quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Eike Batista é preso ao desembarcar no Aeroporto do Galeão

Eike Batista é preso ao desembarcar no Aeroporto do Galeão

Matéria publicada em 30 de janeiro de 2017, 10:40 horas

 


O avião que trouxe o empresário Eike Batista de Nova York para o Rio de Janeiro pousou às 9h54 no Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão. O empresário foi preso por agentes da Polícia Federal logo após desembarcar. Neste momento, Eike está no Instituto Médico-Legal (IML) onde fará exame de corpo de delito e, em seguida, será encaminhado ao presídio Ary Franco.

O empresário embarcou no domingo (29), no Aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, em um voo da American Airlines

Eike, proprietário do grupo EBX, é suspeito de lavagem de dinheiro em um esquema de corrupção que também atinge o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, que está preso.

Eike e o executivo Flávio Godinho, seu braço direito no grupo EBX e vice-presidente do Flamengo, são acusados de terem pago US$ 16,5 milhões a Cabral em troca de benefícios em obras e negócios do grupo, usando uma conta fora do país. Os três também são suspeitos de terem obstruído as investigações.

Na quinta-feira (26), a Polícia Federal tentou deter o empresário em sua casa, no Rio de Janeiro, mas ele não estava lá. Os advogados informaram que Eike havia viajado a trabalho para Nova York e que voltaria ao Brasil para se entregar. A Polícia Federal o considerou foragido e pediu a inclusão de seu nome na lista de procurados da Interpol, a polícia internacional.

Eike, 60 anos, foi considerado o homem mais rico do Brasil e, em 2012, o sétimo mais rico do mundo pela revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões. As empresas do grupo EBX atuam na área de mineração, petróleo, gás, logística, energia e indústria naval. Em 2013, entretanto, os negócios entraram em crise e Eike começou a deixar o controle de suas companhias e vender seu patrimônio.

O nome de Eike Batista apareceu na semana passada no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Calicute, fase da Lava Jato, sobre propinas pagas por grandes empreiteiras a partidos e políticos para obter contratos da Petrobras.

As informações são da Agência Brasil.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    O nosso Brasil anda mudando, quando poderíamos imaginar que um dia um homem igual a Eike Batista, fosse ser preso, com toda essa fortuna que ele tem, um Marcelo Odebrech, Sergio Cabral, esse é o Pais que esperamos ter, ninguém pode estar acima das nossa Leis. Os políticos tem que reverem esse momento para refletirem, se vale a pena ser um ladrão, ou uma pessoa correta?

  2. Avatar

    O cara é simpático, boa pinta, nasceu rico, foi cometer crime para quê???
    É o pior nem curso superior tem…
    Não vai ter prisão especial…

    • Avatar

      Infelizmente o PT institucionalizou a corrupção no Brasil. Se tornou regra o pagamento de propina para as grandes empresas. Ou elas pagavam ou não trabalhavam. Ontem no aeroporto, ele elogiou a lava Jato, disse que o Brasil será passado a limpo. Ao ser perguntado porque ele apoia a operação já que esta sendo preso por causa dela, ele respondeu que, “se errei eu devo pagar pelos meus erros”. A verdade é uma só: No governo do PT ou vc pagava propina ou não trabalhava, simples assim.

    • Avatar

      Isso acontece com qualquer pessoa do bem que acaba se deixando seduzir e cai na lábia do maligno. Quem tudo quer, nada tem, o homem era um exemplo para jovens, agora continua um exemplo do que não se deve fazer.

Untitled Document