculhambaram com os preços e serviços aquém do contratado. Até pão mofado servem. Bando de unhas de fome e agora chorando. Tá pensando em funcionários? Conta outra. Reparta os lucros acumulados por décadas com os funcionários por alguns poucos meses, que tal?

  2. Avatar

    E os políticos não vão reduzir os salários também.

  3. Avatar

    Pra sentirem na pele o que os consumidores sentem ao pagarem R$ 400 pra 1 diária / casal. Não tenho pena nenhuma desse grupo nesse ponto.

  4. Avatar

    Como e a vida.. Cobravam o olho da cara em um fim de semana normal. Em datas especiais o preço era o absurdo dos absurdos. Agora estao contabilizando prejuizos. Dou risadas. Isso nao é prejuizo, É devolucao ao universo daquilo que cobraram em excesso. Deus e sempre muito justo..Como dizia minha falecida MAE : DEUS NAO DORME..Obrigado Senhor

  5. Avatar

    Ninguém mais está respeitando. Na Suinolândia mostraram no RJTV de ontem movimento normal, apesar do comércio fechado… O povo está de saco cheio de ser “bombardeado” com notícias sobre o Covid e também está saturado pela sua pena de detenção auto-imposta, onde tem menos liberdade de ação que um presidiário… Ele está em processo de catarse, tentando um alívio ante essa opressão que, se não é violenta, tem o mesmo efeito. A verdade é que a maioria vê nisso um sacrifício “pelos outros”, mais um gesto de altruísmo do que de amor próprio, já que para a maioria um eventual contágio não traria maiores consequências. A maioria da população, como sabemos, não é altruísta…

    • Avatar
      Ninguém tá aguentando.

      Teve um senhor que endoideceu com a quarentena e deu uma facada para ela não sair de casa …
      E ela faleceu.

    • Avatar

      Mas é na Cornolândia o maior número de mortos e infectados. Deve ser por causa do Ricardão….

  6. Avatar

    Cobram preços abusivos, devem ter uma boa reserva.
    Parem de chorar !!!!!

    • Avatar

      Concordo plenamente, eu ia fazer o mesmo comentário, só complemento, ganhão dinheiro o ano todo, isso serve pra muitos empresários ou micro, quando estão ganhando dinheiro não reparte os lucros anuais, embolsa a grana e pronto, quando vem a crise ou manda embora, ou quer tirar do funcionário.
      Podiam fazer um negócio, vou tirar uma porcentagem do seu salário nessa época de crise, mas vou dar uma participação dos lucros quando o movimento melhorar.eu acho que seria justo.

Untitled Document