sábado, 7 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Matéria publicada em 10 de novembro de 2019, 19:24 horas

 


Ex-presidente boliviano disse que deixou o cargo para preservar a vida dos bolivianos; comandante das Forças Armadas sugeriu renúnc

Brasília – O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo (10), em um pronunciamento transmitido a partir da cidade de Cochabamba, sua renúncia ao cargo, em meio à escalada dos protestos que se seguiram à eleição de 20 de outubro no país.

Ao lado de Morales, o vice-presidente Alvaro García Linera também anunciou que deixa seu posto.

“Queremos preservar a vida dos bolivianos”, disse Morales no pronunciamento. Ele disse que decidiu deixar o cargo “para que não continuem maltratando parentes de líderes sindicais, prejudicando a gente mais humilde. Estou renunciando e lamento muito esse golpe”.

Imagens de TV mostraram oposicionistas comemorando nas ruas de La Paz. A pressão sobre Morales aumentou depois que o comandante das Forças Armadas bolivianas, William Kaiman, sugeriu, na tarde deste domingo, que Morales renunciasse para permitir a “pacificação e a manutenção da estabilidade, pelo bem da nossa Bolívia”.

Mais cedo, Morales havia anunciado a realização de novas eleições e a substituição dos integrantes do Tribunal Superior Eleitoral boliviano, mas não conseguiu melhorar os ânimos dos adversários. Na ocasião, ele disse que sua “principal missão é proteger a vida, preservar a paz, a justiça social e a unidade de toda a comunidade boliviana”.

O anúncio da nova eleição foi feito depois de a Organização dos Estados Americanos (OEA) ter divulgado um informe sobre uma auditoria do processo eleitoral, em que o órgão recomendou a realização de um novo pleito.

Antes da renúncia de Morales, a imprensa boliviana noticiou a realização neste domingo de diversos ataques a residências, incluindo casas de familiares de Morales, e a prédios públicos. No Twitter, o ainda presidente havia denunciado que “fascistas” tinham incendiado a casa dos governadores de Chuquisaca y Oruro, e também de sua irmã, Esther Morales, em Oruro. Emissoras de rádio e TV estatais, como a Bolívia TV, foram alvo de protestos.

Depois que manifestantes atacaram a sua casa, o presidente da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, também renunciou ao cargo neste domingo.

Eleição polêmica

As eleições presidenciais bolivianas ocorreram em 20 de outubro. Morales obteve 47,07% dos votos, enquanto seu principal concorrente, Carlos Mesa, alcançou a 36,51%. Pelas regras eleitorais bolivianas, Morales foi declarado eleito, por ter obtido mais de 10% de votos além de Mesa.
A apuração dos votos, no entanto, foi acompanhada por polêmica, com acusações de ambos os lados. Uma missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou problemas como a falta de segurança no armazenamento das urnas e a suspensão da apuração.
Diante da polêmica, Morales e líderes oposicionistas sugeriram que a Organização dos Estados Americanos (OEA) auditasse o resultado das eleições – e Morales convidou países como Colômbia, Argentina, Brasil e Estados Unidos a participarem do processo. Desde então, os protestos populares se acirraram, com oposicionistas chegando a estabelecer um prazo para que Morales deixasse o cargo.

Pronunciamento

O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou na noite deste domingo (10) a respeito da renúncia do então presidente boliviano Evo Morales. No fim da tarde de hoje Morales anunciou que deixaria o cargo e pediu a convocação de novas eleições.

Segundo a publicação de Bolsonaro nas redes sociais, a lição que fica para os brasileiros é a necessidade de votos que possam ser auditados. Para o presidente, o voto impresso “é sinal de clareza para o Brasil!”

“Denúncias de fraudes nas eleições culminaram na renúncia do Presidente Evo Morales. A lição que fica para nós é a necessidade, em nome da democracia e transparência, contagem de votos que possam ser auditados. O VOTO IMPRESSO é sinal de clareza para o Brasil!”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

Cerca de uma hora antes do anúncio da renúncia de Morales, o governo brasileiro já havia se manifestado, por meio do Ministério das Relações Exteriores (MRE), sobre as irregularidades apontadas no processo eleitoral boliviano pela Organização dos Estados Americanos (OEA) que pedia a convocação de um novo processo eleitoral.

“O Brasil considera pertinente a convocação de novas eleições gerais em resposta às legítimas manifestações do povo e às recomendações da OEA, após a constatação das graves irregularidades. O Brasil estima que o novo sufrágio deve ser dotado de todas as condições para assegurar sua absoluta transparência e legitimidade. Nesse sentido, o novo sufrágio deve ser presidido por autoridades reconhecidas por sua honorabilidade e credibilidade para garantir o soberano desejo dos bolivianos, e contar com observação internacional em todas as etapas do processo”, diz a nota.

Por Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

11 comentários

  1. Avatar
    Capeta da grota do Santa cruz

    Já foi tarde

  2. Avatar

    Parabéns ao Exercito e ao povo de bem boliviano, é assim que se faz com vagabundos que querem se perpetuar no poder . chega , esse índio já fez muita merda. A esquerda brasileira diz que foi “gópi”, mesmo sendo comprovado que as urnas foram fraudadas .

  3. Avatar

    Bandidão fralda a votação e mesmo a OEA recomendando nvas eleições ele deixa queimar o país. É só para enganar os esquerdistas. Igual a esquerda daqui que engana os pobres dando um pão MAIS mortadela.

    No Brasil havendo o VOTO IMPRESSO nunca mais a esquerda volta ao governo pq aqui a maioria do povo é gente de bem e trabalhadora. Gente digna que fica horas nos pontos de ônibus para ganhar a vida sem depender de bolsa família em troca de voto .

  4. Avatar

    Militares Bolivianos estão com o povo, diferente dos militares Venezuelanos que estão com o ditador Maduro.

    • Avatar
      Dicionário comunista

      Eeeeeeeeeeepáááá! Golpe não! Honre o dicionário dos pão com mortadela: Se fala GÓRPI entendeu? GÓRPI…

  5. Avatar

    E a Bolívia volta ao normal. Só que agora não são só os militares disputando o poder, polícia e milícia também querem a boca, em golpe após golpe, como nos velhos tempos.

    • Avatar

      Espero que voltando ao normal acabem com o Ministério da Marinha, pois segundo o mapa mundi não há litoral na Bolívia. Então foi só mais uma repartição pública criada pelo comunista indígena prá dar “boquinha” prós pão com mortadela de lá. Vou comprar o porta aviões que está atracado na Cordilheira dos Andes prá mim.

  6. Avatar

    “…vou choraaaaar, desculpe, mas eu vou choraaaaar…”

    • Avatar

      Bandidão fralda a votação e mesmo a OEA recomendando nvas eleições ele deixa queimar o país. É só para enganar os esquerdistas. Igual a esquerda daqui que engana os pobres dando um pão MAIS mortadela.

      No Brasil havendo o VOTO IMPRESSO nunca mais a esquerda volta ao governo pq aqui a maioria do povo é gente de bem e trabalhadora. Gente digna que fica horas nos pontos de ônibus para ganhar a vida sem depender de bolsa família em troca de voto .

    • Avatar

      Esquerda e direita. Comunismo e capitalista. Ambos autoritários. Ambos se definham naturalmente. E quem paga a conta?? O povo, as empresas, o progresso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document