Febre Aftosa: produtores têm até 30 de abril para imunizar rebanho

Junto a mais seis estados, o Rio de Janeiro será considerado “zona livre da febre aftosa sem vacinação”

by adrielly ribeiro

Estado do Rio – Os pecuaristas do Estado do Rio têm até 30 abril para imunizar o rebanho contra a febre aftosa. Após este mês, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) suspenderá a vacinação em mais sete estados do país, incluindo o Rio de Janeiro. O objetivo garantir a condição de “zona livre da febre aftosa sem vacinação” ao estado fluminense. O período de imunização teve início no dia 1º e se estenderá até o dia 30 deste mês.

A medida dá continuidade ao avanço do Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa, que tem como objetivo criar e manter condições sustentáveis para garantir o status de país livre da febre aftosa e ampliar as zonas livres de febre aftosa sem vacinação, protegendo o patrimônio pecuário nacional. Além do Estado do Rio, serão contemplados também o Amapá, Bahia, Maranhão, Pará, Roraima e Sergipe.

O presidente da ACIAP-BM (Associação Comercial, Industrial, Agropastoril e Prestadora de Serviços de Barra Mansa), Matheus Gattás, alertou os pecuaristas do município a importância de aderir à ação. “O Agro é um dos segmentos atendidos pela Associação Comercial e tem muita força na economia do nosso município. Essa decisão do Ministério da Agricultura e Pecuária é uma conquista, pois mostra que a febre aftosa está erradicada em nosso Estado. Alertamos a todos os pecuaristas que não deixem de participar dessa última campanha de vacinação, é muito importante a adesão de todos”, falou Gattás.

O chefe do Núcleo de Defesa Agropecuária de Barra Mansa, Marcos Alexandre da Silva, explicou sobre como ficará o ingresso e a comercialização dos animais, a partir da efetivação da medida, com estados que ainda não tenham o mesmo status. “Os animais poderão ser comercializados das áreas livres sem vacinação para os estados que ainda continuam vacinando, sendo necessária a imunização do rebanho no destino, conforme as orientações oficiais. Entretanto, não será permitido o ingresso de animais desses locais no território fluminense, tampouco a comercialização de vacinas nas casas agropecuárias do Rio de Janeiro”, disse ele.

Por conta disso, Silva ressalta a importância da adesão total dos criadores do município. Segundo Marcos, a partir do dia 1º de maio em diante não será mais possível adquirir vacinas ou aplicar no rebanho.

“É necessário enfatizar que é obrigatório vacinar bovinos e bubalinos em todas as idades e entregar a Declaração de Vacinação no mês de abril no Posto Municipal ou Núcleo de Defesa Agropecuária que atende o município onde encontra-se a propriedade. É um momento importante para a nossa economia e representará uma redução de custos para o pecuarista, que a partir de maio deverá estar atento e colaborar com a vigilância sanitária, comunicando qualquer suspeita da ocorrência da doença”, destacou ele.

O Núcleo de Defesa Agropecuária de Barra Mansa funciona na Rua João Chiesse Filho, 312, no Centro (Parque da Cidade). Maiores informações podem ser solicitadas pelo e-mail: [email protected]

 

You may also like

Leave a Comment

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996