sexta-feira, 14 de maio de 2021 - 23:52 h

TEMPO REAL

 

Capa / Olimpíadas 2016 / Futebol Feminino busca ouro no Rio em nome do futuro

Futebol Feminino busca ouro no Rio em nome do futuro

Matéria publicada em 2 de agosto de 2016, 17:24 horas

 


Marta será mais uma vez o principal nome do time brasileiro

Marta será mais uma vez o principal nome do time brasileiro

Rio – A sobrevivência do esporte no Brasil. É pensando nisso que a Seleção Brasileira feminina de futebol vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A estreia nesta quarta-feira, contra a China, no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ), marca, na visão das brasileiras e do técnico Vadão um divisor de águas.

Isso porque, no caso de uma grande campanha, existe a expectativa em torno de uma maior valorização. Já um desempenho abaixo do esperado pode sepultar as chances de o futebol feminino se estabelecer com força no país.

O Brasil jamais conquistou o ouro olímpico. Esteve muito perto em duas ocasiões, quando teve que se contentar com a prata, em 2004 e 2008. Um título de expressão realmente falta a Marta e companhia, que também foram vice na Copa do Mundo de 2007, quando perderam a decisão para a Alemanha.

– Vamos supor que a Seleção Brasileira ganhe a medalha de ouro. No dia seguinte um decreto vai obrigar o futebol feminino nas escolas? As prefeituras vão pagar um professor de futebol feminino para as crianças como fazem no masculino. É importante não confundir o resultado dos Jogos Olímpicos com a necessidade de investimento. Se nossas escolas e cidades tivessem essa cultura a gente já seria uma potência – analisou Vadão.

AS ADVERSÁRIAS

A Seleção Brasileira não deu muita sorte no sorteio que a colocou no mesmo grupo de Suécia e China. Nesta chave apenas a África do Sul pode ser considerada tranquila de ser batida. A Suécia é sempre uma força e costuma mandar equipes de qualidade para os principais torneios, enquanto que as chinesas são donas de um poderoso time, sendo logo as rivais da estreia.
Projetando a passagem de fase, as brasileiras terão mesmo os Estados Unidos como grande rival na luta pelo ouro. As norte-americanas são as atuais tricampeãs olímpicas e favoritas a mais um ouro. A Alemanha e a França também estão nesta disputa, não dando para desprezar a Austrália, que deixou de fora da disputa a atual vice-campeã mundial Japão.
EDIÇÕES ANTERIORES

A disputa feminina no futebol começou em Atlanta, em 1996. Como já era esperado, os Estados Unidos, grande potência mundial, ficou com a medalha de ouro, derrotando a China na final por 2 a 1. O Brasil surpreendeu com uma inesperada quarta posição. O time canarinho fez uma campanha que causou espanto até nos mais otimistas torcedores, tendo arrancado empates com Noruega e Alemanha. Mas nas semifinais as canarinhas caíram diante das chinesas por 3 a 2. A medalha de bronze foi perdida em derrota de 2 a 0 para a Noruega.

Quatro anos depois, em Sidney, na Austrália, o Brasil voltou a fazer grande campanha, chegando a surpreender a Suécia na estreia, ganhando por 2 a 0. Porém nas semifinais as brasileiras cruzaram o caminho dos Estados Unidos e perderam por 1 a 0. A chance da medalha de bronze mais uma vez escapou, dessa vez diante da Alemanha: derrota por 2 a 0. Na final a Noruega surpreendeu as norte-americanas, ganhando por 3 a 2.

Em Atenas, em 2004, o Brasil enfim conquistou a sua primeira medalha olímpica, a prata. As brasileiras encantaram o mundo com um futebol envolvente e grandes resultados, como uma goleada de 7 a 0 sobre a Grécia. Nas quartas de final nova goleada: 5 a 0 sobre o México. Nas semifinais uma vitória por 1 a 0 sobre a Suécia garantiu uma medalha. Porém o ouro não veio. Mesmo fazendo uma grande final contra os Estados Unidos, o Brasil perdeu por 2 a 1, na prorrogação.

Na Olimpíada de Pequim, na China, o Brasil chegou pela primeira vez com status de ser um dos favoritos. Não sentiu o peso e passou com tranquilidade pela primeira fase, deixando a Alemanha em segundo lugar no grupo. Nas quartas de final as brasileiras passaram pela Noruega, ganhando por 2 a 1. Nas semifinais um verdadeiro show, com direito a 4 a 1 sobre as alemães. Porém, a “Síndrome do Quase” apareceu na final e os Estados Unidos acabaram com a festa canarinho, ganhando por 1 a 0.

Por fim a edição de 2012, em Londres, onde o Brasil desceu alguns degraus em seu patamar. Mesmo tendo passado sem sustos pela primeira fase, a Seleção Brasileira não foi bem nas quartas de final e perdeu para o Japão, afastando-se da luta por medalhas. As japonesas ainda conquistariam a prata, perdendo o ouro para a poderosa equipe dos Estados Unidos.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document